Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Gabriela Amaral Almeida

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.11.2019
1980 Brasil / São Paulo / São Paulo
Gabriela Amaral Almeida (São Paulo, São Paulo, 1980). Diretora de cinema, roteirista. Seus filmes apresentam questões sociais e dramas individuais em atmosfera de terror, discutindo incômodos humanos por meio da fantasia.

Texto

Abrir módulo

Gabriela Amaral Almeida (São Paulo, São Paulo, 1980). Diretora de cinema, roteirista. Seus filmes apresentam questões sociais e dramas individuais em atmosfera de terror, discutindo incômodos humanos por meio da fantasia.

Gabriela forma-se em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia (Ufba) em 2003 e, em seguida, na pós-graduação, dedica-se a pesquisas sobre literatura e cinema de horror, sobretudo à construção da atmosfera de medo e suspense nos livros do escritor estadunidense Stephen King (1947). Em 2007, forma-se em roteiro na Escuela Internacional de Cine y TV (Eictv), em San Antonio de los Baños, Cuba. 

O interesse pelo terror, desenvolvido em sua pesquisa, está presente de maneira variada no trabalho da diretora, iniciado com curta-metragens. Em A Mão que Afaga (2011), Gabriela constrói o clima de suspense do filme valendo-se de baixa iluminação, poucos diálogos entre personagens e a figura de um homem fantasiado de urso, contratado por uma atendente de telemarketing [Luciana Paes (1980)] para a comemoração em casa do aniversário do filho. O curta, entretanto, não institui o terror como fundamento da narrativa: o fim da história é marcado mais pela incômoda solidão da protagonista do que por um término aterrorizante ou violento.

Em Estátua! (2014), a diretora também trabalha com sentimentos como pena e angústia, mas dessa vez define o medo como ponto central da narrativa. Nesse curta, Isabel [Maeve Jinkings (1976)] começa a trabalhar como babá da pequena Joana [Cecília Toledo]. A mãe da criança viaja a trabalho e deixa as duas sozinhas no apartamento. A menina torna-se possessiva, além de demonstrar agressividade. O espectador se penaliza pela solidão da criança, ao mesmo tempo em que descobre, com Isabel, estranhas situações que envolvem a pequena personagem.

Os trabalhos de Gabriela trazem, com frequência, o medo associado à descoberta. A narrativa leva o espectador a conhecer diferentes facetas dos personagens ao mesmo tempo que eles, quando exposto a situações extremas, se descobrem. Dramas sociais e individuais provocam desconforto, e é essa sensação que produz o terror, fazendo das obras da diretora o encontro de medos humanos com a fantasia.

Em longas-metragens, Gabriela dirige O Animal Cordial (2017), pelo qual recebe, em 2018, o prêmio de melhor direção no Festival de Cinema Fantástico de Porto Alegre (Fantaspoa). No filme, durante o assalto a um restaurante, o dono do estabelecimento, Inácio [Murilo Benício (1972)], rende os dois criminosos e atira em um deles. Nesse momento, a narrativa surpreende: os papéis se invertem, e Inácio, com a ajuda da garçonete Sara [Luciana Paes], torna reféns os poucos clientes do local, um funcionário da cozinha e os bandidos.

O longa associa o terror à violência e ao medo da morte física, seguindo o subgênero de terror conhecido como slasher, caracterizado por um personagem psicopata que elimina suas vítimas no decorrer da narrativa. Inácio passa o resto da noite criando uma atmosfera de medo para seus reféns, que não sabem como e quando serão assassinados. 

Segundo Gabriela, o filme é uma alegoria política da sociedade que narra o desejo pela violência contra o que é diferente. Os personagens presentes no restaurante são arquétipos sociais que, durante a noite, estabelecem oposições entre si e criam a necessidade de afirmação de forças. Constata-se ao longo do filme a reprodução de preconceitos como homofobia e racismo, além da desigualdade social que divide clientes e empregados.

O Animal Cordial é a construção do terror cotidiano, a partir do qual Gabriela, sem maniqueísmos, amplifica sensações mundanas, tendo a violência como possibilidade de o ser humano lidar com situações de pressão. Assim como nos curtas-metragens, a narrativa do filme se constrói sobre as descobertas dos personagens, especialmente de Sara, que se conhece e leva o espectador a conhecê-la por meio da violência e da realização de seus desejos. 

Em A Sombra do Pai (2017), a diretora traz o sobrenatural para contar a história de Dalva [Nina Medeiros] e a relação com seu pai Jorge [Julio Machado (1981)] após a morte da mãe. A menina solitária diante da indiferença do pai, incapaz de manifestar tristeza pela perda da esposa, acredita ser possível trazer a mãe de volta à vida.

A narrativa leva o espectador a questionar se Dalva tem poderes sobrenaturais ou se os acontecimentos misteriosos são frutos de sua imaginação infantil. A descoberta se coloca mais uma vez como pano de fundo das histórias de Gabriela: a menina precisa se adaptar à ausência da mãe e assumir responsabilidades da vida adulta, e seu pai, mostrar suas fragilidades diante do luto.

O tema emocional e aterrorizante exige de Gabriela a construção de dois roteiros: um completo para os atores adultos, outro exclusivo para Nina Medeiros, com linguagem acessível, para que a atriz mirim construa sua personagem como parte de uma brincadeira. A atuação da criança e sua personagem são elogiadas pela crítica.

Gabriela trabalha a fantasia como possibilidade para potencializar medos humanos, mas sem perder o horizonte da realidade. Seus filmes criam uma atmosfera de suspense e causam incômodo ao espectador para que ele identifique nos personagens os próprios estranhamentos do meio social em que vive. 

Exposições 1

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Gabriela Amaral Almeida - Série Encontra - Arte 1 (2019)
A diretora de cinema Gabriela Amaral Almeida recebe Gisele Kato em sua casa e conta sobre sua formação desde a infância assistindo a filmes na TV aberta e aprendendo a ler com as obras de Stephen King. A produção de “cinema de medo”, como ela chama, é capaz de gerar empatia e funciona como termômetro da realidade.

Ela mostra seus cadernos com ilustrações, que a auxiliam em suas produções, em consonância com o hábito de escrever neles seus projetos, em contraponto à seriedade exigida pela escrita no computador.

A Enciclopédia Itaú Cultural apresenta a série Encontra, produzida pelo canal Arte 1. Em um bate-papo com Gisele Kato, o público é convidado a entrar nas casas e ateliês dos artistas, conhecendo um pouco mais sobre os bastidores de sua produção.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Arte 1
Direção: Gisele Kato/ Ricardo Sêco
Produção: Yuri Teixeira
Edição: Tauana Carlier

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: