Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Baby do Brasil

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 11.10.2019
1952 Brasil / Rio de Janeiro / Niterói
Bernadete Dinorah de Carvalho Cidade (Niterói, Rio de Janeiro, 1952). Cantora, compositora. Começa a tocar violão e cantar na infância. Aos 14 anos, vence um festival de música em Niterói. Aos 17, vai para Salvador, onde conhece o guitarrista Pepeu Gomes (1952) – futuro marido e parceiro musical – e os compositores Moraes Moreira (1947), Luiz Ga...

Texto

Abrir módulo

Bernadete Dinorah de Carvalho Cidade (Niterói, Rio de Janeiro, 1952). Cantora, compositora. Começa a tocar violão e cantar na infância. Aos 14 anos, vence um festival de música em Niterói. Aos 17, vai para Salvador, onde conhece o guitarrista Pepeu Gomes (1952) – futuro marido e parceiro musical – e os compositores Moraes Moreira (1947), Luiz Galvão (1937) e Paulinho Boca de Cantor (1946). Ao lado deles, atua no espetáculo O Desembarque dos Bichos Depois do Dilúvio Universal, embrião do grupo Novos Baianos. Integra o conjunto como cantora, além de tocar afoxé, triângulo e maracas. Nessa época, adota o nome artístico Baby Consuelo. Atua nos filmes Rebelião dos Brutos (1969), de Giovanni Fago (1931); Caveira, My Friend (1970), de Alvaro Guimarães e Genesis 2000 (1970).

Em 1978, segue carreira solo. Obtém sucesso com a canção “Menino do Rio” de Caetano Veloso (1942), tema de abertura da novela Água Viva (1980), da Rede Globo. Participa do Festival de Montreux (Suíça) em 1980. Em 1982, protagoniza a personagem Emília no especial Pirlimpimpim, também da Rede Globo. Em parceria com Pepeu, compõe “Emília, A Boneca Gente” para o programa. Ainda nos anos 1980, tem experiências esotéricas que se refletem nos álbuns Canceriana Telúrica (1981), Cósmica (1982) e Kryshna Baby (1984). Em 1985, participa do Rock In Rio e lança o hit “Sem Pecado e Sem Juízo”, em álbum homônimo, trilha da novela Roque Santeiro (1985), da Rede Globo.

Separada de Pepeu, grava Ora Pro Nobis (1991). Interrompe a carreira para percorrer o caminho de Santiago de Compostela (Espanha), publicando o livro Peregrina: Meu Caminho no Caminho (1995), com o nome artístico Baby do Brasil. Participa do disco e da turnê Infinito Circular (1997), reencontro dos integrantes dos Novos Baianos. No mesmo ano lança Um, com participação das filhas Sarah Sheeva, Nãna Shara e Zabelê, que formam o trio SNZ.

Em 1999, começa a frequentar a igreja evangélica Sara Nossa Terra e funda o Ministério do Espírito Santo de Deus em Nome de Jesus, denominando-se uma “popstora”, uma pastora pop. Lança os álbuns gospel Exclusivo Para Deus (2000) e Geração Guerreiros do Apocalipse (2011). Volta aos palcos não religiosos em 2014 com a turnê Baby Sucessos, produzida pelo filho, o guitarrista Pedro Baby. Apresenta-se ao lado dos antigos parceiros Pepeu Gomes (2015) e Novos Baianos (2016).

Análise

Baby do Brasil demonstra notável capacidade de se reinventar. Integrante do Novos Baianos, filia-se à leitura brasileira dos movimentos de contracultura do final dos anos 1960, encarnando uma vanguarda artística tributária dos tropicalistas e modernistas. O grupo é transgressor na musicalidade – baseada na fusão do rock com ritmos brasileiros – e no comportamento – em plena ditadura, os integrantes escolhem viver em comunidade, embora não se reconheçam como hippies, mas como artistas profissionais. Única mulher do grupo, Baby dá vida a canções que contestam com irreverência os valores sociais vigentes, como o controle sobre o corpo feminino, em “Curto de Véu e Grinalda” (Moraes Moreira e Galvão, 1970).

No Novos Baianos, Baby encontra espaço para explorar o potencial como intérprete. Músicas como “Tinindo Trincando” e “A Menina Dança”, do álbum Acabou Chorare (1972), foram feitas para sua voz e constam de seu repertório até hoje. De seu legado no grupo, destaca-se o fato de ser a primeira mulher a cantar em um trio elétrico, no final dos anos 1970.

Moraes Moreira compara o timbre de voz de Baby ao da cantora estadunidense Janis Joplin (1943-1970), aliando sonoridades do jazz, do rock e do blues ao samba, choro e baião. Recorre a procedimentos jazzísticos de improvisação, como o scat singing, e utiliza a voz como um instrumento. A cantora é precisa na divisão rítmica, o que faz dela sucessora de Ademilde Fonseca (1921-2012) no choro cantado e uma das poucas intérpretes a colocar o gênero em evidência. Baby atualiza clássicos do choro, como “Apanhei-te Cavaquinho” [Ernesto Nazareth (1863-1934) e Darci de Oliveira (1905-1945)] e “Assanhado” [Jacob do Bandolin (1918-1969)]. 

Entre os anos 1980 e 1990, amplia o diálogo da MPB com pop-rock, não se limitando a um gênero musical específico. Além de gravar músicas de terceiros – como suas versões de “Todo Dia Era Dia de Índio” [Jorge Ben Jor (1942)] e “Eu e a Brisa” [Johnny Alf (1929-2010)] –, compõe com maior regularidade. Abrange canções românticas (“Sem Pecado e Sem Juízo”, “Um Auê Com Você”), composições voltadas ao público infantil e outras que evidenciam seu lado místico. O último álbum de estúdio antes de se dedicar ao gospel é marcado pelo funk e pelo swing, com influências do DJ e compositor estadunidense Dave Harris (1971), em versões de Baby para as músicas “Sexy, Sexy”, “Baby Toque” e “Love Sex Phone”.

Nos anos 2000, com a conversão ao protestantismo, sua performance passa por mudanças. Algumas referências são diretas, como a alteração de “dragão tatuado no braço”, da letra da canção “Menino do Rio”, para “Jesus forever tatuado no braço”. Em apresentação no Rock In Rio 2015, Baby estampa a inscrição numa barriga postiça, aludindo à sua participação do festival 20 anos antes, quando se apresenta grávida. Sinais sutis evidenciam-se no gestual, na fisionomia e na dicção, empregada à maneira exortativa dos spirituals, mesmo em canções do repertório anterior ao gospel. Embora com menor apelo à sensualidade, a cantora, que nas décadas anteriores causa impacto não apenas pela versatilidade musical mas também pelo visual extravagante, não se despoja do cabelo colorido e dos balangandãs, elementos constitutivos da identidade como “popstora”.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: