Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Laura Athayde

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.10.2022
1989 Brasil / Amazonas / Manaus
Laura Tuma de Athayde (Manaus, Amazonas, 1989). Quadrinhista, ilustradora, designer e advogada. Aborda em sua obra temas relacionados às questões sociais, políticas, raciais e de gênero estruturadas sob uma perspectiva feminista para promoverem reflexão e debate sobre os papéis da mulher na sociedade. Colabora com editoras e seus desenhos ilustr...

Texto

Abrir módulo

Laura Tuma de Athayde (Manaus, Amazonas, 1989). Quadrinhista, ilustradora, designer e advogada. Aborda em sua obra temas relacionados às questões sociais, políticas, raciais e de gênero estruturadas sob uma perspectiva feminista para promoverem reflexão e debate sobre os papéis da mulher na sociedade. Colabora com editoras e seus desenhos ilustram capas de livros, além de jornais e revistas. 
Desde a infância desenha e sua maior referência são os gibis de Maurício de Sousa (1935). Anos depois, a leitura de mangás – gibis japoneses que começam a ser difundidos no Brasil com muito apelo entre o público adolescente –, influencia seu traço.

Após a conclusão da faculdade de direito pela Universidade do Estado do Amazonas (2011) e da pós-graduação em direito tributário (2013), seu interesse por história em quadrinhos (HQs) é renovado pelo contato com autores nacionais via redes sociais. O trabalho do quadrinista carioca Diego Sanchez (1989) desperta sua atenção pela abordagem temática, muito diferente de seu até então conhecido repertório de ficção e fantasia. As reflexões do artista motivam a vontade de criar personagens e imbuí-los com suas próprias experiências e visões de mundo. Decide então retornar à prática sistemática do desenho e à leitura imersiva de HQs de gênero autobiográfico. Volta aos estudos e, além de frequentar cursos de ilustração e aquarela, forma-se em design gráfico em 2017, com a intenção de produzir e lançar seus próprios livros. 

Em novembro de 2013, publica tirinhas nas mídias sociais de amigos, com engajamento positivo. Considera esse o marco inaugural de sua nova carreira. Produz novos trabalhos e os divulga em suas páginas na internet. Além disso, eventos como feiras gráficas e encontros acentuam o contato com outros quadrinistas e, em pouco tempo, passa a publicar em coletâneas e zines, como o XXX e MÊS. Neste último apresenta a história Solipsismo, com estilo semelhante ao dos mangás. Em 2014 lança seu primeiro zine, Delirium, que trata das transformações e estranhamentos femininos. Produz o zine durante as madrugadas, dividindo o tempo entre estudos visuais e o trabalho em escritório de advocacia, em São Paulo. No ano seguinte publica O Mundo é um Jogo e Eu Só Tenho Mais uma Vida, zine com três histórias de tom mitológico-existencial sobre o universo feminino.

Entre 2013 e 2016 participa do Coletivo Mandíbula, grupo com sete integrantes mulheres que se revezam para postar na internet, diariamente, tirinhas sobre um tema previamente escolhido a cada semana. Esse estímulo contínuo gera agilidade e frequência de produção. Suas histórias são compartilhadas na rede e passa a colaborar com diversos projetos, entre eles, ilustra e escreve para a revista Capitolina, veículo de comunicação online produzido exclusivamente por garotas e para garotas. O sucesso da revista associa ainda mais seu trabalho à pauta feminista. 

Utilizando as mídias sociais, desenvolve seu trabalho de maior impacto, a série de HQ Aconteceu Comigo – Histórias Reais de Mulheres. O ponto de partida são relatos reais de situações discriminatórias e cotidianas enfrentadas por mulheres, coletadas desde 2015 em um formulário anônimo em sua fanpage. O processo de realização implica na adaptação da história, roteirização, desenho e colorização. Nos primeiros dois anos são produzidas 20 histórias com temas como enquadramento em padrões estéticos, maternidade, discriminação racial e de gênero. A motivação vem da curiosidade em conhecer o cotidiano de mulheres com vivências diferentes da sua e, a partir da divulgação dessas narrativas, promover o debate e a empatia. A série é selecionada entre mais de cem projetos no edital Rumos 2017-2018 do Itaú Cultural e faz parte da exposição O Tempo das Coisas. O livro Aconteceu Comigo, editado e publicado em 2020, compila 70 dessas histórias.

Seus desenhos são produzidos utilizando várias técnicas, mas Laura prefere marcador gráfico descartável com tinta nanquim, aquarela e pintura digital. Constantemente experimenta estilos que se adaptem às temáticas propostas nas narrativas: com o traço fino e delicado do nanquim e a fluidez da aquarela, expressa tom melancólico, enquanto o uso de texturas digitais e cores saturadas reforça o aspecto comunicativo com efeito mais gráfico.

A partir de 2017 dedica-se exclusivamente aos quadrinhos e às ilustrações. No entanto, sua formação e atuação prévia no direito tangencia em alguns pontos de sua nova carreira. Por exemplo: escreve textos e produz vídeos para esclarecer sobre a questão de direitos autorais e propriedade intelectual; investe em vigorosa pesquisa sobre Direitos Humanos para apresentar em suas obras temas sensíveis como aborto; e se defende judicialmente quando seu trabalho é plagiado. 

Em 2018, passa a morar em Belo Horizonte e lança a coletânea Histórias Tristes e Piadas Ruins, com suas melhores tirinhas, no Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ). A recepção positiva faz com que o projeto seja ampliado com cuidadoso projeto gráfico de sua autoria. O livro é publicado por meio de financiamento coletivo na internet e premiado no ano seguinte com o 31º Troféu HQ Mix melhor publicação independente de autor. 

Laura Athayde recorre às mídias sociais para intensificar a força comunicativa de seus  quadrinhos e ilustrações. A maior interação entre autores, coletivos e público, oferece condição necessária para propor e ampliar o debate sobre temas relevantes, especialmente os pertinentes à luta feminista.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: