Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Lupicínio Rodrigues

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.12.2019
16.09.1914 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
28.08.1974 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
Reprodução fotográfica Folha Imagem

Lupicínio Rodrigues

Lupicínio Rodrigues (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1914 - Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1974). Compositor e cantor. Suas composições o consagram como nome referencial na formação da música popular brasileira da primeira metade do século XX, destacando-o como um dos principais representantes do samba-canção.

Texto

Abrir módulo

Lupicínio Rodrigues (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1914 - Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1974). Compositor e cantor. Suas composições o consagram como nome referencial na formação da música popular brasileira da primeira metade do século XX, destacando-o como um dos principais representantes do samba-canção.

Aos sete anos, é matriculado no Colégio São Sebastião da Congregação dos Irmãos Maristas, onde tem os primeiros contatos com a linguagem musical. Fervoroso torcedor do Grêmio, compõe o hino oficial do clube gaúcho.

Muito jovem, compõe para os blocos carnavalescos de seu bairro. A inclinação para a boêmia preocupa o pai, que resolve matriculá-lo como voluntário no Exército. Com 16 anos, torna-se soldado do 7º Batalhão de Caçadores de Porto Alegre. Durante a fase do quartel, que termina em 1935, canta em conjuntos musicais e vence um concurso com a marchinha Carnaval, escrita para o cordão carnavalesco Prediletos. Entre 1935 e 1947, é bedel na Faculdade de Direito de Porto Alegre.

Lupicínio começa sua trajetória no canto antes de tentar a composição. Seu ídolo é Mário Reis (1907-1981), cantor que surge nos anos 1930, quando novos recursos técnicos, como a gravação elétrica, favorecem o surgimento de cantores de voz miúda, cuja interpretação aproxima-se de um canto coloquial, quase falado. Essa tradição inaugurada por Reis desemboca na bossa nova de João Gilberto e Nara Leão. O cantor Lupicínio, muito antes da bossa nova, filia-se a essa linhagem: sua voz de tenor de pouca extensão inspira-se nessa forma de cantar baixinho.

Sem dominar a linguagem formal da música e tocar instrumentos, tem apenas a voz para compor suas canções. Estas, afirma Lupicínio, fundam-se em experiências vividas por ele próprio ou por seus amigos, sempre ligadas à traição, ao desencanto, à paixão, aos dramas do amor.

O impulso para sua carreira de compositor surge com a premiação no concurso em comemoração ao centenário da Revolução Farroupilha, em 1935. Em parceria com o cantor Alcides Gonçalves, da Rádio Farroupilha, compõe a música vencedora: o samba Triste História. A partir daí, a dupla é responsável por outros sucessos, como Quem Há de Dizer (1948) e Cadeira Vazia (1950), que são gravadas por Francisco Alves (1898-1952)e Castigo (1953), gravada por Gilberto Milfont (1922), em 1953.

Lupicínio atribui aos marinheiros que frequentam os cabarés de Porto Alegre a difusão de suas músicas em outras capitais brasileiras. Se Acaso Você Chegasse (1938), composta em parceria com Felisberto Martins (1904-1980), chega ao Rio de Janeiro por essa via, sendo gravada pelo cantor carioca Ciro Monteiro (1913-1973). Em 1939, Lupicínio desembarca pela primeira vez nessa cidade. Ali, tem contato com importantes cantores, momento no qual aproxima-se de Francisco Alves, um de seus principais intérpretes.

O compositor investe na tradução do universo da boêmia, e sua lira busca narrar as dores dos desencontros amorosos e desilusões do amor, temas sempre presentes no universo boêmio. Vingança, seu maior sucesso, lançado pela rainha do rádio Linda Batista, em 1951, torna-se símbolo de tal estilo. A música bate recordes de venda e consagra o nome do compositor nacional e internacionalmente, sendo gravada em ritmo de fado, bolero e tango. Representante do sentimentalismo romântico da época, o samba torna-se sucesso em todo o Brasil. O próprio compositor o grava em seu primeiro álbum, Roteiro de um Boêmio, em 1952.

No decorrer de sua carreira, exerce o cargo de representante da Sociedade Brasileira de Autores, Compositores e Escritores de Músicas (Sbacem). Seus sambas se filiam à música de Noel Rosa (1910-1937), mas apresentam novas modulações, que apontam para a moderna música popular brasileira. O samba Último Desejo, de Noel Rosa, é uma referência para Lupicínio. Outra influência é Joubert de Carvalho (1900-1977), autor de valsas, tangos, marchinhas e sambas, como Maringá [com Olegário Mariano (1889-1958)] e Pra Você Gostar de Mim (Taí).

Entre as décadas de 1950 e 1960, o compositor sai de cena. A bossa nova, a música engajada e o rock eclipsam seu samba-canção. Mesmo assim, ele continua traçando seu roteiro de boêmio. Entre 1963 e 1964, escreve semanalmente no jornal Última Hora, em que narra histórias da boêmia de Porto Alegre, além de comentar suas músicas. Em 1970, é redescoberto pelos tropicalistas, quando grava dois LPs: Dor de Cotovelo, lançado em 1973, pelo selo Rosicler/Chantecler, e Lupicínio Rodrigues, de 1974, pelo selo Copacabana. Nos dois discos, interpreta seus clássicos, como VingançaNuncaFelicidade, e canções inéditas, como Inah. Por essa época, faz uma série de shows, como o realizado no Teatro Opinião, em outubro de 1973, no Rio de Janeiro. 

Tanto as linhas melódicas de suas composições quanto a poética de suas letras contribuem para renovar a canção romântica brasileira. Chega a compor mais de 600 músicas, das quais são gravadas por volta de 150, por artistas como Elis Regina (1945-1982), com Cadeira Vazia, em 1974, Gilberto Gil (1942), com Esses Moços (Pobres Moços), em 1981, e Paulinho da Viola (1942), com Nervos de Aço, em 1985.

Lupicínio Rodrigues contribui para a consolidação do samba-canção e torna-se um dos principais representantes do sentimentalismo boêmio, especialmente das décadas de 1940 e 1950.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CAMPOS, Augusto de. "Lupicínio Esquecido?". In: Balanço da Bossa e outras bossas. São Paulo, Perspectiva, 1993.
  • CAMPOS, Augusto de. "O criador da dor-de-cotovelo". In: Nova História da Música Popular Brasileira - Lupicínio Rodrigues. São Paulo, Abril Cultural, 1970.
  • Fontes de Pesquisa.
  • GONZALEZ, Demosthenes. Roteiro de um boêmio: vida e obra de Lupicínio Rodrigues. Porto Alegre, Sulina, 1986.
  • MATOS, Maria Izilda S. de e FARIA, Fernando A. Melodia e sintonia em Lupicínio Rodrigues: o feminino, o masculino e suas relações. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1996.
  • RODRIGUES FILHO, Lupicínio (Org.). Foi assim: o cronista Lupicínio Rodrigues. Porto Alegre, L&PM, 1995.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: