Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Guilherme Arantes

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.10.2019
1953 Brasil / São Paulo / São Paulo
Guilherme Arantes (São Paulo, São Paulo, 1953). Cantor, compositor, pianista, tecladista, arranjador. Cresce no bairro paulistano da Bela Vista e, aos 4 anos de idade, aprende a tocar cavaquinho com o pai. Ao perceber o interesse do filho por instrumentos musicais, presenteia-o com um bandolim e, depois, um piano.

Texto

Abrir módulo

Guilherme Arantes (São Paulo, São Paulo, 1953). Cantor, compositor, pianista, tecladista, arranjador. Cresce no bairro paulistano da Bela Vista e, aos 4 anos de idade, aprende a tocar cavaquinho com o pai. Ao perceber o interesse do filho por instrumentos musicais, presenteia-o com um bandolim e, depois, um piano.

Na adolescência, forma o grupo O Polissonante com o ator Kadu Moliterno (1952). Ingressa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), mas abandona o curso para dedicar-se à música. Em 1969, inicia a carreira profissional no grupo de rock progressivo Moto Perpétuo, com o qual grava um LP em 1974, assinando a composição de nove músicas do álbum. 

Dois anos depois, grava seu primeiro disco solo pela Som Livre, Guilherme Arantes (1976). Uma das faixas do álbum, “Meu Mundo e Nada Mais”, é incluída na trilha sonora da novela Anjo Mau (1976), da Rede Globo. Seu segundo trabalho, Ronda Noturna (1977), alcança sucesso com a canção “Amanhã”, tema da personagem de Sonia Braga (1950) na novela Dancin’ Days (1978). Com o reconhecimento público, passa a ter diversas canções incluídas em trilhas sonoras de novelas.

O artista participa do projeto alternativo Coração Paulista (1980), em parceria com Arnaldo Baptista (1948) e Lucinha Turnbull (1953). O álbum abre caminho para que Elis Regina (1945-1982) peça-lhe composições para gravar. Alguns dias depois, Guilherme envia à cantora a música “Aprendendo a Jogar”. Elis inclui a canção no LP Elis (1980), no qual também registra outra composição do compositor, “Só Deus É Quem Sabe”.

Em 1981, participa do Festival MPB-Shell com “Planeta Água”, canção com temática ecológica, que se classifica em segundo lugar. A música é bastante executada nas rádios.

Em 2000, muda-se para a Barra do Jacuípe, no município de Camaçari, Bahia, onde monta o estúdio e a pousada Coaxo do Sapo. Em 2013, grava o 26º disco de sua carreira, Condição Humana (Sobre o Tempo), que conta, na faixa “Onde Estava Você”, com um coro de vozes formado por artistas da nova geração, como Curumin (1976), Tulipa Ruiz (1978), Mariana Aydar (1980), Thiago Pethit (1987) e Tiê (1980).

Análise

Desde o primeiro disco solo, Guilherme Arantes consagra-se como compositor de sucessos, graças às músicas incluídas em trilhas sonoras de novelas. As canções influenciam a formação de hits nos anos 1970 e 1980, período de expansão da televisão em rede nacional. Ao todo, o artista tem 25 canções incluídas em trilhas de telenovelas e especiais infantis, como “Lindo Balão Azul”, em Pirlimpimpim (1982), e “Xixi nas Estrelas”, parceria com Paulo Leminski (1944-1989), em Pirlimpimpim II (1984).

Influenciado por cantores como Roberto Carlos (1941), Guilherme Arantes divide espaço no cenário pop brasileiro com outros artistas românticos, como Fábio Júnior (1953). O diferencial é o fato de ser pianista. Frequentemente comparado ao inglês Elton John (1947) e influenciado pela canção “My Life”, do americano Billy Joel (1949), o brasileiro entra em sintonia com a música pop internacional e faz dessa referência sua marca registrada.

Concentra-se em criar canções de amor ao som bem marcado do piano e compõe músicas como “Deixa Chover”, sucesso como tema da personagem de Betty Faria (1941) em Baila Comigo (1981). A música segue a fórmula das composições de Guilherme Arantes: o uso excessivo do piano, característico da época, acompanha a voz curta, mas bem colocada, que profere versos como:

As pessoas sempre têm
Chance de jogar
De novo e errar
Ver o que convém
Receber alguém
No seu coração
Ou não
Infelizmente nem tudo é
Exatamente como a gente quer

Frequentador assíduo de programas de auditório, Guilherme Arantes chega ao reconhecimento de artistas como Elis Regina, que grava dele as músicas “Aprendendo a Jogar” e “Só Deus é Quem Sabe”. A cantora interessa-se pelas letras do compositor por expressarem uma visão feminina de mundo. Essa particularidade deve-se, segundo o músico, ao fato de ser criado por mulheres e à influência que recebe de Chico Buarque (1944), Vinicius de Moraes (1913-1980), Tom Jobim (1927-1994) e Roberto Carlos, compositores que se dedicam às temáticas do feminino. 

O músico é também um dos primeiros integrantes do cenário pop brasileiro a falar sobre ecologia, quando o assunto não é tão popular. A canção “Planeta Água”, apresentada no Festival MPB-Shell, em 1981, obtém grande repercussão, executada em rádios e programas de TV.

A partir dos anos 2000, Guilherme Arantes é saudado como ídolo cult pela nova geração de artistas. Ele é apontado, por exemplo, como uma das principais influências do cantor, sanfoneiro e pianista paulistano Marcelo Jeneci (1982). Sua obra também tem sido revisitada por jovens cantoras, como Bruna Caram (1986), que grava “Cuide-se Bem” em 2009, e Céu (1980), que interpreta “Planeta Água” em 2011.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • DICIONÁRIO CRAVO Albin da Música Popular Brasileira. Guilherme Arantes. Disponível em: www.dicionariompb.com.br. Acesso em: 12 jul. 2013
  • GUILHERME ARANTES. Site do artista. Disponível em: www.guilhermearantes.com. Acesso em: 15 ago. 2013
  • NOGUEIRA, Lígia. De brega a cult. Revista Status, São Paulo, 8 jun. 2013. Disponível em: http://www.revistastatus.com.br/2013/06/08/de-brega-a-cult/. Acesso em: 21 set. 2013.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 2: 1958-1985). São Paulo: Editora 34, 1998. (Coleção Ouvido Musical).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: