Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Musa Mattiuzzi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.07.2021
1983 Brasil / São Paulo / São Paulo
Musa Michelle Mattiuzzi (São Paulo, São Paulo, 1983). Performer, artista visual, escritora e pesquisadora. Trabalha sua arte de forma não convencional, de modo que o estranhamento sobre seu corpo negro está em constante embate com os padrões sociais, sendo ele o principal elemento polissêmico para constituir suas elaborações visuais por meio de ...

Texto

Abrir módulo

Musa Michelle Mattiuzzi (São Paulo, São Paulo, 1983). Performer, artista visual, escritora e pesquisadora. Trabalha sua arte de forma não convencional, de modo que o estranhamento sobre seu corpo negro está em constante embate com os padrões sociais, sendo ele o principal elemento polissêmico para constituir suas elaborações visuais por meio de performance, fotografia e vídeo.

Inicia sua experiência artística no teatro em 1990. Em 2009, forma-se em comunicação das artes do corpo com habilitação em performance pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Em seguida, muda-se para Salvador, Bahia.

Por meio da performance, Mattiuzzi experimenta novas possibilidades de recriar seu corpo em circunstâncias que geram fragilidades e impermanências no entorno, adentrando os circuitos artísticos que historicamente exclui as narrativas não hegemônicas. A tensão propositalmente gerada por seu trabalho pela presença do seu corpo feminino negro, gordo e nu, que diverge do corpo esteticamente aceito socialmente, causa no público uma relação de desconforto sobre sua figura, especialmente nas performances com perfurações corporais e sangue.

As produções de Michelle Mattiuzzi apresentam seu corpo negro feminino em exibição pública como principal elemento de suas criações, acionando discussões sobre os padrões raciais, de gênero, sexualidade e religião, e sobre como esses aspectos podem culminar em violências.

Em 2010, desenvolve a performance Merci, Beaucoup, Blanco!, em que a artista se apresenta nua, calçando um sapato de salto alto, e é conduzida ao espaço da ação por uma pessoa que a puxa por uma corrente presa ao pescoço. Na face, utiliza uma máscara feita com um ralo de pia, com sangue escorrendo da boca. Em seguida, pinta-se ritualisticamente com tinta branca e cria imagens de seu corpo em movimento sobre um banco. Por fim, apresenta um texto-manifesto no qual desenvolve uma reflexão sobre o nome do trabalho.

A expressão francesa Merci beaucoup, blanco, usada como uma saudação de agradecimento, é aplicada pela artista para questionar a violência expressa na linguagem formal. Utiliza a exibição pública e a espetacularização do seu corpo como uma estratégia de confronto poético e cria narrativas políticas acerca da sua existência enquanto mulher negra. O trabalho, que traz em sua concepção discussões pós-colonialistas, gera experiências estéticas dentro da ficção da fotografia, do vídeo e da ação ao vivo. 

Consolida seus trabalhos com interferências públicas durante o 3º Festival de Intervenções e Artes do Recôncavo (Fiar), realizado em 2012, no qual coloca em  jogo seu corpo diante do desconhecido, em que sua presença é modificadora de sentidos, manipulando representações entre a cor da sua pele e as possíveis associações sobre seu corpo feminino negro. 

Entre 2012 e 2013 colabora com os coletivos Grupo de Interferência Ambiental (GIA), formado na Bahia, e Opavivará, no Rio de Janeiro, que realizam ações em locais públicos e privados, com linguagens hibridizadas, propondo outros modos de ocupação do espaço urbano pela criação de dispositivos que proporcionam experiências coletivas.

Embora o cerne de sua produção seja a performance como uma ação ao vivo, Mattiuzzi investiga seus desdobramentos por meio da fotoperformance, como ocorre em Experimentando o Vermelho em Dilúvio (2013), fotografias que registram a artista praticando o método de gotejamento chinês, usado como recurso para torturar pessoas.

Em sua fotoperformance Terrorismo Poético, Caos, Processo Compartilhado (2012), série desenvolvida em parceria com os artistas Alex Oliveira e Paulo Nazareth (1977), Mattiuzzi manipula sobre seu corpo nu objetos como pimentas, cartazes, máscara de coelho e uma capa vermelha, numa recriação inversa de possíveis personagens associados ao imaginário dos contos infantis, em que são recorrentes o coelho e a capa da Chapeuzinho Vermelho. Os elementos manipulados e apresentados de maneira invertida (o corpo de costas e a máscara de frente) desafiam preceitos cristãos, pois podem se referir a outras religiosidades como os Exus da umbanda, e geram rupturas e estranhezas.

Em 2016 é convidada a participar da 32ª Bienal de São Paulo e ministra a Oficina de Imaginação Política, com o tema Performance Negra: Experiência Política nos Espaços de Arte, na qual propõe o uso dessa linguagem como ferramenta para a criação de contranarrativas, numa perspectiva de descolonização que se assemelha a uma guerrilha de saberes.

Volta a explorar o campo audiovisual com seu premiado filme Experimentando o Vermelho em Dilúvio II (2016), que surge da ação performática realizada ao vivo: uma caminhada ritual até a estátua de Zumbi dos Palmares, no centro da cidade do Rio de Janeiro, pensando nos corpos racializados marcados pela colonialidade numa perspectiva de reativar memórias e conhecimentos da ancestralidade negra. Esse trabalho é exibido na exposição Histórias Afro-Atlânticas (2018), iniciativa do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e do Instituto Tomie Ohtake.

A produção da Musa Michelle Mattiuzzi, enquanto performance, leva muitas vezes ao estranhamento e incômodo do público por tratar da violência a qual os corpos negros estão submetidos. Sua obra audiovisual contribui para a construção de memórias das artes no Brasil, enquanto objeto de resistência e questionamentos.

Exposições 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: