Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Zacharias Wagener

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1614 Alemanha / Sachsen / Dresden
01.10.1668 Holanda / a definir / Amsterdã

Narinari (Thier Buch - Livro dos Animais), 1641
Zacharias Wagener
Aquarela sobre papel

Zacharias Wagener (Dresden, Alemanha 1614 - Amsterdã, Holanda 1668). Desenhista, cartógrafo. Trabalha com o editor e cartógrafo Wilhelm Janszoon Blaeu (1596-1673), entre 1633 e 1634, em Amsterdã. Transfere-se para Recife como soldado da Companhia das Índias Ocidentais por volta de 1634 onde permanece até 1641, durante o governo de Maurício de Na...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Zacharias Wagener (Dresden, Alemanha 1614 - Amsterdã, Holanda 1668). Desenhista, cartógrafo. Trabalha com o editor e cartógrafo Wilhelm Janszoon Blaeu (1596-1673), entre 1633 e 1634, em Amsterdã. Transfere-se para Recife como soldado da Companhia das Índias Ocidentais por volta de 1634 onde permanece até 1641, durante o governo de Maurício de Nassau (1604-1679). Entre 1634 a 1637, exerce a função de escrivão de despachos e depois se torna despenseiro de Nassau, com quem participa de várias campanhas militares em 1638 e 1639. Nessas ocasiões, coleta material e produz desenhos aquarelados para sua obra Thier Buch [Livro de Animais], que hoje se encontram em Dresden, Alemanha. Em 1641, a pedido de Nassau, retorna à Europa devendo entregar, segundo seu relato, coleções de documentos, pinturas e papagaios em Haia, Haarlem, Delft, Roterdã e Leiden. Uma vez de volta, integra a Companhia das Índias Orientais. Devido à proximidade formal entre vários desenhos de Wagener, Albert Eckhout (ca.1610-ca.1666) e Georg Marcgraf (1610-1644) não se sabe ao certo se seriam de sua autoria os desenhos presentes na obra Theatri Rerum Naturalium Brasiliae, composta de 2 volumes, presenteada por Nassau a Frederich Wilhelm, eleitor de Brandemburgo. Em 1888, publica-se sua autobiografia por iniciativa de Paul Emil Richter e, em 1964, uma versão em português é lançada sob o título Zoobiblion: Livro de Animais do Brasil.

Comentário Crítico
Preocupado em conhecer aspectos do Novo Mundo, Zacharias Wagener registra em aquarelas a vida brasileira, bem como a presença dos holandeses no Nordeste do país. É possível uma aproximação formal e temática da produção de Wagener às de Georg Marcgraf (1610-1644) e Albert Eckhout (ca.1610-ca.1666), artistas estrangeiros presentes no Brasil na mesma época e em sintonia na busca por um registro dos aspectos característicos da realidade local.

O trabalho mais significativo de Wagener é Thier Buch [Livro de Animais] cujas aquarelas têm por tema fauna, flora, cotidiano e a topografia do Brasil, acompanhados de breve descrição e, muitas vezes, apresentando o objeto tratado em situações diversas - a exemplo dos cajus, representados tanto dependurados nos galhos e acompanhados de folhas da árvore como sozinhos, sob ângulos variados. É evidente tanto a importância conferida pelo artista ao aspecto descritivo como o domínio dos códigos específicos da pintura. Não se sabe se Wagener recebeu instrução formal. Para José Roberto Teixeira Leite, o Thier Buch pode ser visto como uma versão menos complexa da Historia Naturalis Brasiliae, 1648, de Macgraf e Wilhem Piso (1611-1678).

Da mesma forma que Eckhout, Wagener registra os tipos brasileiros observando as convenções de pose das imagens etnológicas, como em Homem Brasileiro, s.d., ou Homem Tapuia, s.d., entre outros - objetos, plantas e animais completam as informações sobre as figuras.

Obras 9

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos Viajantes. São Paulo/Salvador: Metalivros/Fundação Odebrecht, 1994. 3v.
  • CARDOSO, Joaquim. Observações em Torno da História da Cidade do Recife, no período holandês. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, n.4, p.383-406, 1940.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. A pintura no Brasil Holandês. Rio de Janeiro: GRD, 1967.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • VALLADARES, Clarival do Prado. Nordeste Histórico e Monumental. Salvador: Fundação Emílio Odebrecht, 1982-. v. 2, 36 p., il. color.
  • VALLADARES, Clarival do Prado. Nordeste Histórico e Monumental. Texto Clarival do Prado Valladares, Reis Pequeno Mercedes, Vasco Mariz; versão em inglês Sonia Zyngier. Salvador: Fundação Emílio Odebrecht, 1982. v. 2, 36 p., il., color.
  • WHITEHEAD, Peter James Palmer; BOESEMAN, Martin. Um Retrato do Brasil Holandês do Século XVII: animais, plantas e gente, pelos artistas de Johan Maurits de Nassau. Tradução Edmond Jorge. Rio de Janeiro: Kosmos, 1989. 358 p., il. color.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: