Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Walmir Ayala

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.03.2017
04.01.1933 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
28.08.1991 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Walmir Félix Ayala (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1933 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1991). Poeta, contista, romancista, tradutor, crítico de arte, ensaísta, dramaturgo e memorialista. Vive a primeira infância na casa dos avós, com os pais. Aos cinco anos, um ano após a morte da mãe, passa a viver apenas com a madrasta e o pai, casado nov...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Walmir Félix Ayala (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1933 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1991). Poeta, contista, romancista, tradutor, crítico de arte, ensaísta, dramaturgo e memorialista. Vive a primeira infância na casa dos avós, com os pais. Aos cinco anos, um ano após a morte da mãe, passa a viver apenas com a madrasta e o pai, casado novamente. Manifesta interesse literário já aos nove anos, quando simula editar seu próprio livro, com poemas e ilustrações. 

Ingressa na Faculdade de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS), mas abandona o curso antes de se formar. Em 1955, em edição financiada pelo pai, publica os poemas Face Dispersa. No ano seguinte muda-se para o Rio de Janeiro, onde produz diversas peças teatrais. Entre 1959 e 1965 colabora, como crítico de teatro, em diversos periódicos, entre eles o Jornal de Letras e a revista Leitura. No Jornal do Brasil mantém, de 1962 a 1968, coluna sobre literatura infantil e, de 1968 a 1974, coluna sobre crítica de arte. Sua colaboração se estenderá para diversas publicações, como Folha de S.Paulo, Correio da Manhã e Última Hora

Viaja à Itália, ao Chile e ao Paraguai em missão cultural do Ministério das Relações Exteriores e representa o Brasil nas bienais internacionais de Veneza e Paris. Em 1970, trabalha como assessor cultural do Instituto Nacional do Livro; nas décadas posteriores, publica vários ensaios sobre arte brasileira. Coordena, em 1975, o Dicionário Brasileiro de Artistas Plásticos, organizado pelo Ministério da Educação (MEC). É homenageado em 1987 pela escola de samba Portela, que elege como tema de samba-enredo o livro infantil A Pomba da Paz, de 1974. Traduz para o português obras diversas, como dos espanhóis Miguel de Cervantes (1547-1916) e Federico Garcia Lorca (1898-1936), e o poema argentino Martin Fierro, de José Hernández (1834-1886).

Análise

Tendo praticado diversos gêneros literários entre romances, contos, peças de teatro, livros infantis e ensaios, Walmir Ayala se destaca sobretudo como poeta, sendo identificado à tendência de retorno aos grandes temas líricos, que tem início com a segunda geração modernista. O livro de estreia, Face Dispersa, apresenta, conforme sugere o título, um sujeito cindido: trata-se de reflexões sobre a passagem do tempo, o amor, a solidão, a morte. A dimensão subjetiva está presente mesmo quando o poeta problematiza o seu ofício. Em Sisaltlântico, de O Edifício e o Verbo (1961), há uma espécie de receita poética: “poucas palavras, ritmo, e a colher/ mexendo as solidões aconchegadas”.

Também o amor e a religiosidade ocupam o centro do interesse do autor. Tempo de Amor, de Natureza Viva (1973), convoca a forma fixa do soneto para meditar sobre a natureza intemporal do sentimento:

“Ter amado é não poder deixar de amar [...]
Jamais deixar de amar é ter amado”.

Igualmente intemporal é a figura de Deus, como o poema Narciso, do livro Águas Como Espadas (1983):

“Antes de tudo ser esboçado na
mínima hipótese de vida,
Deus já se amava e contemplava
no sem princípio do tempo”.

Essa noção de Deus se contrapõe à finitude do homem que pretende compreendê-lo, como em Desígnio, da mesma obra:

“Quanto tempo, meu Deus, para entender-te,
ainda me resta? [...]”.

A experiência do desamparo é também o que move a prosa de Ayala, essencialmente dedicada a relações afetivas problemáticas ou que sequer se estabelecem como tal. O primeiro romance, À Beira do Corpo (1964), desenvolve-se sobre as consequências subjetivas de um crime passional: traído, o marido assassina a mulher e seu amante. Contos inéditos reunidos em O Anoitecer de Vênus (1998) chegam, por diversos caminhos, à inevitável solidão humana.

Já nos livros infantis o autor revela a preocupação em retratar matérias essencialmente nacionais. Obras como Histórias dos Índios do Brasil (1971), O Burrinho e a Água (1982), A Árvore do Saci (1992) e A Vitória-Régia e o Beija-Flor (1999) centram-se na história, na cultura e na natureza brasileiras.

Espetáculos 5

Abrir módulo

Exposições 21

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: A Celestina - 1969. Não catalogado
  • LUCCHESI, Marco. A espada, a estrela e o jaguar. In: AYALA, Walmir. Melhores poemas. São Paulo: Global, 2008.
  • MOISÉS, Massaud. História da literatura brasileira: modernismo. São Paulo: Cultrix, 1989. v.5.
  • ROSA, Renato; PRESSER, Décio. Dicionário de artes plásticas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 1997. R700.98165 R7887d

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: