Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Inaicyra Falcão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.11.2022
1958 Brasil / Bahia / Salvador
Inaicyra Falcão dos Santos (Salvador, Bahia, 1958). Cantora lírica, pesquisadora, professora das artes da cena. Sua atuação nos palcos está ligada a recriações de matrizes da cultura yorubá e africano-brasileira em uma visão contemporânea. Na área da educação, possui investigações e estudos de propostas pluriculturais para a dança-arte-educação ...

Texto

Abrir módulo

Inaicyra Falcão dos Santos (Salvador, Bahia, 1958). Cantora lírica, pesquisadora, professora das artes da cena. Sua atuação nos palcos está ligada a recriações de matrizes da cultura yorubá e africano-brasileira em uma visão contemporânea. Na área da educação, possui investigações e estudos de propostas pluriculturais para a dança-arte-educação que dialogam com a crítica decolonial e resgate das ancestralidades afro-brasileiras.

Filha do escultor, escritor e sacerdote afro-brasileiro Mestre Didi (1917-2013), e neta de Maria Bibiana do Espírito Santo, a Mãe Senhora (1890-1967), terceira Ialorixá do Ilê Axé Opô Afonjá em Salvador. É introduzida ao candomblé durante a infância e fortemente influenciada pelo universo das artes por sua família. Ainda durante o período de estudos no colégio, tem seu interesse pela dança aguçado pelas coreografias do Grupo de Dança Contemporânea da Universidade Federal da Bahia (GDC/UFBA) coreografada pelo dançarino e coreógrafo alemão Rolf Gelewski (1930-1988).

Ingressa no curso de bacharelado em Dança da Universidade Federal da Bahia em 1969. É aluna do dançarino estadunidense Clyde Morgan (1940) que a convida para participar do GDC/UFBA, grupo que ele passa a dirigir em 1972. Apesar de curso de dança não se dedicar com ênfase às culturas negras, Morgan é o responsável por apresentar obras de artistas negros que se tornam referências importantes, dentre eles: o coreógrafo estadunidense Alvin Ailey (1931-1989) e a coreógrafa e dançarina estadunidense Judith Jamison (1943).

Ainda durante o curso na UFBA, integra a Companhia de Dança Olodumarê – antigo Grupo Folclórico Olodum – coreografado por Domingos Campos (1934). Ao terminar a graduação, permanece no Ballet Brasil Tropical, novo nome da companhia, e viaja com o grupo para a Europa em 1973, mantendo o objetivo de continuar seus estudos. Neste momento, faz aulas no curso de Dança Contemporânea na Schola Cantorum, na França.

A estadia na França é um momento de grande desenvolvimento das questões artísticas. Faz aulas de Jazz e Danças Africanas, no Centro Americano, em Paris, participando de workshops e apresentações de professores de origem africana. Participa também da obra La déesse Lune [A deusa Lua], do dançarino e coreógrafo japonês Hideyuki Yano (1943-1988), no Theatre D. Ennah – primeira experiência envolvendo a tradução de um mito na forma de gestos, sons e movimentos, sem o uso da palavra.

Em 1980, deixa o grupo Ballet Brasil Tropical e vai para os Estados Unidos onde faz o curso de Dança Moderna no Studio Alvin Ailey. Percebe a grande influência da cultura clássica grega e da mitologia grega para os artistas da dança moderna e decide usar como orientação em sua prática artística a cultura afro-brasileira e a mitologia yorubá.

Em 1982, vai para a Universidade de Ifé (atual Obáfémi Awólòwo), na Nigéria, com bolsa do governo brasileiro para desenvolver sua pesquisa de mestrado. Transfere-se para a Universidade de Ibadan, onde é convidada para ministrar a disciplina de dança no Departamento de Artes Teatrais. Durante a estadia na Nigéria, compreende que o preconceito não se dá não apenas pela dimensão racial, mas interseccionando questões de classe e cultura.

Finaliza o mestrado sobre danças rituais na Bahia em 1984. No período que permanece na Universidade de Ibadan, 1982 até 1988, participa de eventos artísticos do departamento como dançarina, coreógrafa e no coral da universidade. Deste período destacam-se a participação nos trabalhos: “Recital” (1985), realizado em comemoração aos vinte anos do departamento, “Reencontro” (1985), e “Royal Jester”, no qual, além de coreógrafa e atriz, estreou como cantora lírica.

A partir dos estudos no mestrado, descobre as teorias de Rudolf Laban (1879-1958) e vai para o Laban Centre for Movement and Dance, na Universidade de Londres (Inglaterra), com bolsa do Conselho Britânico, em 1988, para desenvolver a pesquisa “Estudo Coreológico do Batá e sua possibilidade Coreográfica”. Participa de diversos workshops envolvendo as culturas e danças africanas aprofundando seus conhecimentos na área.

Retorna ao Brasil e, em 1990, é convidada pelo Departamento de Artes Corporais (DACO) da Universidade Estadual de Campinas, a continuar suas pesquisas sobre o batá. Torna-se, em seguida, professora colaboradora no departamento.

Sua tese de doutorado Da Tradição Africana Brasileira a uma Proposta Pluricultural de Dança-Arte-Educação, defendida em 1996, articula sua trajetória como artista e pedagoga no sentido de desenvolver uma proposta pluricultural de dança-arte-educação. A partir de suas pesquisas sobre o universo simbólico e mítico ligada ao tambor Batá, retrata o processo de criação do poema cênico Ayán: Símbolo do Fogo ressaltando a importância dos mitos de diferentes tradições na arte como elementos capazes de resgatar elementos culturais ligados à ancestralidade, reelaborar tradições em contexto contemporâneos e como formas de vivenciar exercícios de alteridade. Em 2000, lança o CD Okan Awa [Nosso Coração] em homenagem a sua avó, Mãe Senhora.

Inaicyra Falcão é uma cantora lírica, educadora e pesquisadora com longa trajetória artística como dançarina e coreógrafa. Sua pesquisa se volta especialmente ao resgate da ancestralidade e tradições africanas na cultura brasileira e preocupação com o desenvolvimento de uma perspectiva pluricultural para a prática da dança-arte-educação, compreendendo e resgatando as diversas tradições que compõem a cultura do Brasil

 

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • MASTERCLASS – Escavando Memórias com Inaicyra Falcão. Cruz das Almas: UFRB, 2021. (1h 03min). Disponível em: https://youtu.be/O4bCcZWpHio. Acesso em: 01 nov. 2022.
  • SANTOS, Inaicyra Falcão dos. Corpo e Ancestrdalidade: uma proposta pluricultural da dança-arte-educação. 5. Ed. Curitiba: CRV, 2021.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: