Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Camila Márdila

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.01.2021
1988 Brasil / Distrito Federal / Taguatinga
Registro fotográfico Marcus Leoni

Camila Márdila, 2019

Camila Márdila dos Remédios Evangelista (Taguatinga, Distrito Federal, 1988). Atriz. Com experiência no teatro, no cinema e na televisão, é reconhecida sobretudo por sua atuação premiada no filme Que Horas Ela Volta? (2015), dirigido por Anna Muylaert (1964).

Texto

Abrir módulo

Camila Márdila dos Remédios Evangelista (Taguatinga, Distrito Federal, 1988). Atriz. Com experiência no teatro, no cinema e na televisão, é reconhecida sobretudo por sua atuação premiada no filme Que Horas Ela Volta? (2015), dirigido por Anna Muylaert (1964).

O interesse de Camila pelas artes cênicas surge por volta dos dez anos. Apoiada pela mãe, ela começa a desenvolver a carreira durante a adolescência, ao fazer cursos de teatro em Brasília. Por viver em uma cidade-satélite, distante do núcleo da capital, esforça-se para conciliar a escola regular com a formação em artes, realizada no centro da cidade.

De 2006 a 2011, Camila estuda comunicação social na Universidade de Brasília (UnB). Durante o curso, produz a pesquisa O lapso em Beckett e Cortázar como processo de pensamento do sujeito dialógico bakhtiniano, fundamentada na ideia de que os sujeitos confirmam sua existência por meio de uma incontornável relação com o outro. O princípio do dialogismo torna-se uma das principais referências na pesquisa artística da atriz.

Camila participa, em 2011, do Núcleo de Pesquisa Resta Pouco a Dizer, criado pelos diretores teatrais Adriano Guimarães e Fernando Guimarães. Nesse ano, o núcleo produz uma ocupação Funarte, com o tema Teatro Visual – o que ainda não tínhamos visto?, no qual promove diálogos, palestras, performances e oficinas. Também em 2011, Camila participa do intercâmbio Rumos Itaú Cultural de Teatro, com a Cia. Teatro Autônomo. Na ocasião, é responsável pela redação dos materiais produzidos pelo grupo.

Para a atriz, há um caráter dialógico na atuação, que inclui mas não se restringe à interação direta com o público: os diversos elementos que integram a cena, como fundo, luz, texto e vozes, devem ser tratados como interlocutores. Ela coloca em prática essa visão da produção artística ao desenvolver pesquisas no grupo Áreas Coletivo, no Rio de Janeiro, a partir de 2012. O coletivo é formado pelas atrizes Liliane Rovaris, Maria Sílvia Siqueira Camposa e Miwa Yanagizawa (1965).

A pesquisa acadêmica de Camila dá origem à oficina Estudo para o Ator, que ela produz em parceria com a atriz Miwa Yanagizawa. Fundamentando-se em exercícios de observação, improviso e conversas, a oficina propõe aos atores ampliar a compreensão do pensamento estético e ético das artes cênicas, ao conceber o trabalho em cena como uma prática fundamentalmente dialógica, caracterizada pelas relações com o outro.

Em 2015, a atriz ganha notoriedade ao interpretar a personagem Jéssica Ferreira no filme Que Horas Ela Volta?. Jéssica é filha da empregada doméstica Val [Regina Casé (1954)]. Destemida, ela questiona as estruturas de poder da casa e ultrapassa a área reservada aos empregados: ocupa o quarto de hóspedes, serve-se do sorvete de Fabinho [Michel Joelsas (1995)], filho dos patrões Bárbara [Karine Teles (1978)] e Carlos [Lourenço Mutarelli (1964)], e usa a piscina, provocando a ira da patroa. Essa nova moradora traz à tona diferenças sociais veladas existentes na casa. O filme estreia em 2015 no Festival de Sundance (Estados Unidos), e Camila Márdila ganha, com Regina Casé, o prêmio de melhor atriz.

Com o intuito de fazer das artes cênicas um lugar de encontro entre corpos e artefatos, atores e público, Camila Márdila continua a desenvolver sua carreira investindo na pesquisa e na prática do dialogismo teatral, exercitando-a em diferentes modalidades de atuação.

Mídias (1)

Abrir módulo
Camila Márdila – Série Cada Voz (2020)
Camila Márdila conta sobre o início de sua carreira, o interesse genuíno pela profissão de atriz, a rotina corrida com a realização de cursos de atuação desde a infância e a surpresa dos pais – apesar do apoio incondicional – com sua dedicação e determinação.

Ela também traz uma reflexão sobre o espaço ocupado pela mulher no mundo e dentro de seu meio, recordando seu discurso durante a premiação no Festival de Sundance. Na perspectiva da atuação, ela explica seu trabalho como uma ferramenta capaz de construir pontes ao oferecer para o público histórias que pertencem ao mundo.

ITAÚ CULTURAL

Presidente Alfredo Setubal
Diretor Eduardo Saron
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Produção de conteúdo: Camila Nader
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Produção audiovisual: Letícia Santos
Edição de conteúdo acessível: Richner Allan
Direção, edição e fotografia: Marcus Leoni
Assistência e montagem: Renata Willig
Assistência de fotografia: Martha Salomão

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: