Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Antônio Maria

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.03.2021
17.03.1921 Brasil / Pernambuco / Recife
15.10.1964 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Antônio Maria Araújo de Morais (Recife, Pernambuco, 1921 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1964). Cronista, locutor, produtor de rádio, caricaturista, compositor e repórter. Transita entre diferentes áreas artísticas, tendo a escrita como pano de fundo de suas obras, que vão de composições musicais à produção literária de crônicas.

Texto

Abrir módulo

Antônio Maria Araújo de Morais (Recife, Pernambuco, 1921 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1964). Cronista, locutor, produtor de rádio, caricaturista, compositor e repórter. Transita entre diferentes áreas artísticas, tendo a escrita como pano de fundo de suas obras, que vão de composições musicais à produção literária de crônicas.

Inicia sua carreira como radialista na Rádio Clube de Pernambuco, no Recife, em 1938. Muda-se para o Rio de Janeiro em 1940 e trabalha na Rádio Ipanema. Um ano depois, volta para o Recife, e, em 1944, trabalha em Fortaleza por um curto período, na Rádio Clube do Ceará. Posteriormente, passa a residir em Salvador e dirige as Emissoras Associadas. 

Retorna ao Rio de Janeiro em 1947, onde assume a direção artística da Rádio Tupi e inicia sua colaboração no periódico O Jornal, em que assina a coluna Jornal de Antônio Maria. Também trabalha na composição de jingles comerciais até 1951, quando compõe um frevo, intitulado “Frevo nº 1 do Recife”. No mesmo período, em parceria com Fernando Lobo (1915-1996), compõe o samba “Querer Bem”, gravada por Aracy de Almeida (1914-1988), e as canções “Menino Grande” e “Ninguém Me Ama”, ambas de 1952 e gravadas pela cantora Nora Ney (1922-2003).

É nomeado diretor de programação da recém-fundada TV Tupi, em 1951. Ao lado de Chico Anysio (1931-2012), Sérgio Porto (1923-1968) e Haroldo Barbosa (1915-1979), produz, a partir de 1952, programas humorísticos na Rádio Mayrink Veiga. Durante o ano de 1955, colabora no jornal O Globo, com a coluna Mesa na Pista, em que comenta a vida noturna das boates de Copacabana. A boemia do Rio de Janeiro, presente em sua coluna jornalística, torna-se protagonista de sua produção literária, e o autor escreve crônicas sobre personagens, amigos e acontecimentos da noite carioca.

Em 1957, na TV Rio, exerce a função de apresentador dos programas Encontro com Antônio Maria e Rio, Eu Gosto de Você, este ao lado do compositor Ary Barroso (1903-1964). Convidado pelo empresário Samuel Wainer (1912-1980), em 1959, integra a equipe do jornal Última Hora, e divulga suas crônicas na coluna Romance Policial de Copacabana. Trabalha no jornal Diário da Noite, em 1961 e, no ano seguinte, lança suas crônicas em O Jornal e apresenta, com os jornalistas Otto Lara Resende (1922-1992) e David Nasser (1917-1980), o programa de entrevistas Cadeira Giratória, na TV Tupi, até 1963.

Como letrista, seu maior sucesso é “Manhã de Carnaval” (1959), composto com o violonista Luiz Bonfá (1922-2001) para a trilha sonora do filme Orfeu do Carnaval, dirigido pelo francês Marcel Camus (1912-1982). Interpretada no filme pelo cantor Agostinho dos Santos (1932-1973), recebe dezenas de gravações no Brasil e no exterior, além de se tornar popular entre instrumentistas de jazz.

Passando por jornais, pela literatura e pela televisão, e sempre mesclando o fazer artístico com a comunicação, Antônio Maria tem ampla produção, em sua maioria reconhecida postumamente. Com trabalhos de cunho popular, dá protagonismo ao frevo e ao samba, além de figuras e espaços da cena boêmia do Rio de Janeiro.

Espetáculos 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: