Artigo da seção pessoas Antônio Bivar

Antônio Bivar

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deAntônio Bivar: 25-04-1939 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Data de morte 05-07-2020 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Antonio Bivar (Riff Raff) em cena de Rock Horror Show , 1976 , Ruth Toledo
Registro fotográfico Ruth Toledo

Antonio Bivar Battistetti Lima (São Paulo, São Paulo, 1939 – idem, 2020). Dramaturgo, biógrafo, jornalista, contista, romancista, tradutor, ator, roteirista, cronista, diretor e produtor musical. Importante nome do movimento que renova a linguagem do teatro no final dos anos 1960, Bivar destaca-se por seu trabalho eclético e provocador. 

Passa a infância na capital paulista e em fazendas do interior do estado. Muda-se com os pais e os irmãos para Ribeirão Preto. Disposto a estudar teatro, vai para o Rio de Janeiro como aluno da Fundação Brasileira de Teatro e do Conservatório Nacional de Teatro, onde se forma. 

Inicia a trajetória profissional com a peça Cordélia Brasil (1968). Dirigida por Emílio di Biasi (1939-2020), estreia no Rio de Janeiro e prossegue com temporada no Teatro de Arena, em São Paulo. A peça é um sucesso de público e crítica, e rende a Bivar o Prêmio Governador do Estado de São Paulo. O trabalho seguinte, Abre a Janela e Deixa Entrar o Ar Puro e o Sol da Manhã (1968), garante-lhe o Prêmio Molière de melhor autor. Em 1969, escreve O Cão Siamês de Alzira Porra-Louca, encenada em São Paulo. Ainda nessa década, colabora com jornais como Flor do Mal e Presença.

Bivar faz parte da chamada “geração de 1969”, nome dado pelo crítico Anatol Rosenfeld (1912-1973) ao grupo de jovens dramaturgos que desponta naquele ano, trazendo referências incomuns. A “nova dramaturgia” – como vem a ser chamada – caracteriza-se pela recusa ao realismo canônico, incursionando pelo terreno do absurdo. Leilah Assumpção (1943), Isabel Câmara (1940-2006), Consuelo de Castro (1946-2016), José Vicente (1945-2007) são outros nomes que, ao lado de Bivar, compõem “a safra dos novíssimos”.

Exilado pela ditadura militar, viaja em 1970 para a Inglaterra. Nesse ano, escreve uma nova versão para O Cão Siamês, rebatizada como Alzira Power, a pedido do diretor Antônio Abujamra (1932-2015). Estrelada pela atriz Yolanda Cardoso (1923-2007), a peça conquista o Prêmio Governador do Estado do Rio de Janeiro, ao mesmo tempo que outras obras do autor são interditadas pela censura.

O enredo gira em torno de duas personagens que se encontram numa situação-limite: Alzira, funcionária pública aposentada de 41 anos, e Ernesto, um jovem corretor de automóveis de 23 anos. Alzira, num arroubo de ódio, tranca o rapaz em seu apartamento. Diante dele, discorre sobre sua vida, lembra amores passados, veste-se de noiva, intimida-o, descontrola-o, muda de opinião, num quase monólogo que dispensa interlocução. A engrenagem da peça depende da inversão de papéis – ora Alzira domina a situação, ora Ernesto, cada qual exercendo sua parcela de crueldade sobre o outro. Ainda que o texto remeta à estrutura de obras canônicas do teatro moderno, Bivar cria uma tragicomédia original, sensível às questões de seu tempo.

As opções formais – inspiradas pelo dramaturgo sueco August Strindberg (1849-1912), pelo filósofo francês Jean-Paul Sartre (1905-1980) e pelo dramaturgo norte-americano Edward Albee (1928-2016) – representam a chamada “crise do drama”, quando a forma dramática clássica é colocada em xeque pelo teatro moderno. Também é possível notar referências aos trabalhos do irlandês Samuel Beckett (1906-1989) e do francês Eugène Ionesco (1909-1994).

São dramas curtos, com poucas personagens, centradas em poucos conflitos e ambientadas num único cenário. O coloquialismo dos diálogos remete às obras dos escritores Nelson Rodrigues (1912-1980) e Plínio Marcos (1935-1999). Sua dramaturgia incorpora, ainda, manifestações do tropicalismo: o gosto pelo deboche, o humor e a predileção pelas formas do pop. Enquanto as primeiras peças são a expressão artística de uma nova mentalidade teatral, as outras revelam a sensibilidade dos jovens que aderem à contracultura.

Ainda em 1970 e fora do Brasil, redige a peça Longe Daqui Aqui Mesmo, de cunho memorialista. Outro trabalho que retrata a experiência de Bivar em terras estrangeiras, principalmente a do exílio na Inglaterra, é Verdes Vales do Fim do Mundo (1984). As memórias dos dois textos estão impregnadas do espírito das viagens do escritor à Europa e à América. Ao passo que relatam a sensibilidade artística e comportamental de parte da juventude daqueles anos, descrevem a atmosfera da contracultura, bem como retratam personagens históricas e os bastidores da vida teatral brasileira, testemunhando a formação pessoal do narrador.

Atua como diretor musical dos shows Drama – Luz da Noite (1973), de Maria Bethânia (1946), e Fruto Proibido (1975), de Rita Lee (1947). Em parceria com Alcyr Costa, escreve Gente Fina é Outra Coisa (1976), encenada no Teatro de Arena. Redige Quarteto (1977), para celebrar os 50 anos de carreira do ator e encenador polonês Ziembinski (1908-1978).

É um dos organizadores do festival O Começo do Fim do Mundo (1982), marco do movimento punk. Na década de 1990, escreve  o segundo volume de Longe Daqui Aqui Mesmo (1995), com memórias sobre os anos da contracultura no Brasil. Lança Bivar na Corte de Bloomsbury (2006), resultado de seu trabalho com a obra da escritora inglesa Virginia Woolf (1882-1941). Muito interessado pela escritora, Bivar aproveita o período do exílio para estudar a vida e a obra da autora com o grupo de Bloomsbury.

Sensibilizada por questões de seu tempo, unindo humor e inovação, a obra de Antonio Bivar abrange dramaturgia, romance, conto, ensaio literário e autobiografia. A variedade de gêneros é proporcional à riqueza de sua trajetória, que passa também pelo jornalismo e pela atuação na cena musical.

Outras informações de Antônio Bivar:

  • Outros nomes
    • Antonio Bivar Battistetti Lima
    • Antonio Bivar
  • Habilidades
    • Escritor
    • Dramaturgo
    • Contista
    • Romancista
    • Tradutor
    • Ator
    • Roteirista
    • Cronista
    • Diretor
    • Produtor musical
    • Jornalista

Representação (1)

Espetáculos (25)

Todos os espetáculos

Eventos relacionados (2)

Fontes de pesquisa (15)

  • ALZIRA Power ou O Cão Siamês de Alzira Pô...Lôca. São Paulo, 1970. Programa do espetáculo.
  • ANDRADE, Welington. O Teatro da Marginalidade e da Contracultura. In: FARIA, João Roberto (direção). História do Teatro Brasileiro: do modernismo às tendências contemporâneas. São Paulo: Perspectiva: Edições Sesc SP, 2013. v.2.
  • BIVAR, Antonio. Longe daqui, aqui mesmo. Porto Alegre: L&PM, 2006.
  • BIVAR, Antonio. O teatro de Antonio Bivar: as três primeiras peças. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2010. (Aplauso).
  • BIVAR, Antonio. Verdes vales do fim do mundo. Porto Alegre: L&PM, 2006.
  • CORDÉLIA Brasil. Programa do espetáculo. São Paulo, 1968.
  • DAHL, Maria Lucia. Bivar: o explorador de sensações peregrinas. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.
  • FRASER, Etty. Etty Fraser. São Paulo: [s.n.], s.d. Entrevista concedida a Rosy Farias, pesquisadora da Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira.
  • GENTE Fina é Outra Coisa. São Paulo, 1976. Programa do espetáculo.
  • MAGALDI, Sábato. Moderna Dramaturgia Brasileira. São Paulo,. Ed. Perspectiva, 1998.
  • MICHALSKI, Yan. Antônio Bivar. ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.
  • Morre o escritor Antonio Bivar com Covid-19 em SP. G1 SP, São Paulo, 05 jul. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/07/05/morre-o-escritor-antonio-bivar-com-covid-19-em-sp.ghtml. Acesso em: 06 ju. 2020.
  • O Teatro Através da História, vol. II, O Teatro Brasileiro, Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil e Entourage Prods. Artísticas, 1994.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço
  • Programa do Espetáculo - Alzira Power - 2005

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ANTÔNIO Bivar. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa6959/antonio-bivar>. Acesso em: 07 de Mar. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7