Artigo da seção pessoas Eduardo Sucena

Eduardo Sucena

Artigo da seção pessoas
Dança  
Data de nascimento deEduardo Sucena: 08-10-1920 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 1994 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Eduardo Sucena (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1920 – Idem, 1994). Bailarino, professor e coreógrafo. Inicia-se no balé com Maria Olenewa (1896-1965), em 1939, na Escola de Danças Clássicas do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Faz sua primeira participação cênica em 1940, no Teatro João Caetano, em pas de deux com Lia Novais. Em seguida, ingressa no Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Desliga-se da companhia em 1947 e passa a atuar em shows de grandes cassinos cariocas (como Urca, Atlântico e Copacabana) e nos primeiros programas de televisão, na década de 1950. 

Entre 1947 e 1953, participa do Ballet da Juventude, permanecendo no grupo em suas diferentes fases, ocupando as funções de bailarino, professor, coreógrafo e diretor geral. Em 1953, muda-se para São Paulo para atuar no Ballet do IV Centenário como o único primeiro-bailarino brasileiro do conjunto. Com a dissolução do conjunto paulista, em dezembro de 1955, retorna ao grupo carioca Ballet da Juventude e parte em turnê pelo Norte do país. 

Deixa a companhia em 1956 e, a convite da bailarina italiana Lia Dell’Ara, fixa-se em São Paulo para atuar como bailarino e assistente da companhia formada por ela. Durante 20 anos, Sucena atua em grupos e escolas da capital e do interior paulista. Ministra aulas no Ballet Halina Biernacka, na Escola Municipal de Bailados e no Ballet Renée Gumiel. 

Na década de 1970, assina uma coluna no Jornal do Ballet e ocupa cargo de secretário do Conselho da Associação Paulista dos Profissionais de Dança (APPD). Simultaneamente, prossegue com atividades no interior paulista: atua em Ribeirão Preto, no Conservatório Dramático Musical Carlos Gomes e cria cursos em Batatais, Franca, Ituverava, Campinas, São José do Rio Preto e Araraquara, cidade que lhe confere o título de cidadão araraquarense, em 1979. 

Ao se aposentar, em 1980, retorna ao Rio de Janeiro e integra a Comissão de Dança do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões Públicas (Sated) do Rio de Janeiro. Em 1989, publica o livro A Dança Teatral no Brasil.

 

Análise

Eduardo Sucena inicia e desenvolve sua trajetória profissional no mundo do balé clássico de modo peculiar. Enquanto muitos de seus pares almejam um lugar no Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, ele abandona carreira promissora na companhia carioca para se aventurar no emergente Ballet da Juventude. A singularidade de Sucena também se dá no modo como trata a divulgação da modalidade de dança com a qual trabalha.

Uma das justificativas para seu desencanto com o Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro está nas dificuldades de sobreviver em um regime de dedicação integral com o baixo salário. Uma matéria jornalística de 1945 denuncia a difícil vida dos bailarinos da companhia carioca, proibidos de dançar em cassinos por uma lei promulgada no mesmo ano [1]. Outro provável fator que influencia a decisão de Sucena é a saída do bailarino e coreógrafo russo Igor Schwezoff (1904-1982), que revigora o ambiente artístico do Balé do Theatro Municipal e concorda com a necessidade de aumentar os salários dos dançarinos. Apesar disso, Sucena credita seu desenvolvimento artístico aos anos passados na companhia oficial carioca. 

Sua ida ao Ballet da Juventude – fundado por Sansão Castelo Branco (1920-1956) – permite-lhe atuar como bailarino e lecionar na Escola de Dança Preparatória da companhia, na qual atua como diretor em 1952. Sua carreira, no entanto, desenvolve-se principalmente em escolas paulistas. Além de professor e coreógrafo, atua como palestrante de história da dança, divulgador da dança clássica e criador de cursos de balé em cidades do interior paulista, com participação no Conservatório Dramático Musical Carlos Gomes, em Ribeirão Preto.

Em meio ao quase inexistente registro editorial da memória da dança brasileira, o dançarino publica o livro A Dança Teatral no Brasil. Dessa obra, o crítico Linneu Dias (1927-2002) resume: “vê-se que o período que mais emocionou o pesquisador foi aquele que ele próprio viveu no Rio de Janeiro, entre a instituição do Corpo de Baile do Theatro Municipal e a criação do Ballet da Juventude, nas décadas de 40 e 50” [2]. Dias reconhece a tentativa de sistematização da história da dança no Brasil, embora a obra não supere a condição de pesquisa em estado bruto:

 

Mesmo assim, acredito que Sucena tenha prestado um grande serviço à dança em nosso país, não só pelo trabalho de escavamento que se propôs, em arquivos e bibliotecas, mas, sobretudo, porque a mera citação de nomes, eventos, notícias, resenhas e datas serve para mostrar-nos quanta coisa já sucedeu em matéria de dança no Brasil. [3]

 

 

Notas

1. SUCENA, Eduardo. Brasil musical. In: SUCENA, Eduardo. A dança teatral no Brasil. Rio de Janeiro: Fundacen, 1989, p. 282.

2. DIAS, Linneu. Sucena, preciosa contribuição em estado bruto. Revista Dançar, São Paulo, ano VIII, n. 31, p. 6, 1991.

3. Ibid.

Outras informações de Eduardo Sucena:

  • Habilidades
    • Bailarino
    • Coreógrafo
    • professor de dança
    • Pesquisador
  • Relações de Eduardo Sucena com outros artigos da enciclopédia:

Fontes de pesquisa (8)

  • A HISTÓRIA de Ribeirão Preto contada através da música e da dança clássica. Folha da Manhã, Ribeirão Preto, 25 nov. 1956. Disponível em: http://oraviaalvesferreira.blogspot.com/2008/04/fundao-do-conservatrio-dramtico-musical.html. Acesso em: 20 ago. 2011.
  • CERBINO, Beatriz. Imagem e dança: algumas considerações. In: XI Encontro Regional de História, 2004, Democracia & Conflito, Associação Nacional de História. Anais... Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: http://www.rj.anpuh.org/resources/rj/Anais/2004/.../Beatriz%20Cerbino.doc. Acesso em: 20 ago. 2011.
  • DIAS, Linneu. Sucena, preciosa contribuição em estado bruto. Revista Dançar, São Paulo, ano VIII, n. 31, p. 6, 1991.
  • FARO, Antonio José; SAMPAIO, Luiz Paulo. Dicionário de balé e dança. Rio de Janeiro: Zahar, 1989. R792.8 F237d
  • HOJE o grandioso recital de ballet. A Cidade. Ribeirão Preto, n. 276, 26 nov. 1957. Disponível em: http://oraviaalvesferreira.blogspot.com/2008/04/fundao-do-conservatrio-dramtico-musical.html. Acesso em: 20 ago. 2011.
  • INSTITUTO Festival de Dança de Joinville; MEYER, Sandra; NORA, Sigrid; PEREIRA, Roberto. (orgs.). História em movimento: biografias e registros em dança. 1ª ed. Joinville, 2008. Disponível em: http://www.ifdj.com.br/site/wp-content/uploads/2015/11/I-Seminarios-de-Danca-Historia-em-movimento_biografias-e-registros-em-danca.pdf. Acesso em: 4 jun. 2017.
  • SUCENA, Eduardo. A dança teatral no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura: Fundação Nacional de Artes Cênicas, 1989.
  • SUCENA, Eduardo. A dança teatral no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura: Fundação Nacional de Artes Cênicas, 1989.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • EDUARDO Sucena. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa7845/eduardo-sucena>. Acesso em: 05 de Mar. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7