Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Takashi Fukushima

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.03.2017
1950 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Paisagem do Jardim Vegetal, 1980
Takashi Fukushima
Acrílica sobre tela
100,00 cm x 100,00 cm

Takashi Fukushima (São Paulo, São Paulo, 1950). Pintor, gravador, desenhista e cenógrafo. Filho do pintor Tikashi Fukushima (1920 - 2001), estuda com Luiz Paulo Baravelli (1942) em 1970 e, no mesmo ano, ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP. Paralelamente aos estudos universitários, expõe nas Bie...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Takashi Fukushima (São Paulo, São Paulo, 1950). Pintor, gravador, desenhista e cenógrafo. Filho do pintor Tikashi Fukushima (1920 - 2001), estuda com Luiz Paulo Baravelli (1942) em 1970 e, no mesmo ano, ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP. Paralelamente aos estudos universitários, expõe nas Bienais Internacionais de São Paulo em 1973 e 1975, obtendo, nesta última, prêmio aquisição. Participa de várias edições do Salão Paulista de Artes Plásticas, sendo premiado em 1976 e 1987. Também em 1987, faz a concepção visual e os cenários da peça Pássaro do Poente, com o Grupo Ponkã, recebendo, no ano seguinte, os prêmios Apetesp, Mambembe, Molière e Revelação da Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA. Em 1990 estuda na Universidade Nacional de Artes e Música de Tóquio, Japão, com bolsa concedida pela Fundação Japão. No mesmo ano, recebe o prêmio de excelência na 1ª Bienal Brasileira de Design, em Curitiba. Em 1991, obtém menção honrosa no 6º prêmio Museu da Casa Brasileira, São Paulo. Em 2001 obtém o título de mestre em estruturas ambientais urbanas na FAU/USP, sob orientação de Issao Minami, iniciando no mesmo ano tese de doutoramento. Desde 1992 leciona desenho no curso de arquitetura e urbanismo da Faculdade de Belas Artes de São Paulo.

Análise

No início da carreira, Takashi Fukushima pinta paisagens utilizando um grafismo caligráfico e pinceladas que ocupam a parte inferior da tela, deixando em branco grande parte da superfície. De acordo com a tradição oriental, esse espaço em branco relaciona-se não só ao silêncio, mas à espiritualização. Aos poucos toda a superfície branca da tela passa a ser ocupada pela paisagem, produzida em linhas sinuosas, que revelam montanhas e a vegetação. Em oposição aos grafismos, em algumas áreas predominam pinceladas realizadas com tintas fluidas, aproximando-se da abstração.

O artista utiliza uma gama cromática que evoca a suavidade da aquarela, em obras de grandes dimensões. Na metade da década de 1980, expõe ainda paisagens urbanas, que apresentam grande simplificação formal, com uma gama cromática mais escura, em que predominam cores misturadas ao cinza. O pintor dedica-se também à xilogravura, na qual retoma as questões recorrentes em seus quadros.

Em exposição realizada em 1999, Takashi Fukushima utiliza técnica mista sobre madeira, empregando as tintas de maneira a deixar transparecer a textura e os veios desse suporte, em obras mais próximas da abstração.

Obras 9

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Agente Laranja

Acrílica sobre tela
Reprodução fotográfica Pedro Oswaldo Cruz

Auto-retrato

Tinta acrílica sobre tela
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini/Itaú Cultural

Celeste

Mista sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Jardim Paisagem

Acrílica sobre tela

Exposições 152

Abrir módulo

Eventos relacionados 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • 15 JOVENS artistas do Brasil. São Paulo: MAB; Buenos Aires: Museo de Arte Moderno, 1978.
  • ARTISTAS japoneses e nipo-brasileiros contemporâneos. Apresentação Lisbeth Ruth Rebollo Gonçalves; texto Elvira Vernaschi, Maria Cecília França Lourenço, Akira Tatehata. São Paulo : MAC, 1995.
  • BRASÍLIA: patrimônio cultural da humanidade. Tradução Angela Brant Ribeiro. Rio de Janeiro: Spala, 1988.
  • FUKUSHIMA, Takashi. Cidade/campo. São Paulo: Galeria Alberto Bonfiglioli, 1985. 16 p., il. p&b. color.
  • FUKUSHIMA, Takashi. Shizen: imitando a natureza. São Paulo: Galeria Alberto Bonfiglioli, 1982. 12 p., il. color.
  • FUKUSHIMA, Takashi. Takashi Fukushima. Apresentação de Alberto Beuttenmuller. São Paulo: Galeria Paulo Prado, 1981. 8 p., il. p&b. color.
  • FUKUSHIMA, Takashi. Takashi Fukushima: das naturezas. Sao Paulo: Paulo Figueiredo Galeria de Arte, 1988. 16 p., il. p&b. color.
  • FUKUSHIMA, Takashi. Takashi Fukushima: xilogravuras. Sao Paulo: Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 1991. 1 folha dobrada, il. p&b.
  • MADE in Japan. Galeria: Revista de Arte, São Paulo, nº 3, p.27.
  • PAZ. Rio de Janeiro : Spala, Fundaçao Banco do Brasil, s.d.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço. Não Catalogado
  • TAKASHI Fukushima. São Paulo: Toki-Arte Galeria, 1986.
  • XILOGRAVURA : do cordel à galeria. Texto Haroldo de Campos, Fábio Magalhães, Leonor Amarante. São Paulo : Metrô, 1994.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: