Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Milton Hatoum

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.01.2020
19.08.1952 Brasil / Amazonas / Manaus
Registro fotográfico Fernanda Preto

Milton Hatoum, s.d.

Milton Hatoum (Manaus, Amazonas, 1952). Romancista, contista, professor e tradutor. Destaca-se por retratar conflitos pessoais e familiares no contexto geográfico, histórico e sociocultural da Amazônia, inspirando-se em sua vivência como descendente de libaneses e como migrante pelo Brasil.

Texto

Abrir módulo

Milton Hatoum (Manaus, Amazonas, 1952). Romancista, contista, professor e tradutor. Destaca-se por retratar conflitos pessoais e familiares no contexto geográfico, histórico e sociocultural da Amazônia, inspirando-se em sua vivência como descendente de libaneses e como migrante pelo Brasil.

Muda-se para Brasília em 1967 e lá permanece até 1970, quando vai para São Paulo. Diploma-se arquiteto pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP) e, ainda nesta cidade, trabalha como jornalista e professor.

No início da década de 1980, viaja para a Europa e estuda literatura comparada na Sorbonne Université. De volta ao Brasil, leciona literatura francesa na Universidade Federal do Amazonas (UFAM), entre 1984 e 1999.

Hatoum cria textos ricos em detalhes, apresentando lugares, pessoas e conjunturas extraídos de seu imaginário enquanto manauara descendente de libaneses. Seu primeiro romance, Relato de um certo oriente (1989), trata de uma volta ao passado: após quase 20 anos de ausência, uma mulher retorna a Manaus, cidade de sua infância, com o objetivo de reencontrar Emilie, a velha matriarca de uma família de imigrantes libaneses, que a criou como sua filha. Inicia-se nesse ponto o relato do acerto de contas da personagem com seu passado.

A imagem do imigrante abre caminho para conceitos como identidade, entrelugar e memória. A temática se define pela presença de quem migra, mas não apenas geograficamente – aquele cuja condição primordial é o exílio, fomentado pela voz, presença e olhar do outro.

Em 1996, como professor visitante, Hatoum ministra aulas de literatura brasileira na University of California (UCLA), onde também foi escritor residente. Publica, em periódicos do Brasil e da Europa, artigos e ensaios sobre autores brasileiros e latino-americanos. Contribui regularmente com diversos órgãos de imprensa, como O Estado de S. Paulo e Terra Magazine.

Cinzas do Norte (2005), seu terceiro romance, traz a história de dois meninos de Manaus que constroem uma amizade duradoura. Olavo, conhecido como Lavo, é o narrador, um menino órfão criado pelos tios, que cresce à sombra da família do melhor amigo, Raimundo Mattoso, ou simplesmente Mundo. Este desafia o pai, a moral dominante e o regime político – a ditadura militar brasileira (1964-1985). Mundo foge, chega à Europa dos anos 1970, mas não se desenlaça do que o liga à sua cidade natal. Por meio de revelações e versões que se cruzam e se divergem na narrativa, Hatoum traça uma história moral de sua geração.

Um dos procedimentos centrais na construção dos romances de Hatoum é a fusão entre o social e o existencial: trata das histórias particulares de certos personagens sem descuidar da observação do contexto social e histórico em que eles vivem. Esse contexto envolve quase sempre o processo de integração dos imigrantes originários do Oriente Médio no Norte do Brasil e as repercussões da ditadura militar brasileira naquela região.

A tendência a incluir acontecimentos históricos na ficção decorre do fato de Hatoum ser um escritor de uma minoria (como os libaneses no Brasil), o que o impele a registrar "a voz dos esquecidos: vozes do passado soterradas em um espaço problemático marcado por tentativas de assimilação"1.

Estilisticamente, a prosa de Hatoum varia pouco de livro a livro (o que denota a unidade interna de sua obra), sendo construída com base em narradores que optam sempre por um tom informal, fluente e coloquial. Além de "econômico", o estilo de Hatoum é "ao mesmo tempo poético, cheio de figurações e estranhamentos”2.

O real e o fantasiado se emaranham na escrita devido à abundância e detalhamento das descrições. Para o autor, "ninguém escreve do nada. As coisas que escrevemos são resultado das nossas experiências. A vivência é importante para a voz do escritor. Não dá para escrever sem a experiência de vida. É por meio dela que os autores encontram sua voz", diz, na mesa da qual participa na Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), em 2016.

Mesclando elementos de suas memórias e experiências pessoais com o contexto sociocultural amazônico, Hatoum constrói narrativas complexas, que promovem reflexão sobre relações familiares e seus conflitos, miscigenação e relação entre culturas, colocando em discussão, por consequência, a tolerância ou intolerância ao outro.

 

 

Notas

1. PENALVA, Gilson; SCHNEIDER, Liane. Identidade e Hibridismo na Amazônia Brasileira: Um Estudo Comparativo de Dois Irmãos e Cinzas do Norte, de Milton Hatoum. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 21, p.11-50, 2012. Disponível em: http://www.abralic.org.br/downloads/revistas/1415578907.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019, p. 28.

2. TOLEDO, Marleine Paula Marcondes e Ferreira de. Milton Hatoum: itinerário para um certo relato. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006, p.127.

Obras 2

Abrir módulo

Eventos relacionados 3

Abrir módulo

Mídias (2)

Abrir módulo
Milton Hatoum - Jogo de Ideias (2007)
Itaú Cultural
Milton Hatoum - Série Encontra - Arte 1 (2019)
Gisele Kato visita o escritor Milton Hatoum em sua casa. Fala sobre uma dívida que sentiu sendo paga com a publicação do livro "Dois Irmãos", com a personagem Domingas. A dívida era com o escritor francês Gustave Flaubert, que inspira sua produção e serve como referência para a construção de seus personagens.

Hatoum também fala sobre o vazio após a publicação de um livro, a recusa em reler as próprias obras e a incerteza sobre os caminhos seguintes. Ele apresenta o hábito de ler como elemento fundamental em sua vida, além de uma atividade que pratica com mais frequência que a escrita.

A Enciclopédia Itaú Cultural apresenta a série Encontra, produzida pelo canal Arte 1. Em um bate-papo com Gisele Kato, o público é convidado a entrar nas casas e ateliês dos artistas, conhecendo um pouco mais sobre os bastidores de sua produção.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Arte 1
Direção: Gisele Kato/ Ricardo Sêco
Produção: Yuri Teixeira
Edição: Tauana Carlier

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • CRISTO, Maria da Luz Pinheiro de (org.). Arquitetura da memória: ensaios sobre os romances Dois irmãos, Relato de um certo oriente e Cinzas do norte de Milton Hatoum. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2007.
  • HATOUM, Milton. Cinzas do norte. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
  • HATOUM, Milton. Dois irmãos. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
  • HATOUM, Milton. Relato de um certo oriente. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
  • MILTON HATOUM. Site do Artista. Disponível em: http://www.miltonhatoum.com.br. Acesso em 27 set. 2010.
  • PENALVA, Gilson; SCHNEIDER, Liane. Identidade e Hibridismo na Amazônia Brasileira: Um Estudo Comparativo de Dois Irmãos e Cinzas do Norte, de Milton Hatoum. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 21, p.11-50, 2012. Disponível em: http://www.abralic.org.br/downloads/revistas/1415578907.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.
  • Programa do espetáculo -Dois Irmãos. Não catalogado
  • TOLEDO, Marleine Paula Marcondes e Ferreira de. Entre olhares e vozes: foco narrativo e retórica em Relato de um certo oriente e Dois irmãos, de Milton Hatoum. São Paulo: Nankin Editorial, 2004.
  • TOLEDO, Marleine Paula Marcondes e Ferreira de. Milton Hatoum: itinerário para um certo relato. Cotia: Ateliê Editorial, 2006.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: