Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural

Luedji Luna

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.08.2021
1987 Brasil / Bahia / Salvador
Luedji Gomes Santa Rita (Salvador, Bahia, 1987). Cantora e compositora. Luedji Luna é uma artista que sintetiza como poucos de sua geração discussões tão em voga na sociedade. Feminismo, solidão da mulher negra e a pauta antirracista são temas que canta com personalidade e contundência. Seu lugar estético na música brasileira também dialoga com ...

Texto

Abrir módulo

Luedji Gomes Santa Rita (Salvador, Bahia, 1987). Cantora e compositora. Luedji Luna é uma artista que sintetiza como poucos de sua geração discussões tão em voga na sociedade. Feminismo, solidão da mulher negra e a pauta antirracista são temas que canta com personalidade e contundência. Seu lugar estético na música brasileira também dialoga com esse caminho lírico, com um som que não se enquadra em um rótulo específico e estabelece pontes com várias linguagens rítmicas e harmônicas da diáspora negra.

A mãe economista e o pai historiador são funcionários públicos e envolvidos com a militância negra. Esse convívio familiar com o engajamento político é determinante para o caminho da artista em sua escrita. Luedji também recebe influência da música que os pais escutam em casa: Djavan (1949), Luiz Melodia (1951-2017), Milton Nascimento (1942), além de nomes do reggae jamaicano, como Peter Tosh (1944-1987).
 
Estuda em escola particular, onde a maioria dos alunos é branca e sofre racismo, o que a inspira a escrever. Começa a compor músicas e se apresentar em bares de sua cidade aos 17 anos. Em 2007, ingressa na faculdade de direito da Universidade do Estado da Bahia. Faz estágio e usa o dinheiro para pagar aulas de canto. Muda-se para São Paulo em 2015, onde começa a desenvolver o repertório e os arranjos de seu primeiro disco, Um Corpo no Mundo, de 2017.
 
O trabalho tem algo peculiar na formação da banda que se reflete na sonoridade, com músicos naturais da Suécia, do Quênia, de Cuba e do Brasil. Nota-se que esse aspecto multirracial relacionado à diáspora negra é crucial para o estilo musical híbrido que a artista apresenta: as cordas desenham dinâmicas associadas à polirritmia africana, a percussão traz padrões inspirados nos ritmos de terreiro (ainda que em toques leves, sem a pressão típica dos rituais) e o baixo é um elemento que dá unidade ao conjunto com referências à música caribenha.
 
A letra da faixa-título reflete a crise identitária de ter um corpo negro no Brasil, das consequências da escravidão, de não saber com precisão a origem dos seus antepassados. “Atravessei o Mar / Um Sol da América do Sul Me Guia / Trago uma Mala de Mão / Dentro do uma Oração, um Adeus”, dizem os primeiros versos. Em outros trechos, a cantora escreve: “Eu Sou um Corpo, um Ser, um Corpo Só / Tem Cor, Tem Corte / e a História do Meu Lugar” e “Olhares Brancos Me Fitam”. As origens africanas também são explicitamente abordadas em "Saudação Malungo", de Orlando Santa Rita e Cal Ribeiro.
 
"Banho de Folhas" é uma rara canção com vocação mais dançante em um repertório predominantemente introspectivo. Enquanto a letra narra um passeio pela cidade à procura de um amor, o arranjo combina um riff de guitarra suingado com um ritmo que remete ao afoxé baiano. Versos evocam Oxalá (orixá que, no candomblé, é associado à criação do mundo e da espécie humana) e o título da música se refere a um ritual de cura também comum às práticas dessa religião.
 
O trabalho seguinte, Bom Mesmo é Estar Embaixo D’água, é lançado em 2020. Luedji Luna traz  nessa obra outras vozes de mulheres negras associadas ao feminino negro. "Ain’t Got No" é uma versão para a canção da cantora, compositora e pianista estadunidense Nina Simone (1933-2003), sobre a solidão da mulher negra: “Não Tenho Casa, Não Tenho Sapatos / Não Tenho Dinheiro, Não Tenho Classe”, diz a letra em inglês, que enumera outras ausências: amigos, amor, trabalho e Deus. O arranjo termina com a escritora Conceição Evaristo (1946) recitando seu próprio poema, que diz: “a Noite Não Adormece nos Olhos das Mulheres”.

O tema se associa diretamente a outras músicas do repertório. Em "Chororô", Luedji canta: “Eu Não Tenho Chão / Nem um Teto que me Queira / Nem Parentes Que Me Saibam / Nem Família Que me Seja / Tenho Apenas uns / Mas Talvez Só Tenha Um”. Já em "Ain’t I a Woman?" [Eu Não Sou uma Mulher?]¹, a letra diz: “Eu Sou a Preta que Tu Come e Não Assume”, evidente desabafo relacionado à constatação já apontada em pesquisas de que homens (brancos e negros) preferem se relacionar com mulheres de pele clara.
 
Musicalmente, é perceptível uma guinada para ritmos próximos ao jazz na concepção dos arranjos em comparação com Um Corpo no Mundo. Esse elemento é notável, por exemplo, na introdução de piano em “Lençóis”, e nas dinâmicas entre baixo, teclados e bateria em “Recado”. A produção é assinada pela própria Luedji e pelo guitarrista Kato Change.
 
O lançamento do disco acompanha um vídeo divulgado como “álbum visual”, espécie de curta-metragem com cerca de 23 minutos, sete das 12 faixas do disco, e direção de Joyce Prado (1987), fundadora da Oxalá Produções (produtora focada em conteúdos relacionados à cultura afro-brasileira). Na obra, a cantora atua em cenas gravadas nas ruas de Salvador e em contato com o mar. Há muitas imagens com espelhos, o que remete diretamente ao amor próprio tão abordado nas letras.

Luedji Luna é  uma das artistas de destaque da geração baiana que movimenta a música brasileira a partir dos anos 2010, juntamente com as bandas Baiana System e Afrocidade, além das cantoras e compositoras Xênia França (1986) e Larissa Luz (1987). A linha melódica de suas canções, o timbre de voz da região média e as letras que frequentemente tratam de emoções relacionadas à mulher negra são elementos que saltam aos ouvidos, bem como a delicadeza dos arranjos predominantemente apoiados em dedilhados de violão e uma percussão discreta.

Nota

1. O título da canção faz referência ao discurso homônimo de Sorjouner Truth, ex-escravizada e precursora do feminismo no negro nos Estados Unidos

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: