Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Evandro Teixeira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.10.2022
1935 Brasil / Bahia / Irajuba

Guerra de Tóxico - Vila do João, Rio de Janeiro RJ, 1988
Evandro Teixeira
Matriz - negativo

Evandro Teixeira (Irajuba, Bahia, 1935). Fotógrafo. Figura central do fotojornalismo brasileiro na segunda metade do século XX, suas imagens de grande sensibilidade e força expressiva compõem um panorama histórico e cultural de vários temas –  sociais, esportivos, políticos – e deixam sua marca sobretudo no registro dos anos de ditadura civil-mi...

Texto

Abrir módulo

Evandro Teixeira (Irajuba, Bahia, 1935). Fotógrafo. Figura central do fotojornalismo brasileiro na segunda metade do século XX, suas imagens de grande sensibilidade e força expressiva compõem um panorama histórico e cultural de vários temas –  sociais, esportivos, políticos – e deixam sua marca sobretudo no registro dos anos de ditadura civil-militar no Brasil.

Nasce em Irajuba, vilarejo no interior da Bahia, e desde a infância acompanha notícias pelo rádio. Seu interesse por fotografia se manifesta na adolescência ao ver ensaios publicados em O Cruzeiro, a revista de maior circulação da América Latina da época.

Realiza curso de fotografia com José Medeiros (1921-1990) e tem como outros mentores so os fotógrafos Teotônio e Nestor Rocha, respectivamente, primo e tio do cineasta Glauber Rocha (1939-1981). No Jornal de Jequié aprende com Valter Lessa (1932), pioneiro do fotojornalismo na Bahia, a fotografar  com viés mais jornalístico. Na cidade baiana de Ipiaú trabalha no Jornal Rio Novo até 1954, quando, já em Salvador, passa a atuar nos Diários de Notícias, vinculado aos Diários Associados de Assis Chateaubriand (1892-1968), o maior conglomerado de mídia do Brasil.

Em 1957, muda-se para o Rio de Janeiro e trabalha no Diário da Noite. Atua por quase um ano na revista O Mundo Ilustrado, na cobertura da Copa do Mundo no Chile, em 1962. Seu trabalho se destaca e chama a atenção do Jornal do Brasil, onde inicia como fotojornalista em 1963. Como consequência das reformulações editoriais realizadas no final dos anos 1950, o Jornal do Brasil passa a destacar fotografias na primeira página do periódico. A modernização também acompanha a composição do time de articulistas, que passa a contar com Nelson Pereira dos Santos (1928-2018), Marina Colasanti (1937) e Otto Lara Resende (1922-1992).

Em 1964, flagra o episódio inaugural do golpe militar: na madrugada do dia 1 de abril, consegue burlar a segurança e entrar no Forte de Copacabana, onde testemunha a tomada do local e do quartel adjacente pelo general Humberto Castello Branco (1897-1967). A imagem capturada que compõe a capa do jornal no dia seguinte mostra a silhueta de um soldado solitário de plantão sob chuva torrencial. A legenda aponta que o oficial do Exército controla a situação durante as comemorações da vitória, permanecendo "fiel até debaixo d'água". A foto emblemática é tida como um prenúncio do período sombrio que domina o país nas décadas subsequentes.

Em 1968, registra as manifestações pela liberdade de expressão e os conflitos no centro do Rio de Janeiro. A forte repressão da cavalaria das Forças Armadas contra os estudantes em frente ao edifício do Jornal do Brasil no dia 21 de junho, conhecida como Sexta-Feira Sangrenta, ganha extensa cobertura jornalística. As imagens do fotógrafo registram cenas específicas, como a da perseguição de dois policiais a um estudante, segundos antes da queda fatal, e tomadas gerais, como a que mostra o avanço dos cavaleiros fardados sobre a população na praça da Candelária. Essas imagens são fundamentais tanto para divulgar o recrudescimento do aparato repressivo como para fixar historicamente esse momento. 

Seu trabalho no fotojornalismo durante a repressão militar exige táticas para driblar a censura, como entregar aos censores provas de contato com imagens escurecidas e, na rua, fugir dos oficiais que podem destruir negativos e equipamentos e levá-lo preso. No entanto, muitas vezes, as imagens são vetadas, como no caso da foto realizada com uma lente grande angular, que captura a multidão com faixas contra o regime ditatorial na Marcha dos Cem Mil , realizada no Rio de Janeiro, em 26 de junho de 1968.

Durante os 47 anos que trabalha no Jornal do Brasil, cobre diversas pautas, como o início da ditadura no Chile em 1973, o suicídio coletivo no culto de Jim Jones na Guiana em 1978, a visita do Papa João Paulo II a catorze cidades brasileiras, além de diversos eventos esportivos, políticos e sociais.  

Entre sua produção autoral, o projeto Canudos 100 anos é um dos mais relevantes. Nos anos 1990, permanece por quatro anos em Canudos, lugar de nascimento de sua avó e palco da guerra em que a comunidade sertaneja liderada por Antônio Conselheiro (1830-1897) é massacrada pelo Exército brasileiro. Lá fotografa os vestígios humanos e materiais do conflito1.

Presente na Enciclopédia Suíça de Fotografia, reunião dos maiores fotógrafos do mundo, Teixeira tem vida e obra retratadas no documentário de Paulo Fontenelle (1970) Instantâneos da realidade. Entre os prêmios, recebe os da  Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), da Nikon e da Sociedade Interamericana de Imprensa. Seu acervo, composto por 150 mil fotogramas, está sob a guarda do Instituto Moreira Salles.

Em seu incansável trabalho documental na captura visual e informativa do cotidiano, utilizando aguçada sensibilidade para compor a imagem e atenção irrestrita à cena e seu contexto, Evandro Teixeira confere às suas imagens a marca permanente de registro da história do Brasil.

Nota

1. Nesse livro, lançado em 1997, Evandro Teixeira segue a tradição do registro fotográfico de Canudos iniciada por Flávio de Barros em 1897, que captura imagens do conflito, e o trabalho de Pierre Verger(1902-1996) feito cinquenta anos depois para a revista O Cruzeiro.

Obras 11

Abrir módulo

Exposições 49

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • BONI, Paulo César. A Fotografia a Serviço da Luta contra a Ditadura Militar no Brasil. Revista Discursos Fotográficos, Londrina, v.8, n. 12, p.217-252, jan./jun., 2012.
  • BRIL, Stefania. O fotojornalismo quando cativa: Evandro Teixeira. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 25 maio 1983. p. 16.
  • CARBONCINI, Anna (coord.). Coleção Pirelli / MASP de Fotografias: v. 3. Versão em inglês Kevin M. Benson Mundy. São Paulo: Masp, 1993.
  • COSTA MOREIRA, Silvana. Evandro Teixeira: um certo olhar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2014.
  • FÁVARO, Armando. O fotojornalismo durante o regime militar: imagens de Evandro Teixeira. São Paulo, 2009. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2009. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/5200/1/Armando%20Favaro%20completo.pdf. Acesso em: 27 maio 2022.
  • Site do artista. Disponível em: . Acesso em: 21 mai. 2013.
  • TEIXEIRA, Evandro. Evandro Teixeira. [Entrevista cedida a] Patrícia Monte-Mór e Regina Abreu. Cadernos de Antropologia e Imagem, Rio de Janeiro, v.1, p. 187-213, 2006. Disponível em: http://www.reginaabreu.com/site/images/attachments/artigos/entrevusta_evandro.pdf. Acesso em: 27 maio 2022.
  • TEIXEIRA, Evandro. Evandro Teixeira: fotojornalismo. 2. ed. Rio de Janeiro: JB, 1982.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: