Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural

Jorge Ileli

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.01.2020
1925 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
2003 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Jorge Miguel Ileli (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,  1925 – Idem, 2003). Diretor, roteirista, produtor, livreiro, crítico. Em 1949, escreve críticas de cinema na revista Diretrizes. Escreve também para A Cigarra, Última Hora e Jornal de Cinema, entre outros. Em 1949, é assistente de direção e roteirista do inacabado Aglaia, de Ruy Santos (1916-1...

Texto

Abrir módulo

Jorge Miguel Ileli (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,  1925 – Idem, 2003). Diretor, roteirista, produtor, livreiro, crítico. Em 1949, escreve críticas de cinema na revista Diretrizes. Escreve também para A Cigarra, Última Hora e Jornal de Cinema, entre outros. Em 1949, é assistente de direção e roteirista do inacabado Aglaia, de Ruy Santos (1916-1989). Realiza, na produtora Atlântida, o policial Amei um Bicheiro (1952), que escreve e codirige com Paulo Vanderley (1903-1973), sucesso de público e crítica.

Também com Paulo Vanderley, produz e escreve Carnaval em Caxias (1954). Em 1961, dirige Mulheres e Milhões e inicia a pesquisa para a produção do documentário O Mundo em que Getúlio Viveu, sobre o ex-presidente Getúlio Vargas (1882-1954). Finalizado às vésperas do Golpe de 1964, o diretor resolve adiar o lançamento da película. 

Em 1968, funda a Entrefilmes, pela qual produz Juliana do Amor Perdido (1970), dirigido pelo primo Sérgio Ricardo (1932), e realiza Viver de Morrer (1972). Faz para o Instituto Nacional de Cinema (INC) os curtas documentais Carmen Miranda (1969), O Brasil na Guerra (1969) e Uma Cruz na Estrada (1970). Em 1976, aproveitando a abertura do governo Geisel e a liberação de outros documentários sobre Getúlio Vargas, lança O Mundo em que Getúlio Viveu.

Abre, em 1966, a rede de livrarias Entrelivros, sucedida em 1977 pela também editora e distribuidora Unilivros, que lhe garantem o sustento. Lança seu último filme em 1981, Aracely, Meu Amor, adaptação do livro de José Louzeiro (1932).

Análise

O cineasta, influenciado por diretores como os norte-americanos Jules Dassin (1911-2008) e John Huston (1906-1987)1, encontra no gênero policial a forma para trabalhar temas tipicamente brasileiros. Seu principal filme, Amei um Bicheiro, retrata o drama de um rapaz que vive do jogo do bicho, atividade ilegal. Ileli e Vanderley mesclam procedimentos do filme noir, como a luz recortada e a femme fatale, e outros clichês do filme de gângster.

Seus dois longas de ficção seguintes repetem os mesmos procedimentos. Mulheres e Milhões acompanha assaltantes de bancos e Viver de Morrer, fraudadores de seguros de vida. Em seus filmes, percebe-se a condenação da criminalidade pela moral de que o “crime não compensa”. Porém, Ileli vê o crime como um problema social e não meramente policial. Seus protagonistas são pessoas que não encontram outra forma de sobreviver e a redenção cabe apenas a eles próprios – portanto, não surpreende o fato de que a polícia não tem, nos filmes de Ileli, nenhum protagonismo.

Como afirma o crítico Ely Azeredo, Ileli é “cineasta urbano, inconformado com a inversão de valores, empenhado em focalizar as fragilidades humanas sem o biombo de pretextos ideológicos fáceis de decorar”2.

Notas

1.  AZEREDO, Ely. Jorge Ileli: o suspense de viver. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010. p. 151-152.

2. AZEREDO, Ely. O cinema urbano de Jorge Ileli. In: Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 24, p.29-37, 1973.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • ARAÚJO, Luciana. Ileli, Jorge. In: RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2004. p. 297-298.
  • AZEREDO, Ely. Em memória do cinema de Jorge Ileli. In: O Globo, Rio de Janeiro, 2 jun. 2011. Segundo Caderno, p. 4.
  • AZEREDO, Ely. Jorge Ileli: o suspense de viver. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.
  • AZEREDO, Ely. O cinema urbano de Jorge Ileli. In: Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 24, p.29-37, 1973.
  • MELO, Rosana A. Cardoso de. O cinema de Jorge Ileli. Rio de Janeiro: Unilivros, 1988.
  • ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: