Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Italo Campofiorito

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.05.2022
1933 França / Ile de France / Paris
27.05.2020 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Ítalo Campofiorito (Paris, França, 1933 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020). Arquiteto e urbanista modernista, professor universitário e crítico de arte francês radicado no Brasil. Importante ativista pela preservação do patrimônio cultural brasileiro, participa de obras emblemáticas do modernismo nacional, como o projeto de urbanização de B...

Texto

Abrir módulo

Ítalo Campofiorito (Paris, França, 1933 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020). Arquiteto e urbanista modernista, professor universitário e crítico de arte francês radicado no Brasil. Importante ativista pela preservação do patrimônio cultural brasileiro, participa de obras emblemáticas do modernismo nacional, como o projeto de urbanização de Brasília.

Filho dos artistas modernistas brasileiros Quirino Campofioroto (1902-1993) e Hilda Campofiorito (1901-1997), nasce em Paris, depois que seus pais saem da Itália com a ascensão do fascismo em 1933. A família retorna ao Brasil em 1934. Por influência de seus pais, entra em contato com as artes plásticas desde muito jovem. 

Gradua-se no curso de arquitetura pela Faculdade Nacional de Arquitetura do Brasil, no Rio de Janeiro, em 1956. Decide cursar arte na Universidade de Sorbonne, em Paris. Neste momento, especializa-se em Estética, História da Arte e Sociologia. 

Volta ao Brasil em 1958 para integrar a equipe de projeto de Brasília. Trabalha na empresa estatal Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), ao lado do arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer (1907-2012), até 1961. Nesse ano, realiza também estudos na área de Planejamento Urbano e Rural na Universidade de Londres, na Inglaterra. 

O arquiteto e urbanista exerce influência nas diversas áreas em que atua. Entre 1961 e 1963, assume a chefia do Serviço Metropolitano Urbanístico de Brasília. De 1962 a 1965, trabalha como professor da recém-inaugurada faculdade de arquitetura na Universidade de Brasília (UnB). Entre 1979 e 1980, torna-se diretor do Instituto Estadual de Patrimônio Cultural (Inepac) do Rio de Janeiro e, posteriormente, atua como secretário da Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan) e como presidente da Fundação Nacional Pró-Memória, órgãos que depois são unificados e formam o Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)

Ao longo dos anos, envolve-se também com instituições e organizações renomadas no âmbito do patrimônio, inclusive internacionais, como o International Council on Monuments and Sites (Icomos), associação civil não governamental ligada à Organização das Nações Unidades (ONU) por intermédio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Ademais, atua como crítico de arte pela Associação Internacional de Crítica de Arte (Aica) e desenvolve o Plano de Reestruturação Urbana de Cochabamba, na Bolívia. 

Cochabamba exemplifica os problemas urbanos que muitas cidades latinas apresentam nas décadas de 1980 e 1990, como a aceleração do processo de urbanização e a falta de políticas públicas para mitigação de problemas sociais. A disputa pela terra ocupa uma das questões centrais de debate e é nesse cenário que se articula o Comitê Impulsionador do Estatuto da Cidade, assumindo a Lei do Estatuto da Cidade do Brasil como exemplo. Nesse processo, o comitê desenvolve uma análise das problemáticas urbanas para estabelecer soluções que democratizem o direito à cidade. A valorização dos espaços verdes, dos cidadãos e da identidade dos lugares são alguns dos princípios levantados. 

Em 1990, colabora na decisão de tombamento da cidade de Brasília como patrimônio nacional. O projeto urbanístico da cidade, encabeçado por Niemeyer e Lúcio Costa (1902-1998), insere o Brasil na vanguarda modernista para os países europeus.  Na época, Campofiorito redige um texto simples que consiste em ideias para a legislação de preservação. Seu artigo torna-se decreto governamental que certifica o registro da cidade como Monumento da Humanidade pela Unesco. As leis que o arquiteto desenvolve levantam temas importantes sobre a preservação até os dias atuais, como o limite tênue entre a necessidade de preservação estatal dos bens arquitetônicos e a permissão da fluidez da dinâmica das cidades com seus diversos agentes civis. 

De 1996 a 2004, atua como secretário de cultura de Niterói, no Rio de Janeiro. Participa como um dos idealizadores do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da cidade e se torna diretor executivo da instituição. Entre 1996 e 2017, integra o Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural e toma importantes decisões para preservação de bens considerados patrimônio cultural nacional. 

Italo Campofiorito faz parte de uma geração de arquitetos que transforma o modo de pensar arquitetura no Brasil. Sua atuação multidisciplinar e seu ativismo político na defesa do patrimônio cultural nacional deixa um importante legado histórico para os brasileiros.

Exposições 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: