Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural

Fernanda Feitosa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.10.2022
1967 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Fernanda Dinamarco Feitosa (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1967). Gestora cultural, colecionadora de arte, advogada. Empreendedora, fundadora da Feira Internacional de Arte de São Paulo (SP-Arte), desde 2004, está à frente da maior feira de arte da América Latina e um dos principais eventos do calendário cultural da cidade de São Paulo. 

Texto

Abrir módulo

Fernanda Dinamarco Feitosa (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1967). Gestora cultural, colecionadora de arte, advogada. Empreendedora, fundadora da Feira Internacional de Arte de São Paulo (SP-Arte), desde 2004, está à frente da maior feira de arte da América Latina e um dos principais eventos do calendário cultural da cidade de São Paulo. 

Desde a infância convive com a arte por influência de um tio que era pintor. Formada pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, tem ainda mestrado em direito internacional pela Universidade de Boston. Durante a fase inicial de sua vida profissional, atua em escritórios de advocacia nas áreas de inovação e atendendo a instituições financeiras. Afasta-se temporariamente da profissão quando muda-se com a família para a Argentina. 

Inicialmente, tem a arte como uma paixão e uma atividade de lazer, dedicando-se ao colecionismo desde 1995 e frequentando cursos, o circuito de galerias, casas de leilão e exposições. Na Argentina, interessa-se pelas feiras de arte moderna e contemporânea a partir das visitas realizadas à ArteBa, uma das feiras de arte pioneiras no continente, com origens em 1991. Ao retornar ao Brasil, decide não retomar a carreira, mas empreender com a criação da SP-Arte. 

Feitosa afirma que a fundação da Feira, em 2004, surge do encontro de seu interesse pessoal com a oportunidade de crescimento do mercado de arte brasileiro e a tendência internacional de expansão das feiras de arte contemporânea. Antes da fundação, realiza intensa pesquisa sobre a produção nacional, com mapeamento dos principais colecionadores do país e estudo aprofundado das experiências internacionais, a fim de garantir como marcas do evento a profissionalização do mercado brasileiro e sua internacionalização. Inspiram a Feira, a primeira em São Paulo dedicada apenas à produção moderna e contemporânea, eventos como a Art Cologne, a Basel Art Fair e a Frieze Art Fair London, distanciando a SP-Arte do modelo de salões até então predominantes no país. 

Como diretora-geral, organiza a primeira edição da Feira em 2005, que conta com a participação de 40 galerias nacionais e uma uruguaia, e programação paralela com painéis de debate e mostras de videoarte. A recepção do mercado brasileiro, segundo Feitosa, é de grande entusiasmo, pois, naquele momento, algumas galerias já participam do circuito internacional de feiras. Há, no país, uma base consolidada de colecionadores e observa-se o potencial de atrair um novo público para a produção brasileira.

A conjuntura político-econômica do país é favorável à atividade, tanto do ponto de vista do aquecimento da economia nacional no contexto da ascensão dos mercados emergentes quanto do interesse despertado pelo país no exterior. Este último fator é essencial para a atração de galerias internacionais à Feira, pois cresce o apelo à arte e à cultura brasileira no contexto internacional. Fundamental à concretização desta atração é a redução dos tributos relacionados à aquisição de obras de arte durante a realização da Feira, conquista resultante da capacidade de articulação dos organizadores junto ao governo do estado de São Paulo e expressão do impacto do evento na cadeia de fornecedores da cidade. Desde 2012, a isenção da tributação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) garante a compradores brasileiros a possibilidade de acessarem a produção de galerias estrangeiras. 

Depois de sua consolidação, a Feira vive uma fase caracterizada pelo crescimento a partir da análise de oportunidades. Nesse sentido, é criada em 2007 a SP-Foto, evento dedicado à divulgação da fotografia nacional, apresentando artistas em distintas etapas de suas carreiras, com diversos perfis e estilos. Outras alterações implementadas ao longo dos anos são a série de palestras Talk; o setor Open Plan, em que são apresentadas obras selecionadas por um curador; o Performa, área dedicada às performances; e o setor Solo, dedicado a mostras individuais. Para Feitosa, a inovação é um aspecto essencial à contínua expansão que a Feira experimenta desde 2005, seja do volume de artigos comercializados, do público presente no evento, seja do número de galerias inscritas.   

Feitosa atua mais fortemente no engajamento político a partir do incentivo à democratização e acessibilidade do espaço. Desde 2007, propõe aos patrocinadores-doadores a aquisição de obras a serem doadas aos museus nacionais. O Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP), a Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pina) e o Museu de Arte do Rio (MAR-RIO) são algumas das instituições beneficiadas. Promove ainda a iniciativa Showcase, mostra de trabalhos engajados de galerias emergentes, e ativamente busca a inclusão de artistas periféricos e de grupos politicamente marginalizados, ressaltando a responsabilidade social de sua função. 

Em 2019, lança a plataforma digital SP-Arte 365, visando à conexão de galerias e novos colecionadores, a fim de fomentar o mercado de arte brasileiro e garantir a sustentabilidade da Feira. Por causa da pandemia de covid-19, a edição de 2020 da Feira é marcada pela transição para o ambiente virtual e pela resiliência da organização diante dos desafios impostos. A experiência bem-sucedida dos Viewing Rooms virtuais abre a possibilidade de realização de eventos híbridos nas próximas edições. 

Devido à sua capacidade de liderança, Fernanda Feitosa consagra-se como importante agente do circuito nacional de arte de sua época, consolidando a SP-Arte como  um dos principais eventos culturais do país.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: