Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Naine Terena

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.10.2021
1980 Brasil / Mato Grosso / Cuiabá
Registro fotográfico Agência Ophelia

Naine Terena, 2017

Naine Terena de Jesus (Cuiabá, Mato Grosso, 1980). Professora, cineasta, artista, curadora, pesquisadora. Integrante da etnia Terena, atua entre a prática educativa e a produção audiovisual, contribuindo para  projetos de valorização e difusão das culturas indígenas em diversos níveis do sistema das artes, seja para a instrumentalização das comu...

Texto

Abrir módulo

Naine Terena de Jesus (Cuiabá, Mato Grosso, 1980). Professora, cineasta, artista, curadora, pesquisadora. Integrante da etnia Terena, atua entre a prática educativa e a produção audiovisual, contribuindo para  projetos de valorização e difusão das culturas indígenas em diversos níveis do sistema das artes, seja para a instrumentalização das comunidades no uso de dispositivos tecnológicos que permitem a elaboração de narrativas sobre seu cotidiano e história, seja no entendimento dos meandros do sistema de circulação de informações, e sua efetiva inserção no meio artístico.

Forma-se em Comunicação Social pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em 2003 com apoio de uma bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ), com pesquisa sobre mulheres e o consumo de telenovelas. Torna-se mestra em Artes pela Universidade de Brasília (UNB), em 2007, com dissertação intitulada Kohixoti-kipáe, a Dança da Ema – Memória, Resistência e Cotidiano Terena, na qual Naine tece um levantamento histórico e uma genealogia de sua etnia, para depois desenvolver um projeto cinematográfico de registro cotidiano da aldeia Limão Verde em Mato Grosso, tendo aí a Dança da Ema, também conhecida como Dança do Bate-Pau, como ponto de partida, justamente pela natureza comunitária que o evento desencadeia para sua realização. Entendendo que o gesto de tomada da câmera pelo agente indígena subverte a condição de exotização e desumanização perpetrada pelo eurocentrismo ao longo de séculos, Naine alinha-se com uma já consolidada vertente do audiovisual, encabeçada pelos pesquisadores e professores Arlindo Machado (1949) e Ivana Bentes (1964), que é a fomentação de projetos onde os indígenas deixam de ser a imagem a ser capturada, para serem criadores de imagens, portanto, agentes de sua cultura.  

Gradua-se doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em 2014, com o trabalho Audiovisual na Escola Terena Lutuma Dias: Educação indígena diferenciada e as mídias, em que propôs em seu aldeamento natal, Limão Verde, um projeto educativo de ensino das culturas indígenas a partir dos meios audiovisuais. 

Ainda em sua trajetória como pesquisadora, realiza dois estágios pós-doutorais, ambos com fomento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), sendo o primeiro na área de Educação pela Universidade do Estado do Mato Grosso em 2015, e o segundo na UFMT em 2017. Atua também como professora substituta da mesma instituição entre 2008 e 2009. É docente na Faculdade Católica de Mato Grosso e integrante da produtora cultural Oráculo Comunicação, Educação e Cultura desde 2012.

Em 2020, Naine Terena é curadora da exposição Véxoa: nós sabemos, na Pinacoteca de São Paulo (Pina_), que conta com a participação de 23 artistas e coletivos de origem indígena, sendo alguns aldeados e outros desaldeados, e visava evidenciar um panorama das produções artísticas das diversas comunidades originárias, para além de uma estereotipação cultural ou paternalismo institucional. Para além da exibição de pinturas, esculturas, vídeos, objetos e desenhos, Naine desenvolveu ações de ativação da exposição, ora com discussões com lideranças indígenas e a equipe do museu, ora elaborando uma programação de radiodifusão, tendo como foco constante o protagonismo da fala e do pensamento indígena.

Tanto em suas pesquisas acadêmicas quanto em suas atuações no sistema das artes, Naine advoga em prol de eventos e ações onde haja uma centralidade do pensamento epistemológico e cosmogônico indígena, principalmente em espaços tradicionalmente reticentes a perspectivas de mundos e práticas decolonial.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CAMPOS, Safira. Quando uma mulher indígena chega à elite do conhecimento no Brasil. PNB Online. Disponível em: pnbonline.com.br/geral/quando-uma-mulher-inda-gena-chega-a-elite-do-conhecimento-no-brasil/59733. Acesso em: 21 ago. 2021
  • FONSECA, Raphael. < Véxoa: nós sabemos > the first exhibition of Indigenous-only contemporary art in Pinacoteca do Estado de São Paulo. Terremoto. Disponível em: www.terromot.mx. Acesso em: 18 ago. 2021.
  • JESUS, Naine Terena. Currículo do sistema currículo Lattes. [Brasília], 30 set. 2020. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/9166774663920965. Acesso: 14 set. 2021.
  • JESUS, Naine Terena. Kohixoti-Kipáe, A dança da ema – Memória, Resistência e Cotidiano Terena. Dissertação (Mestrado em Artes) - Instituto de Artes da Universidade de Brasília. 2007. Acesso em: 21 ago. 2021.
  • JESUS, Naine Terena. “Eu estava aqui o tempo todo, só você não viu [?]” – a arte brasileira feita por indígenas. Itaú Cultural. Disponível em: itaucultural.org.br/manuais-escolares-e-arte-brasileira-feita-por-indigenas. Acesso em: 21 ago. 2021.
  • RIBEIRO, Luciara; TUPINANBÁ, Moara. Véxoa: nós sabemos (ou o que não sabemos). Select, ano 10, nº 49, jan/fev/mar. 2021. Disponível em: www.select.com.br. Acesso em: 18 ago. 2021.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: