Artigo da seção pessoas João Ubaldo Ribeiro

João Ubaldo Ribeiro

Artigo da seção pessoas
Literatura / teatro  
Data de nascimento deJoão Ubaldo Ribeiro: 23-01-1941 Local de nascimento: (Brasil / Bahia / Itaparica) | Data de morte 18-07-2014 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Viva o Povo Brasileiro , 1984 , João Ubaldo Ribeiro
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

João Ubaldo Osório Pimentel Ribeiro (Itaparica, Bahia, 1941 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014). Romancista, contista, cronista, roteirista e jornalista. A vasta obra de João Ubaldo se caracteriza pela genialidade do escritor na manipulação das palavras não apenas para refletir sobre questões tipicamente brasileiras, mas também para compor o imaginário do que é a brasilidade.

João Ubaldo inicia a carreira jornalística em 1957, como repórter no Jornal da Bahia. Torna-se bacharel em direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 1962 e recebe uma bolsa da embaixada norte-americana para realizar o mestrado em administração pública e ciência política na Universidade da Califórnia. De volta ao Brasil em 1965, leciona ciência política na UFBA, atividade que desempenha até 1971. 

Estreia em livro em 1968 com o romance Setembro Não Tem Sentido, mas o reconhecimento de crítica e público vem apenas em 1971, com o lançamento de Sargento Getúlio. Esse romance se passa na década de 1950, no Brasil, quando se digladiam a União Democrática Nacional (UDN) e o Partido Social Democrático (PSB). Getúlio, o narrador protagonista, tem a tarefa de conduzir um prisioneiro do interior do Sergipe à capital do estado, Aracaju. A narrativa se desenvolve ao longo do percurso, com predomínio da primeira pessoa, em um quase ininterrupto monólogo. 

Na linguagem que simula a oralidade nordestina – construída sobre neologismos, reproduções dos desvios da norma culta e frases entrecortadas –, a violência do meio e a precariedade psicológica dos próprios personagens são retratadas com intensidade. Getúlio, bruto e ignorante, não chega a compreender o jogo político no qual ele mesmo, sendo militar, atua: “Não gosto de jornal como vosmecê, acho difícil, muitas palavras. Menas verdades. Udenistas, comunistas. Comunistas udenistas”, diz ao preso, capturado pelas intrigas partidárias.

Em Sargento Getúlio, percebe-se o interesse de João Ubaldo Ribeiro em investigar a existência de uma identidade nacional e as relações entre vida individual e destinos coletivos da nação. A obra leva a crítica especializada a definir o autor como  alguém que mescla a preocupação social de Jorge Amado com a invenção linguística de João Guimarães Rosa (1908-1967), como escreve Luciana Stegagno-Picchio. 

O livro rende a João Ubaldo o prêmio Jabuti, em 1972, e é o marco da primeira fase do escritor. Sua riqueza regionalista é tão fiel à realidade que é difícil traduzi-lo para o inglês, o que obriga o próprio autor a fazê-lo. Com ele, João Ubaldo inaugura sua forte presença no cenário internacional. Ao longo de sua carreira, colabora para diversos jornais em outros países, e também publica alguns de seus livros no exterior e é constantemente lembrado pela crítica literária. Dois momentos importantes, nesse aspecto, são a participação do autor, em 1979, como convidado, do International Writting Program, da Universidade de Iowa, e, dois anos depois, como bolsista da Fundação Calouste-Gulbenkian em Lisboa. 

Na segunda fase da produção de Ribeiro, a inventividade linguística se mantém, mas os romances se estruturam tradicionalmente. Viva o Povo Brasileiro (1984), que alcança grande sucesso de público e marca esse segundo momento, almeja abarcar mais de 300 anos da história do país, da colonização à contemporaneidade, em busca declarada de algo que defina a identidade nacional. Ao plano que se quer histórico une-se o fantástico, iniciado no “Poleiro das Almas”, em que estas esperam pela encarnação. Todo o livro se desenvolve nessa dicotomia, com uma dessas almas reencarnando sucessivamente e conduzindo a trama de 1647, quando os holandeses chegam à Ilha de Itaparica, na Bahia, até 1977, quando recrudesce o regime militar. Dicotomia é o que ocorre também no âmbito da linguagem. As fontes eruditas se alternam com as populares, e a estrutura considerada comercial convive com a sofisticada intertextualidade. O livro rende o segundo prêmio Jabuti ao autor, em 1984. 

Nos livros que se seguem a Viva o Povo Brasileiro, esse movimento é ainda mais amplificado. Em o O Sorriso do Lagarto (1989), suspense que conta com um triângulo amoroso e é adaptado para a televisão, e A Casa dos Budas Ditosos (1999), que alcança amplo sucesso de público, o autor se aproxima cada vez mais do que Haroldo de Campos chama de “fabulista do significado” – isto é, mostra-se cada vez mais interessado nas intrigas narrativas, em detrimento das reflexões sobre a linguagem.

Apesar do sucesso desses e de outros romances, João Ubaldo Ribeiro é mais conhecido por sua produção como cronista. De acordo com o professor João Luís Ceccantini, o escritor tem a capacidade de transformar uma pequena questão em uma reflexão ampla, além de um exímio conhecimento da linguagem, o que lhe permite manipulá-la para construir críticas duras com uma ironia fina1. A professora Denise Salim Santos, por sua vez, ressalta a importância dessa destreza linguística de João Ubaldo para produzir o humor, chamando-o de um “alquimista das palavras” que subverte o sério em busca do prazer2

Seja por suas crônicas, seja por seus romances, João Ubaldo Ribeiro constitui-se como um dos maiores nomes da literatura brasileira, e, inclusive, é eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1993. É um escritor que contribui para a formação de uma identidade nacional e para o reconhecimento do que é ser brasileiro, considerando nossas misérias e riquezas, sempre com humor.

Notas

1. CARNEIRO, Raquel. “O João Ubaldo cronista tinha uma independência intelectual incomum no Brasil”, diz especialista. Veja, São Paulo, 18 jul. 2014. Disponível em: https://veja.abril.com.br/blog/meus-livros/o-joao-ubaldo-cronista-tinha-uma-independencia-intelectual-incomum-no-brasil-diz-especialista/. Acesso em: 20 set. 2020.

2. SANTOS, Denise Salim. A palavra e o riso nas crônicas de João Ubaldo Ribeiro. Caderno Seminal Digital, ano 18, n. 18, v. 18, p. 174-185, jul./dez. 2012. 

Outras informações de João Ubaldo Ribeiro:

  • Outros nomes
    • João Ubaldo Osório Pimentel Ribeiro
  • Habilidades
    • Jornalista
    • Professor
    • Romancista
    • Contista
    • Cronista
    • Roteirista

Obras de João Ubaldo Ribeiro: (1) obras disponíveis:

Midias (2)

João Ubaldo Ribeiro e Márcio Souza - Jogo de Ideias (2010) - Parte 2/2
Itaú Cultural

João Ubaldo Ribeiro e Márcio Souza - Jogo de Ideias (2010) - Parte 1/2
Itaú Cultural

Fontes de pesquisa (10)

  • CADERNOS de literatura nº 7. João Ubaldo Ribeiro. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1999.
  • COUTINHO, Wilson. João Ubaldo Ribeiro: um estilo da sedução. Rio de Janeiro: Relume Damará: Prefeitura, 1998.
  • JOÃO Ubaldo Ribeiro. In: Academia Brasileira de Letras. Disponível em: https://www.academia.org.br/academicos/joao-ubaldo-ribeiro/biografia.  Acesso em: 20 set. 2020.
  • JOÃO UBALDO. Biografia. Disponível em < http://www.releituras.com/joaoubaldo_bio.asp>. Acesso em: 13 nov. 2006.
  • MIYAZAKI, Tieko Yamaguchi. Um tema em três tempos: João Ubaldo Ribeiro, João Guimarães Rosa, José Lins do Rego. São Paulo: Editora Unesp, 1996.
  • Morre no Rio o escritor João Ubaldo Ribeiro. In G1. Disponível em: < http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2014/07/morre-no-rio-o-escritor-joao-ubaldo-ribeiro.html>.  Acesso em: 18 jul 2014.
  • PASTA JÚNIOR, José Antonio. Prodígios de ambivalência: notas sobre viva o povo brasileiro. In: Novos Estudos - Cebrap. São Paulo, n. 64, novembro de 2002. p. 61-71
  • Programa do Espetáculo - A Casa dos Budas Ditosos - 2003.
  • SANTOS, Denise Salim. A palavra e o riso nas crônicas de João Ubaldo Ribeiro. Caderno Seminal Digital, ano 18, n. 18, v. 18, p. 174-185, jul./dez. 2012. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/cadernoseminal/article/view/11886/9311. Acesso em: 20 set, 2020.
  • SILVERMAN, Malcom. As distintas facetas de João Ubaldo Ribeiro. In: _____. Moderna ficção Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JOÃO Ubaldo Ribeiro. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa7658/joao-ubaldo-ribeiro>. Acesso em: 17 de Mai. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7