Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Zelito Viana

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.07.2021
05.05.1938 Brasil / Ceará / Fortaleza
José Viana de Oliveira Paula (Fortaleza, Ceará, 1938). Produtor e diretor. Muda-se para o Rio de Janeiro aos 4 anos de idade. Cursa a Escola Nacional de Engenharia, forma-se em 1960 e, com bolsa de estudo, parte para França e Alemanha.

Texto

Abrir módulo

José Viana de Oliveira Paula (Fortaleza, Ceará, 1938). Produtor e diretor. Muda-se para o Rio de Janeiro aos 4 anos de idade. Cursa a Escola Nacional de Engenharia, forma-se em 1960 e, com bolsa de estudo, parte para França e Alemanha.

Em 1964, volta ao Brasil e aproxima-se do cinema por incentivo do amigo Leon Hirszman (1937-1987). É convidado por Glauber Rocha (1939-1981) para fundar a Mapa Filmes e tornar-se produtor de seus projetos.

Entre 1969 e 1973, produz filmes e dirige curtas-metragens, como A Máquina Invisível (1970) e Rodovia Belém-Brasília (1973). Estreia como diretor de longas-metragens em Minha Namorada (1971). Em 1971, dirige a comédia erótica em episódios O Doce Esporte do Sexo. Em 1973, colabora com a criação da Associação Brasileira de Documentarista, cujo objetivo é articular políticas para o cinema documental no Brasil.

Em 1973, filma Os Condenados, primeira adaptação cinematográfica da obra de Oswald de Andrade (1890-1954). Entre 1969 e 1990, trabalha na Embrafilme como assessor de Roberto Farias (1932). Em 1977, realiza Morte e Vida Severina, baseada na obra homônima de João Cabral de Mello Neto (1920-1999). Em 1979, lança o longa Terra dos Índios. Dirige o programa de TV Chico Total e torna-se diretor da Globo Vídeos.

Retorna ao cinema com Avaeté, Semente da Vingança (1985). Nos anos 1990, dedica-se à sua produtora e realiza comerciais, programas institucionais e televisivos.

Em 2000, finaliza a cinebiografia Villa-Lobos – Uma Vida de Paixão. Retoma o documentário de curta-metragem, com Arte para Todos (2004) e Ferreira Gullar – A Necessidade da Arte (2005). Em 2008, lança o longa-metragem Bela Noite para Voar, sobre o ex-presidente Juscelino Kubistchek (1902-1976). Atua na coordenação do Curso de Cinema da Universidade Estácio de Sá e na criação do Canal Brasil. Em 2011, realiza o documentário Augusto Boal e o Teatro do Oprimido.

Análise

A atividade cinematográfica de Zelito Viana reflete a estrutura do cinema nacional a partir de 1965. Torna-se produtor-executivo dos diretores do cinema novo e investe na direção de longas-metragens com olhar crítico. A produção de programas de TV e telefilmes também é relevante, pois lhe permite compreender as potencialidades profissionais, econômicas e culturais entre cinema e televisão no Brasil.

Inicia a carreira de diretor com ambições comerciais: Minha Namorada é uma comédia de costumes sobre os dilemas da juventude e O Doce Esporte do Sexo utiliza a combinação humor e sexo. Nas produções seguintes, afirma-se como diretor cinematográfico e adapta duas obras literárias para o cinema.

Os Condenados é um drama urbano que recebe prêmios no Brasil e no exterior, apesar das críticas quanto à qualidade artística. Morte e Vida Severina mescla linguagem documental e ficcional, para mostrar as dificuldades da população do nordeste brasileiro. A censura proíbe a exibição do filme no exterior pelas cenas de pobreza.

Terra dos Índios é o piloto de Brasil 480, série idealizada para televisão, por Zelito Viana e Leon Hirszman. O programa, entretanto, não chega à TV. Para o crítico José Carlos Avellar, nesse filme a câmera coloca-se diante do entrevistado e espera; o corpo do filme é o som. Os depoimentos de índios buscam mostrar suas misérias em diferentes áreas do país. A temática indígena é atualizada em Avaeté, Semente da Vingança.

Villa Lobos – Uma Vida de Paixão é resultado de um trabalho de mais de vinte anos. Pela história e complexidade da personalidade retratada, é recebido com pessimismo e generosidade. Para o diretor Carlos Reichenbach (1945-2012), o filme é uma obra íntegra, que cumpre aquilo que é cobrado do cinema nacional: engenho, arte, informação e respeito ao público. Esses quatro elementos condensam a trajetória de Zelito Viana.

Obras 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 25

Abrir módulo
  • BARROS, André Luiz. O maestro do ego. Bravo!, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 130-134, nov. 1997.
  • BERNARDET, Jean-Claude. A pornochanchada contra a “cultura culta”. Opinião, Rio de Janeiro. 27 set. 1974. Republicado em: Cinema Brasileiro: propostas para uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
  • BERNARDET, Jean-Claude. Cinema brasileiro: propostas para uma história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
  • BEZERRA, Júlio. Zelito Viana: à procura do diagonal. Revista de Cinema, São Paulo, v. 6, n. 54, maio 2005. p. 18-23.
  • BROWNE, P. R. Fotografismos. Veja, São Paulo, 11 set. 1974.
  • COELHO, Lauro Machado. Contra uma ótima proposta, falhas técnicas indesculpáveis. Jornal da Tarde, São Paulo, 13 mar. 1978. p. 23.
  • D’AVILA, Roberto. Os Cineastas: conversas com Roberto D’Avila. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2002.
  • EDWALD FILHO, Rubens. Inaudível, o filme se frustra. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 10 mar. 1978. p.15.
  • FERREIRA, Jairo. Vem aí Morte e Vida Severina de Zelito Viana. Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 jun. 1977.
  • LIMA, Rosa. Villa-Lobos, o drama do artista num filme de Zelito Viana. Cine Imaginário, v. 1, n. 3, p. 3, fev. 1986.
  • MARTINHO, Telmo. Os condenados. Jornal da Tarde, São Paulo, 20 mar. 1975.
  • MONTEIRO, José Carlos. Zelito Viana conta como virou diretor. Filme Cultura, Rio de Janeiro, v. 4, n. 19, p. 28-31, mar./ abr. 1971.
  • O NORDESTE está proibido para estrangeiros. Isto é, São Paulo, p.60, 3 maio 1978.
  • OSWALD de Andrade: o primeiro filme. Jornal da Tarde, São Paulo, 7 set. 1974.
  • PAULA, Betse de. Zelito Viana: histórias e causos do cinema brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.
  • RAMOS, José Mário Ortiz. O cinema brasileiro contemporâneo: 1970-1987. In: RAMOS, Fernão (org). História do Cinema Brasileiro. São Paulo; Art Editora, 1987, p. 399-454.
  • REICHENBACH, Carlos. Cartas do Reichenbomber - opus 37. Disponível em: < http://www.terra.com.br/cinema/opiniao/opus37.htm >. Acesso em: 15 out. 2012.
  • ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2004.
  • SEMINÁRIO Internacional de Cinema e Audiovisual. Cine futuro. Editor Raul Moreira. Seminário Internacional de Cinema e Audiovisual, Salvador, 7, 2011.
  • SILVA, Alberto. Dossiê Filme Cultura – Zelito Viana: da comédia erótica ao drama urbano. Filme Cultura, Rio de Janeiro, v. 8, n. 26, p. 21-30, set. 1974.
  • VIANA, Zelito. Associação Brasileira dos Documentaristas. Cinema, n. 2, p. 18-20, nov. 1973.
  • VIANA, Zelito. Avaeté, homem de verdade. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 45, p. 56-59, mar. 1985.
  • VIANA, Zelito. O cinema deixou de discutir os problemas brasileiros. Diário do Paraná, Curitiba, 25 set. 1977. p. 5.
  • VIANA, Zelito. Villa-Lobos: retrato do artista quando fervendo por dentro. Cinemais, Rio de Janeiro, n. 23, p. 7-42, maio/ jun. 2000.
  • ZELITO, agora apresentado ao sucesso. Jornal da Tarde, São Paulo, 18 mar. 1975.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: