Artigo da seção pessoas Benjamin de Oliveira

Benjamin de Oliveira

Artigo da seção pessoas
Teatro / música / cinema  
Data de nascimento deBenjamin de Oliveira: 11-06-1870 Local de nascimento: (Brasil / Minas Gerais / Pará de Minas) | Data de morte 03-05-1954 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Benjamin Chaves (Pará de Minas, Minas Gerais, 1870 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1954). Palhaço, ator, cantor, instrumentista e compositor. Considerado o primeiro palhaço negro brasileiro, Benjamin atua e contribui para a difusão do circo-teatro no Brasil, mesclando o ambiente e técnicas circenses com adaptações de clássicos da dramaturgia.

Benjamin, filho de Malaquias Chaves, capataz de fazenda, e de Leandra de Jesus, escravizada na mesma fazenda, nasce alforriado e aos 12 anos foge pela primeira vez com o Circo Sotero. Antes de fugir, exerce diversos trabalhos, como candeeiro, guarda-freio e vendedor de bolos para o público que frequenta o Sotero, onde tem seu primeiro contato com o universo circense.

É no Sotero que aprende suas primeiras acrobacias e técnicas de trapézio com o mestre Severino de Oliveira, de quem adota o sobrenome na vida artística. Três anos depois, foge novamente, possivelmente devido à discriminação racial e agressões sofridas.

Benjamin trabalha em alguns circos pelo interior de Minas Gerais e São Paulo, até que consegue um trabalho remunerado como acrobata no circo do norte-americano Jayme Pedro Adayme, na cidade paulista de Mococa. Aos 20 anos, substitui o palhaço da companhia, marcando seu início nesse papel. Sem experiência, em suas primeiras apresentações é vaiado e criticado pelo público.

Após se firmar como palhaço, passa por outras companhias circenses até 1892, quando começa a trabalhar para o circo do português Manoel Gomes, conhecido como Comendador Caçamba. Nesse momento, Benjamin já é reconhecido pela crítica por sua atuação como palhaço. É com o circo de Comendador Caçamba que chega ao Rio de Janeiro e passa a ter seu trabalho admirado por importantes figuras públicas da época, entre elas, o Marechal Floriano Peixoto (1839-1895), então presidente da recém-proclamada República brasileira.

A partir de 1896, Benjamin atua no circo Spinelli e passa as primeiras décadas do século XX gravando cançonetas, lundus e modinhas, totalizando seis discos pela Columbia Records entre 1907 e 1912. Nesse período, estampa os materiais de divulgação da companhia por seu reconhecimento do público e da crítica.

Ainda atuando no Spinelli, é o principal responsável pela introdução do circo-teatro no Rio de Janeiro, que tem seu apogeu entre 1918 e 1938. Na mesma época, integra grupos de teatro como a Companhia Maria França, de onde leva para o espaço circense adaptações de clássicos da dramaturgia, como obras do escritor inglês William Shakespeare (1564-1616) e contos de fadas, e interpreta Cristo durante uma Semana Santa. Além disso, canta e toca violão nos entreatos, especialmente composições de seu amigo Catulo da Paixão Cearense (1863-1946). A atuação de Benjamin marca uma revolução no circo brasileiro, ao introduzir outras linguagens artísticas, contribuindo para a divulgação de importantes composições e textos para o grande público. 

Reconhecido como rei dos palhaços no meio circense e lembrado como importante nome por representantes do teatro brasileiro, como o ator Procópio Ferreira (1898-1979), Benjamin enfrenta dificuldades financeiras após encerrar sua carreira no circo, em 1940, o que mobiliza artistas e intelectuais, como o escritor Jorge Amado (1912-2001), em uma campanha para que receba auxílio financeiro do governo federal, aprovado apenas sete anos depois de sua aposentadoria.

Mesclando modos de interpretar e incorporando a música em sua atuação, Benjamin de Oliveira revoluciona o modo de fazer circo de lona no país, levando para as grandes capitais a estética típica dos espetáculos do interior, aliada a textos conhecidos nos palcos de grandes companhias teatrais.

Outras informações de Benjamin de Oliveira:

  • Outros nomes
    • Benjamim Chaves
    • Benjamim de Oliveira
  • Habilidades
    • Compositor
    • Cantor/Intérprete
    • Palhaço
    • Ator

Obras de Benjamin de Oliveira: (4) obras disponíveis:

Fontes de pesquisa (7)

  • Benjamin de Oliveira. Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Instituto Cravo Albin: Rio de Janeiro, 2002-2021. Disponível em: https://dicionariompb.com.br/benjamin-de-oliveira/. Acesso em: 9 mar. 2021.
  • CARDOSO, Benevuto. Palhaços. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 24 jan. 1954. 2º Caderno, p.2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/030015_07/37078. Acesso em: 9 mar. 2021.
  • CARNEIRO, Nelson. Palhaço, o que é? Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 07 e 08 set. 1947. 2a. Seção, p.1 e 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/030015_06/48641. Acesso em: 9 mar. 2021.
  • Enciclopédia da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998.
  • HERÓIS de todo mundo. Benjamin de Oliveira (1870-1954). A cor da cultura. Disponível em: http://antigo.acordacultura.org.br/herois/heroi/benjaminde-oliveira.  Acesso em: 9 mar. 2021.
  • MUSEU AFRO BRASIL. Benjamim de Oliveira. Disponível em: http://www.museuafrobrasil.org.br/pesquisa/hist%C3%B3ria-e-mem%C3%B3ria/historia-e-memoria/2014/12/30/benjamim-de-oliveira. Acesso em: 9 mar. 2021.
  • PEREIRA, Terezinha. Benjamim de Oliveira sob o olhar da pesquisadora Ermínia Silva. Museu Histórico de Pará de Minas. Disponível em: http://muspam.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=150:benjamim-de-oliveira-sob-o-olhar-da-pesquisadora-erminia-silva&catid=36:textos&Itemid=89.  Acesso em: 9 mar. 2021.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • BENJAMIN de Oliveira. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa6689/benjamin-de-oliveira>. Acesso em: 12 de Mai. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7