Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Alexandre Araújo Bispo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.01.2021
1973 Brasil / São Paulo / São Paulo
Alexandre Araujo Bispo (São Paulo, São Paulo, 1973). Antropólogo, cientista social, crítico de arte, curador, pesquisador e produtor cultural. A principal característica de seus trabalhos é a discussão sobre o patrimônio material e imaterial da população negra e camadas populares do Brasil, que leva em conta temas como cultura urbana, arte afro-...

Texto

Abrir módulo

Alexandre Araujo Bispo (São Paulo, São Paulo, 1973). Antropólogo, cientista social, crítico de arte, curador, pesquisador e produtor cultural. A principal característica de seus trabalhos é a discussão sobre o patrimônio material e imaterial da população negra e camadas populares do Brasil, que leva em conta temas como cultura urbana, arte afro-brasileira e as relações entre memória, comportamento, arquivos e sociedade.

Em 2006, forma-se em ciências sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). De 2005 a 2008, trabalha como produtor cultural no Museu Afro Brasil, em São Paulo. Lá, entra em contato com a curadoria do museólogo Emanoel Araújo (1940) e é indiretamente influenciado pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi (1914-1992), que inspirou diversas produções do museólogo.

A partir de 2010, integra o grupo de pesquisa Coletivo ASA ⎼ Artes, Saberes e Antropologia, na USP/CNPq, liderado pela professora Fernanda Arêas Peixoto (1960), do Departamento de Antropologia da universidade. Criado em 2009, o grupo trabalha com temas como modernismos, artes do fazer, movimentos sociais, memórias, políticas culturais e fotografia.

De 2010 a 2016, escreve regularmente para a revista Omenelick 2º Ato e compõe seu conselho editorial. A revista tem como principal finalidade a valorização da produção cultural e artística da diáspora negra, sobretudo no Brasil. É nessa área do conhecimento que Alexandre Bispo demarca sua contribuição, ao resgatar produções de artistas negros pioneiros, consideradas fundamentais para o entendimento da arte brasileira.

Em seus textos, análises históricas acionam os conceitos de arte, cidade e memória, como ocorre em Mãe Preta (2011), que trata da escultura de Júlio Guerra (1912-2001). A obra foi tombada pelo CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo). No texto, o antropólogo discute o esforço de militantes negros, na década de 1920, de convencer o Estado a criar uma escultura que representasse a importância de seus antepassados na construção da nação.

A primeira curadoria de Alexandre, intitulada Vontade de saber: erotismo (2008), realizada no Espaço dos Sátiros, em São Paulo, aborda a arte erótica, partindo da obra História da Sexualidade: A Vontade de Saber, de Michel Foucault (1926-1984), e de seu interesse pelo corpo, pela cultura como universo simbólico, pela sexualidade e pela  questão da memória.

Algumas exposições de Alexandre Bispo abordam questões étnico-raciais e a arte afro-brasileira. Em Negro Imaginário (2008), realizada no Espaço Maquinaria, em São Paulo, discute a construção cultural de estereótipos negros na sociedade brasileira. Na curadoria AfroRetratos (2012), realizada a partir da série homônima da artista Renata Felinto (1978), no espaço Track Towers, em São Paulo, a discussão se concentra na modalidade artística do autorretrato como uma forma de autoconhecimento, de reconhecimento das diferenças, construção de identidades e fortalecimento da figura feminina negra.

Suas curadorias também demonstram seu interesse por arquivos, acervos e colecionismos. Na exposição Gabinete Clóvis Moura (2011), realizada na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, o curador organiza o ambiente de forma que se assemelhe a um gabinete, usando uma coleção de livros pertencentes a Clóvis Moura, intitulada Biblioteca Preta. Em Medo, Fascínio e Repressão na Missão de Pesquisas Folclóricas 1938-2015 (2015-2016), no Centro Cultural São Paulo, Alexandre Bispo trabalha com o prestigiado acervo da Missão de Pesquisas Folclóricas, organizado por Mário de Andrade (1893-1945), que realizou viagens pelo Nordeste e documentou a cultura popular dessa região. A partir desses registros históricos, Alexandre constrói  a exposição, lançando um novo tema para a Missão de Pesquisas Folclóricas: a violência estatal contra as religiões afro-brasileiras.

Na exposição SESC Bertioga: 70 anos à Beira Mar (2018-2019), no Sesc Bertioga, Alexandre  aborda a relação entre trabalho e descanso, partindo da pesquisa sobre uma colônia de férias criada em 1948, em um contexto histórico no qual a discussão sobre direitos trabalhistas e o direito a férias eram questões emergentes. O curador constrói a exposição com um acervo documental.

Como curador educativo, trabalha nas exposições Todo Poder ao povo: Emory Douglas e os Panteras Negras (2017), no Sesc Pinheiros, e Bienal Naïfs do Brasil (2018), no Sesc Piracicaba. Atua também como coautor dos livros Vida e grafias: narrativas antropológicas, entre biografia e etnografia (2015) e Ciudades sudamericanas como arenas culturales (2016). Em 2018, compõe o grupo de crítica de artes visuais do Centro Cultural São Paulo (CCSP).

Através da escrita e de suas curadorias, Alexandre Bispo cria um trabalho interdisciplinar, transitando entre arte e ciências sociais e abordando temáticas de crescente discussão, como as questões étnico-raciais, a arte afro-brasileira e a produção cultural.

 

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BISPO, Alexandre Araujo. Alexandre Bispo. Crato, Ceará: [s.n.], 2018. Entrevista concedida a Francisca Edivania Barros Gonçalves, pesquisadora do verbete para a Enciclopédia de Artes Visuais do Itaú Cultural.
  • BISPO, Alexandre Araujo. Borrando os limites da cor: negros e brancos na Pinacoteca de São Paulo. In: Metrópole: Experiência Paulistana. CHIARELLI, Tadeu (Curadoria) 2017. p. 47-77.
  • BISPO, Alexandre Araújo. Currrículo do sistema de currículos Lattes. [Brasília]. 09 jul. 2019. Disponível em: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4469293E5. Acesso em: 19 set. 2019
  • REVISTA Contemporary And América Latina. Disponível em: http://amlatina.contemporaryand.com. Acesso em: 15 dez. 2018

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: