Artigo da seção pessoas Regina Silveira

Regina Silveira

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deRegina Silveira: 18-01-1939 Local de nascimento: (Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre)
Imagem representativa do artigo

Registro fotográfico André Seiti/Itaú Cultural

Regina Scalzilli Silveira (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1939). Artista multimídia, gravadora, pintora e professora. Com diferentes linguagens, sua obra explora temas que passam pela composição da imagem, pela reinvenção da representação, pelo poder e pela política.

Gradua-se, em 1959, em pintura no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IA/UFRGS), onde é aluna dos pintores Aldo Locatelli (1915-1962) e Ado Malagoli (1906-1994). No início dos anos 1960, tem aulas de gravura com o austríaco Francisco Stockinger (1919-2009) e com Marcelo Grassmann (1925-2013), no Ateliê Livre da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Tem aulas de pintura com Iberê Camargo (1914-1994), artista que exerce forte influência na poética de Silveira. Com ele, absorve a maneira de encarar a técnica como um meio e não um fim, e aprende a duvidar dos códigos de representação preestabelecidos e cristalizados.

No fim da década de 1960 e começo de 1970, produz esculturas e serigrafias ainda de forte tradição geométrico-construtiva. Inicia trabalhos com malhas geométricas e perspectivas, como Labirintos (1971). Na série de serigrafias Middle Class & Co (1971-1972), trata da questão da dilaceração do indivíduo na sociedade contemporânea, intervindo sobre fotografias com recortes, diagramações e reticulações. A apropriação de imagens fotográficas torna-se constante na obra da artista, que lhe acrescenta uma dimensão semântica.

Realiza fotomontagens impressas em offset e concebidas como simulacros de cartões-postais turísticos, como Brazil Today: Natural Beauties (1977). Nesta série, agrega a fotografias de lugares históricos e pitorescos, como o Viaduto do Chá ou o Monumento às Bandeiras, imagens de escombros ou de um cemitério de automóveis. Utiliza várias mídias em seus trabalhos, como heliografia, microfilme, xerox, painel eletrônico, videoarte, videotexto e mail-art.

Em 1967, estuda na Faculdade de Filosofia e Letras de Madri como bolsista do Instituto de Cultura Hispânica. Em 1969, é convidada a ministrar cursos na Faculdade de Artes e Ciências da Universidade de Porto Rico. Em 1973, volta ao Brasil e coordena o setor de gravura da Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), onde permanece até 1985.

Em 1974, passa a lecionar na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Na mesma instituição, defende dissertação de mestrado em 1980 e obtém o título de doutora em 1984. Como docente, tem importante papel na formação de vários artistas das novas gerações, como Ana Maria Tavares (1958), Rafael França (1957-1991), Mônica Nador (1955) e Iran do Espírito Santo (1963)

Em 1981 e 1983, participa como artista convidada da Bienal de São Paulo. Nessa década, começa a explorar questões relativas à representação visual. Na série Anamorfas (1980), interessa-se pela subversão dos sistemas de perspectiva. Fotografias de objetos cotidianos são redesenhadas com o intuito de obter compressões, dilatações e dobras.

Na obra In Absentia M. D. (1983), sombras agigantadas de alguns dos trabalhos mais famosos do pintor francês Marcel Duchamp (1887-1968) – importante referência para Silveira – são pintadas no chão com base em pedestais vazios. 

Também como parte da investigação referente à perspectiva, Simulacros (1984) é um conjunto cuja característica comum é a representação de sombras criadas com base em distorções projetivas inventadas, nas quais o elemento causador não está presente. Há, nessas obras, referências conceituais ao dadaísmo e ao surrealismo. A artista questiona a natureza da representação visual e sua relação com a percepção. Faz uso da sombra como índice de ausência, de algo de que o observador tem apenas a referência mental.  

No fim dos anos 1980, inclui discussões políticas em suas obras, como a abordagem do papel social da mulher em Carrinho de Chá (1986) e as reflexões sobre o poder em Monudentro (1987). A vertente social segue na produção da década seguinte, sobretudo em Encuentro (1991) e The Saint's Paradox (1994).

De 1991 a 1994, vive em Nova York, com bolsas de estudo concedidas pela John Simon Guggenheim Foundation (1991), pela Pollock-Krasner Foundation (1993) e pela Fulbright Foundation (1994). Em 1995, recebe bolsa de artista residente da Civitella Ranieri Foundation e, em 1998, é novamente artista convidada da Bienal de São Paulo. 

Ainda nos anos 1990, começa a intervir no espaço com a aplicação de silhuetas sombreadas, em tinta ou látex, sobre paredes ou pisos. Algumas obras apresentam ampla relação com a arquitetura, como Vértice (1994) ou Escada Inexplicável II (1999), nas quais oferece ao espectador a ilusão de profundidade.

Recebe o Prêmio Cultural Sergio Motta em 2000. Por meio de trabalhos em vinil e projeções luminosas sobre a fachada de edifícios, passa a interferir no meio urbano. Em Lumen (2002)1, trabalha a luz, com a imagem de uma claraboia e sua multiplicação visual e espacial, gerando figuras que remetem às formadas em caleidoscópio.

Realiza exposições individuais como 1001 Dias e Outros Enigmas (2011), na Fundação Iberê Camargo, e Exit (2018), no Museu Brasileiro de Escultura (MuBE). Recebe em 2011 o Grande Prêmio da Crítica, da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Em 2013, é condecorada pelo Museu de Arte de São Paulo (Masp) com o Prêmio Masp de Artes Visuais na categoria Conjunto da Obra.

Regina Silveira tem um importante papel na formação de artistas contemporâneos e um trabalho que perpassa várias linguagens das artes visuais e explora questões próprias da representação imagética e temas sociais e políticos.

Nota:

1. O trabalho é exposto em 2005 no Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madrid, España.

Outras informações de Regina Silveira:

  • Outros nomes
    • Regina Scalzilli Silveira
  • Habilidades
    • Pintor
    • Gravador
    • Desenhista
    • professor de artes plásticas
    • Curador
    • Artista intermídia

Obras de Regina Silveira: (50) obras disponíveis:

Todas as obras de Regina Silveira:

Midias (3)

A Arte de Desenhar - Ocupação Regina Silveira (2010)
A Arte de Desenhar, 1980, 2'32" - Ocupação Regina Silveira (2010)

Regina Silveira Luz e Sombra, 2009 [Parte I]
Sérgio Roizenblit
Itaú Cultural

Regina Silveira - Enciclopédia Itaú Cultural
A fotografia e o desenho exercem papel fundamental no trabalho da artista multimídia Regina Silveira. A partir de imagens retiradas de jornais, revistas de decoração e cartões-postais, Regina cria instalações, vídeos e fotomontagens que têm no desenho seu ponto de partida. “O desenho sempre foi um diálogo, uma intermediação para outro suporte. É um modo de visualizar as minhas ideias”, afirma. Também professora, ela defende o aprendizado e o desenvolvimento de técnicas de desenho entre os artistas como uma forma de organizar a própria criação em uma época na qual o processo de produção conta, muitas vezes, com etapas terceirizadas. Com lista extensa e variada de trabalhos, Regina se vale tanto do pincel quanto da fibra óptica e da realidade virtual para se expressar. “O principal é o conceito, o que você vai elaborar. O resto vem a reboque”, afirma.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Erika Mota (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Exposições (584)

Todas as exposições

Eventos relacionados (10)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (19)

  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. xxxxxx
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. xxxxxx
  • COELHO NETO, José Teixeira. Regina Silveira, a revelação da sombra. Arte em São Paulo, São Paulo, n. 22, abr. 1984.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. Produção Raul Luis Mendes Silva, Eduardo Mace. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. xxxxxx
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MORAES, Angélica de (org.). Regina Silveira: cartografias da sombra. São Paulo: Edusp, 1996.
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998. xxxxxx
  • POR que Duchamp? Leituras duchampianas por artistas e críticos brasileiros. São Paulo: Itaú Cultural : Paço das Artes, 1999.  
  • SILVEIRA, Regina. Anamorfas. São Paulo, 1980. Dissertação (Mestrado) - ECA/USP.
  • SILVEIRA, Regina. Regina Silveira: anamorfas. São Paulo: MAC/USP, 1980.
  • TRIDIMENSIONALIDADE: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 1999.
  • ZANINI, Walter (Org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.
  • __________. Regina Silveira. Apresentação Carlos Cavalcanti. Porto Alegre: Museu de Arte do Rio Grande do Sul, 1966.
  • __________. Regina Silveira. Porto Alegre: Museu de Arte do Rio Grande do Sul, 1961.
  • __________. Regina Silveira: in absentia (stretched). Texto de Walter Zanini. New York: The Queens Museum of Art, 1992. (Contemporary currents). Texto traduzido e revisto por Walter Zanini em 1997.
  • __________. Regina Silveira: inflexões. Porto Alegre: Arte & Fato, 1989.
  • __________. Regina Silveira: inflexões. São Paulo: Galeria Luisa Strina, 1987.
  • __________. Regina Silveira: projectio. Apresentação José Sommer Ribeiro. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1988.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • REGINA Silveira. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa8084/regina-silveira>. Acesso em: 12 de Abr. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7