Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Barbara Heliodora

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.01.2022
29.08.1923 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
10.04.2015 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Registro fotográfico autoria desconhecida

Bárbara Heliodora, 1964
Barbara Heliodora
Acervo Cedoc/FUNARTE

Heliodora Carneiro de Mendonça (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1923 - idem 2015). Crítica, ensaísta, professora e tradutora. Crítica carioca que acompanha a atividade teatral desde os anos 1960, especializada na obra de William Shakespeare (1564-1616)

Texto

Abrir módulo

Heliodora Carneiro de Mendonça (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1923 - idem 2015). Crítica, ensaísta, professora e tradutora. Crítica carioca que acompanha a atividade teatral desde os anos 1960, especializada na obra de William Shakespeare (1564-1616)

Inicia sua carreira em 1958, como crítica teatral da Tribuna da Imprensa. De 1958 a 1964 assina a coluna especializada do Jornal do Brasil, exercendo considerável influência graças à  seriedade, ao rigor e à erudição dos seus artigos. Tem uma posição de destaque no esforço de modernização da crítica teatral carioca desenvolvido pelo Círculo Independente de Críticos Teatrais, do qual é um dos líderes.

Afasta-se da crítica para assumir, de 1964 a 1967, a direção do Serviço Nacional de Teatro (SNT). A seguir dedica-se basicamente ao ensino. É professora de história de teatro no Conservatório Nacional de Teatro e, posteriormente, professora titular da mesma disciplina no Centro de Letras e Artes da Uni-Rio, do qual é decana até a sua aposentadoria, em 1985. Ministra cursos de pós-graduação na Universidade de São Paulo (USP), onde defende, em 1975, tese de doutorado intitulada A Expressão Dramática do Homem Político em Shakespeare, posteriormente transformada em livro. Publica também Algumas Reflexões sobre o Teatro Brasileiro, 1972; Falando de Shakespeare, outro estudo sobre o autor, 1997, e Martins Pena: uma introdução, 2000.

Dedica-se intensamente à tradução, figurando entre os seus trabalhos nesse campo muitas peças de William Shakespeare, tais como A Comédia dos Erros, Sonho de uma Noite de Verão, O Mercador de Veneza, Noite de Reis, Romeu e Julieta, César e Cleópatra, Rei Lear, entre outras; O Cerejal e A Gaivota, de Anton Tcheckov, Bodas de Fígaro, de Beaumarchais, Testemunha de Acusação e outras peças, de Agatha Christie; e os livros de teoria teatral O Teatro do Absurdo, A Anatomia do Drama, Brecht: dos males o menor, todos de Martin Esslin; Método ou Loucura, de Robert Lewis; e mais outro estudo sobre seu tema mais assíduo, Shakespeare, de Germaine Greer.

Em 1986, volta a exercer a crítica jornalística na revista Visão, passando depois a jornais e estabelecendo-se em O Globo. Na década de 1990, volta a lecionar no curso de mestrado em teatro da Uni-Rio.

Barbara Heliodora é, reconhecidamente, a grande autoridade nacional em William Shakespeare, tendo representado o país em congressos internacionais e publicado ensaios em renomadas revistas estrangeiras, tais como o Shakespeare Survey, editado na Inglaterra.

A pesquisadora Maria Inês Barros de Almeida dá um perfil do paradoxo que a crítica e teórica provoca no panorama teatral: "Barbara Heliodora é a crítica mais influente do teatro carioca. À sua opinião, rigorosa e durona, atribuem o poder de fazer e desfazer espetáculos. Pela gente de teatro é discutida, temida - já foi alvo de confrontos e desafios de diretores inconformados. A sua fama como colunista de jornal, portanto, ultrapassa outro aspecto da sua vida cultural, a que se dedica com igual intensidade. Estou me referindo à comunicação direta com o público, em salas de aula, em ensaios de textos dramáticos, em conferências, enfim, na constância com que dissemina cultura, convivendo com grande número de pessoas e atendendo-lhes à curiosidade e ao desejo de saber. É aí que aparece a Barbara mestra, madrinha dadivosa, flexível, exuberante, que conquista os espíritos e as mentes e, pelo prazer didático repartido, comunga com as platéias. Neste papel, tenho observado, Barbara Heliodora conquista a todos que a conhecem. É uma unanimidade".1

Notas

1. ALMEIDA, Maria Inês Barros de. Perfil analítico de Barbara Heliodora. Rio de Janeiro, 04 nov. 2002.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 27

Abrir módulo

Mídias (4)

Abrir módulo
Bárbara Heliodora - Ocupação Sergio Britto (2013) - Parte 1/4
Itaú Cultural
Bárbara Heliodora - Ocupação Sergio Britto (2013) - Parte 2/4
Itaú Cultural

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: