Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Helouise Costa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.09.2020
03.02.1960 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Helouise Lima Costa (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1960). Curadora, pesquisadora e professora universitária. É um dos principais nomes em pesquisa e curadoria de fotografia no Brasil, com ênfase em fotografia moderna e fotojornalismo. Dedica-se também a estudos sobre museus, história das exposições e história da curadoria.

Texto

Abrir módulo

Helouise Lima Costa (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1960). Curadora, pesquisadora e professora universitária. É um dos principais nomes em pesquisa e curadoria de fotografia no Brasil, com ênfase em fotografia moderna e fotojornalismo. Dedica-se também a estudos sobre museus, história das exposições e história da curadoria.

Gradua-se em arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1983. Em 1985, é contemplada com uma bolsa no concurso Cultura e Arte no Brasil: Tradição e Ruptura, realizado pela Fundação Nacional de Artes (Funarte). Com a bolsa, desenvolve o projeto de pesquisa Abstratos e Geométricos: a Fotografia Moderna no Brasil, que tem como objetivo estudar a instauração da fotografia moderna no ambiente fotoclubista. Essa pesquisa é publicada no livro A Fotografia Moderna no Brasil (1995).

De 1990 a 1993 atua no Projeto de Preservação do Acervo Iconográfico do Arquivo do Estado de São Paulo, com uma pesquisa sobre o jornal Última Hora.

Conclui mestrado em artes pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) em 1994, defendendo uma dissertação sobre as origens do fotojornalismo no Brasil. O texto apresenta a história de O Cruzeiro, principal revista ilustrada brasileira do século XX. Com o título Aprenda a Ver as Coisas: Fotojornalismo e Modernidade na Revista O Cruzeiro, a pesquisa estabelece relações entre a arte de vanguarda e o fotojornalismo. Nela, Helouise explica que a renovação deste resulta do diálogo com as artes plásticas.

Participa de um grupo de estudos sobre fotografia, organizado pela professora Annateresa Fabris (1947), em 1989, que resulta no livro Fotografia: Usos e Funções no Século XIX. Após o mestrado, participa de processo seletivo para ingressar como professora no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP). Sua formação como arquiteta e pesquisadora permite que desenvolva projetos de pesquisa e exposições, e também atue como docente.

Em 1999, conclui o doutorado em arquitetura e urbanismo pela USP com a tese Um Olho que Pensa: Estética Moderna e Fotojornalismo. O estudo concentra-se no trabalho do fotógrafo francês Jean Manzon (1915-1990) para a revista O Cruzeiro entre 1943 e 1951, e assinala a contribuição do fotojornalismo europeu no Brasil para a construção de uma identidade nacional. 

Realiza concurso de livre-docência pelo MAC USP, em 2009, com o tema Da Fotografia como Arte à Arte como Fotografia – Reflexões sobre Curadoria e Museu, em que aponta o processo de legitimação da fotografia no sistema das artes no Brasil.

Com o trabalho de curadoria do acervo do MAC USP, realiza exposições que contribuem para o pensamento sobre fotografia, arte e história. Destaca-se a mostra Imagens Aprisionadas: a Foto/Objeto em Farnese de Andrade, realizada no Espaço Cultural Porto Seguro, em 2000, sobre o uso que o artista mineiro Farnese de Andrade (1926-1996) faz da fotografia com base em seus temas sobre a interioridade, questões de vida e morte, solidão e memória.

Em 2012, organiza a exposição Um Olhar sobre O Cruzeiro, no Instituto Moreira Salles (IMS), em parceria com o curador Sérgio Burgi (1958). Com mais de 300 imagens e matérias que revelam a história da principal revista ilustrada do país, a mostra traz a relação entre as imagens produzidas pelos fotógrafos e as fotorreportagens em uma abordagem inédita. Em 2013, o catálogo é publicado no livro As Origens do Fotojornalismo no Brasil. Um Olhar Sobre O Cruzeiro (1940-1960).

Realiza a mostra Arte Degenerada de Lasar Segall: Perseguição à Arte Moderna em Tempos de Guerra (2018), no Museu Lasar Segall. Esse projeto rememora a história de perseguição à arte moderna pelos nazistas, que realizam a exposição Arte Degenerada, em Munique, em 1937. A mostra contribui para uma reflexão crítica sobre a perseguição à arte moderna no Brasil e, como complemento à exposição, é realizado no MAC USP o seminário Arte Degenerada – 80 Anos: Repercussões no Brasil.

É curadora de outras exposições, como: Rafael França – Obra Gráfica, 1979-1981 (1997), um dos pioneiros da videoarte no Brasil; Waldemar Cordeiro e a Fotografia (2002), no Centro Universitário Maria Antonia, que traz o olhar original para a fotografia do artista concreto; Kurt Klagsbrunn: Faces da Cultura, Retrato de um Tempo (2019), no Centro Cultural da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), mostra inédita do fotógrafo Kurt Klagsbrunn (1918-2005).

Como produção acadêmica, pesquisa também a relação entre gênero, arte e fotografia. Em 2017, realiza o seminário Mulheres Fotógrafas, Mulheres Fotografadas: Fotografia e Gênero na América Latina, no MAC USP, com Erika Zerwes (1980), aprofundando a reflexão sobre a questão de gênero na fotografia e criando condições para a compreensão do papel das mulheres fotógrafas na América Latina.

O olhar de Helouise Costa como curadora e pesquisadora concebe a fotografia e o fotojornalismo como construção da realidade. A atuação no MAC USP é relevante por desdobrar a coleção do museu em outras atividades e exposições e resgatar a memória do acervo.

Exposições 15

Abrir módulo

Eventos relacionados 5

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 18

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: