Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Antônio Bivar

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.02.2021
25.04.1939 Brasil / São Paulo / São Paulo
05.07.2020 Brasil / São Paulo / São Paulo
Registro fotográfico Ruth Toledo

Antonio Bivar (Riff Raff) em cena de Rock Horror Show, 1976
Ruth Toledo, Antônio Bivar
Acervo Idart/Centro Cultural São Paulo

Antonio Bivar Battistetti Lima (São Paulo, São Paulo, 1939 – idem, 2020). Dramaturgo, biógrafo, jornalista, contista, romancista, tradutor, ator, roteirista, cronista, diretor e produtor musical. Importante nome do movimento que renova a linguagem do teatro no final dos anos 1960, Bivar destaca-se por seu trabalho eclético e provocador. 

Texto

Abrir módulo

Antonio Bivar Battistetti Lima (São Paulo, São Paulo, 1939 – idem, 2020). Dramaturgo, biógrafo, jornalista, contista, romancista, tradutor, ator, roteirista, cronista, diretor e produtor musical. Importante nome do movimento que renova a linguagem do teatro no final dos anos 1960, Bivar destaca-se por seu trabalho eclético e provocador. 

Passa a infância na capital paulista e em fazendas do interior do estado. Muda-se com os pais e os irmãos para Ribeirão Preto. Disposto a estudar teatro, vai para o Rio de Janeiro como aluno da Fundação Brasileira de Teatro e do Conservatório Nacional de Teatro, onde se forma. 

Inicia a trajetória profissional com a peça Cordélia Brasil (1968). Dirigida por Emílio di Biasi (1939-2020), estreia no Rio de Janeiro e prossegue com temporada no Teatro de Arena, em São Paulo. A peça é um sucesso de público e crítica, e rende a Bivar o Prêmio Governador do Estado de São Paulo. O trabalho seguinte, Abre a Janela e Deixa Entrar o Ar Puro e o Sol da Manhã (1968), garante-lhe o Prêmio Molière de melhor autor. Em 1969, escreve O Cão Siamês de Alzira Porra-Louca, encenada em São Paulo. Ainda nessa década, colabora com jornais como Flor do Mal e Presença.

Bivar faz parte da chamada “geração de 1969”, nome dado pelo crítico Anatol Rosenfeld (1912-1973) ao grupo de jovens dramaturgos que desponta naquele ano, trazendo referências incomuns. A “nova dramaturgia” – como vem a ser chamada – caracteriza-se pela recusa ao realismo canônico, incursionando pelo terreno do absurdo. Leilah Assumpção (1943), Isabel Câmara (1940-2006), Consuelo de Castro (1946-2016), José Vicente (1945-2007) são outros nomes que, ao lado de Bivar, compõem “a safra dos novíssimos”.

Exilado pela ditadura militar, viaja em 1970 para a Inglaterra. Nesse ano, escreve uma nova versão para O Cão Siamês, rebatizada como Alzira Power, a pedido do diretor Antônio Abujamra (1932-2015). Estrelada pela atriz Yolanda Cardoso (1923-2007), a peça conquista o Prêmio Governador do Estado do Rio de Janeiro, ao mesmo tempo que outras obras do autor são interditadas pela censura.

O enredo gira em torno de duas personagens que se encontram numa situação-limite: Alzira, funcionária pública aposentada de 41 anos, e Ernesto, um jovem corretor de automóveis de 23 anos. Alzira, num arroubo de ódio, tranca o rapaz em seu apartamento. Diante dele, discorre sobre sua vida, lembra amores passados, veste-se de noiva, intimida-o, descontrola-o, muda de opinião, num quase monólogo que dispensa interlocução. A engrenagem da peça depende da inversão de papéis – ora Alzira domina a situação, ora Ernesto, cada qual exercendo sua parcela de crueldade sobre o outro. Ainda que o texto remeta à estrutura de obras canônicas do teatro moderno, Bivar cria uma tragicomédia original, sensível às questões de seu tempo.

As opções formais – inspiradas pelo dramaturgo sueco August Strindberg (1849-1912), pelo filósofo francês Jean-Paul Sartre (1905-1980) e pelo dramaturgo norte-americano Edward Albee (1928-2016) – representam a chamada “crise do drama”, quando a forma dramática clássica é colocada em xeque pelo teatro moderno. Também é possível notar referências aos trabalhos do irlandês Samuel Beckett (1906-1989) e do francês Eugène Ionesco (1909-1994).

São dramas curtos, com poucas personagens, centradas em poucos conflitos e ambientadas num único cenário. O coloquialismo dos diálogos remete às obras dos escritores Nelson Rodrigues (1912-1980) e Plínio Marcos (1935-1999). Sua dramaturgia incorpora, ainda, manifestações do tropicalismo: o gosto pelo deboche, o humor e a predileção pelas formas do pop. Enquanto as primeiras peças são a expressão artística de uma nova mentalidade teatral, as outras revelam a sensibilidade dos jovens que aderem à contracultura.

Ainda em 1970 e fora do Brasil, redige a peça Longe Daqui Aqui Mesmo, de cunho memorialista. Outro trabalho que retrata a experiência de Bivar em terras estrangeiras, principalmente a do exílio na Inglaterra, é Verdes Vales do Fim do Mundo (1984). As memórias dos dois textos estão impregnadas do espírito das viagens do escritor à Europa e à América. Ao passo que relatam a sensibilidade artística e comportamental de parte da juventude daqueles anos, descrevem a atmosfera da contracultura, bem como retratam personagens históricas e os bastidores da vida teatral brasileira, testemunhando a formação pessoal do narrador.

Atua como diretor musical dos shows Drama – Luz da Noite (1973), de Maria Bethânia (1946), e Fruto Proibido (1975), de Rita Lee (1947). Em parceria com Alcyr Costa, escreve Gente Fina é Outra Coisa (1976), encenada no Teatro de Arena. Redige Quarteto (1977), para celebrar os 50 anos de carreira do ator e encenador polonês Ziembinski (1908-1978).

É um dos organizadores do festival O Começo do Fim do Mundo (1982), marco do movimento punk. Na década de 1990, escreve  o segundo volume de Longe Daqui Aqui Mesmo (1995), com memórias sobre os anos da contracultura no Brasil. Lança Bivar na Corte de Bloomsbury (2006), resultado de seu trabalho com a obra da escritora inglesa Virginia Woolf (1882-1941). Muito interessado pela escritora, Bivar aproveita o período do exílio para estudar a vida e a obra da autora com o grupo de Bloomsbury.

Sensibilizada por questões de seu tempo, unindo humor e inovação, a obra de Antonio Bivar abrange dramaturgia, romance, conto, ensaio literário e autobiografia. A variedade de gêneros é proporcional à riqueza de sua trajetória, que passa também pelo jornalismo e pela atuação na cena musical.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 25

Abrir módulo

Palestras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 15

Abrir módulo
  • ALZIRA Power ou O Cão Siamês de Alzira Pô...Lôca. São Paulo, 1970. Programa do espetáculo.
  • ANDRADE, Welington. O Teatro da Marginalidade e da Contracultura. In: FARIA, João Roberto (direção). História do Teatro Brasileiro: do modernismo às tendências contemporâneas. São Paulo: Perspectiva: Edições Sesc SP, 2013. v.2.
  • BIVAR, Antonio. Longe daqui, aqui mesmo. Porto Alegre: L&PM, 2006.
  • BIVAR, Antonio. O teatro de Antonio Bivar: as três primeiras peças. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2010. (Aplauso).
  • BIVAR, Antonio. Verdes vales do fim do mundo. Porto Alegre: L&PM, 2006.
  • CORDÉLIA Brasil. Programa do espetáculo. São Paulo, 1968.
  • DAHL, Maria Lucia. Bivar: o explorador de sensações peregrinas. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.
  • FRASER, Etty. Etty Fraser. São Paulo: [s.n.], s.d. Entrevista concedida a Rosy Farias, pesquisadora da Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira.
  • GENTE Fina é Outra Coisa. São Paulo, 1976. Programa do espetáculo.
  • MAGALDI, Sábato. Moderna Dramaturgia Brasileira. São Paulo,. Ed. Perspectiva, 1998.
  • MICHALSKI, Yan. Antônio Bivar. ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.
  • Morre o escritor Antonio Bivar com Covid-19 em SP. G1 SP, São Paulo, 05 jul. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/07/05/morre-o-escritor-antonio-bivar-com-covid-19-em-sp.ghtml. Acesso em: 06 ju. 2020.
  • O Teatro Através da História, vol. II, O Teatro Brasileiro, Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil e Entourage Prods. Artísticas, 1994.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço.
  • Programa do Espetáculo - Alzira Power - 2005.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: