Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Guimarães Rosa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.02.2021
27.06.1908 Brasil / Minas Gerais / Cordisburgo
19.11.1967 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

João Guimarães Rosa, 1965

João Guimarães Rosa (Cordisburgo, Minas Gerais, 1908 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1967). Ficcionista, poeta, médico e diplomata. Autor de clássicos da literatura brasileira, Guimarães Rosa reinventa a língua portuguesa e a linguagem narrativa.   

Texto

Abrir módulo

João Guimarães Rosa (Cordisburgo, Minas Gerais, 1908 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1967). Ficcionista, poeta, médico e diplomata. Autor de clássicos da literatura brasileira, Guimarães Rosa reinventa a língua portuguesa e a linguagem narrativa.   

Forma-se em medicina pela Universidade de Minas Gerais em 1930, e exerce a profissão durante dois anos na cidade de Itaguara, interior mineiro. Em 1932, atua como oficial-médico no 9º Batalhão de Infantaria em Barbacena, na Revolução Constitucionalista. Estudioso de idiomas desde os 7 anos, em 1934, ingressa na carreira diplomática.

Em 1937, recebe prêmio da Academia Brasileira de Letras (ABL) pelo volume de poesia Magma. Nesse livro, lançado postumamente em 1997, notam-se traços característicos do autor, entre eles a presença de imagens e símbolos de diferentes tradições, como a budista e a taoista. Também em 1937, participa de outro concurso com Sagarana, volume que passa por revisão do autor e é publicado em 1946. 

O livro reúne contos como “A Hora e a Vez de Augusto Matraga” – adaptado para o cinema em 1965, com direção de Roberto Santos (1928-1987) – e “O Burrinho Pedrês”. No universo ficcional do autor, a representação de animais e cenários, segundo a crítica Beth Brait, extrapola o trato descritivo para assumir um papel de inventário da flora e da fauna por meio da recriação poética. Beth afirma ainda que a natureza ganha posição de agente ativo nas histórias de Guimarães, atuando sobre o destino dos personagens.

Editado em 1958, junto à rubrica “texto definitivo”1, Grande Sertão: Veredas renova a linguagem narrativa, sobretudo as noções de tempo, espaço e personagem. O andamento do enredo não segue a cronologia linear. Os episódios têm ritmo aparentemente caótico, sem obedecer à sequência temporal própria do romance realista, e o espaço é dimensionado pelo fluxo de viagem. Embora prevaleçam narrativas ambientadas em cenários interioranos, a temática e a linguagem se diferenciam do regionalismo dos anos 1930, de autores como Rachel de Queiroz (1910-2003) e José Lins do Rego (1901-1957)

A ambiguidade desempenha um importante papel na construção dos personagens protagonistas: enquanto Diadorim, a jovem que se disfarça de jagunço, obstina-se para vingar a morte do pai, o narrador Riobaldo se angustia por sentir amor pelo companheiro. Sobre a riqueza formal do romance, em Grande Sertão, verifica-se ainda a quebra das fronteiras entre os gêneros literários: há elementos da poesia, do romance, da epopeia, bem como de formas literárias de diferentes períodos históricos. 

Outra característica da obra é a presença constante do sagrado. Em Grande Sertão, há uma peculiar leitura do cristianismo que pode ser considerada um diálogo com Fausto (1829), do escritor alemão Goethe (1749-1832). A busca da redenção não exclui o estar no mundo, nem mesmo a paixão e a luta: trata-se do homem em sua integralidade, o viajante em travessia que não teme a condenação porque não acredita no mal como um ente absoluto.

Na prosa de Guimarães Rosa, a linguagem é levada ao limite por meio de recursos como a fusão de fala popular, expressões regionais, neologismos, palavras indígenas e construções inusitadas de frases que, por vezes, se chocam com a própria sintaxe da língua portuguesa.

O escritor traz à tona a complexidade da experiência humana com uma linguagem única e inventiva. Explora as formas de narrar subvertendo a cronologia linear e cria cenários tão profundamente brasileiros quanto imaginativos e oníricos. O conhecimento do sertão brasileiro e de culturas estrangeiras está presente no universo simbólico e semântico do autor, que cria neologismos misturando termos de diferentes línguas (o título de seu livro de estreia, Sagarana, deriva do termo saga, que designa as epopeias escandinavas). 

A presença do imaginário medieval é uma constante em sua obra, desde o duelo na cena final de “A Hora e a Vez de Augusto Matraga”, de Sagarana, até as passagens épicas de Grande Sertão: Veredas, em que não falta também o elemento religioso, típico das novelas de cavalaria. 

Os escritos de Guimarães Rosa recuperam também o universo onírico da cultura popular, o estilo assombroso dos “casos”, de enredo curto e cheio de surpresas. Em muitos desses textos breves, o sertão continua vestido de Idade Média, com cavaleiros corteses, e mulheres-damas, que jamais perdem a condição de senhora a quem se serve por amor e por quem se guerreia, e para quem se empreende a travessia dos medos. Nas narrativas, porém, os tipos medievais aparecem travestidos de jagunços, fazendeiros, prostitutas, beatos e loucos. 

Em 1961, ganha o Prêmio Machado de Assis pelo conjunto da obra. No mesmo ano, escreve coluna semanal no jornal O Globo. Muitos dos contos publicados no periódico são compilados nas coletâneas Primeiras Estórias (1962), Tutameia (1967) e Ave Palavra (publicação póstuma de 1970). Alguns dos textos são assinados por anagramas do nome do autor, como Soares Guimar, pseudônimo que volta a aparecer na Antologia dos Poetas Bissextos Contemporâneos (1964), organizada por Manuel Bandeira (1886-1968).

É eleito para a ABL, em 1963, mas, supersticioso, temendo a morte no momento de sua “consagração”, adia a cerimônia de posse por quatro anos.

Os trabalhos de João Guimarães Rosa tratam das complexidades, seja humana, através de temáticas e personagens que exploram a ambiguidade e os sentimentos em meio ao ambiente físico e social no qual vivem, seja da linguagem, inventiva e original, que trabalha com diferentes possibilidades da língua e da poética.

Nota:

1. Marco da literatura brasileira, a primeira edição de Grande Sertão: Veredas é lançada em 1956.

Obras 4

Abrir módulo

Espetáculos 22

Abrir módulo

Exposições 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 35. ed. São Paulo: Cultrix, 1997.
  • BRAIT, Beth. Guimarães Rosa. São Paulo: Nova Cultural, 1990.
  • CAMPOS, Haroldo de. A linguagem do Iauretê. Metalinguagem. São Paulo: Perspectiva, 2004.
  • FONTA, Sérgio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 2011. Não Catalogado
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - A Hora e a Vez de Augusto Matraga - 2004. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - O Homem Provisório - 2007. Não catalogado
  • ROSA, J. Guimarães. Grande Sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.
  • ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: