Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Walter Burle Marx

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.05.2019
1902 Brasil / São Paulo / São Paulo
1990 Estados Unidos / Ohio / Akron
Walter Burle Marx (São Paulo,São Paulo, 1902 - Akron, Estados Unidos Da América, 1990). Pianista, regente, compositor e professor. Irmão do paisagista Roberto Burle Marx (1909-1994), inicia os estudos de piano com a mãe, aos 4 anos. Em seguida, recebe orientação de Luigi Chiaffarelli (1856-1923), em São Paulo, e de Henrique Oswald (1852-1931), n...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Walter Burle Marx (São Paulo,São Paulo, 1902 - Akron, Estados Unidos Da América, 1990). Pianista, regente, compositor e professor. Irmão do paisagista Roberto Burle Marx (1909-1994), inicia os estudos de piano com a mãe, aos 4 anos. Em seguida, recebe orientação de Luigi Chiaffarelli (1856-1923), em São Paulo, e de Henrique Oswald (1852-1931), no Rio de Janeiro, para onde se muda em 1914. Menino-prodígio, dá o primeiro recital público aos 10 anos. Em 1921, transfere-se para a Europa, onde fica até 1929. Aperfeiçoa-se na Hochschule für Musik de Berlim, no Conservatório de Basileia [onde estuda regência com o austíaco Felix Weingartner (1863-1942)] e na Royal Academy of Music, em Londres. Regressa ao Brasil em 1930, quando estreia como regente, dirigindo concertos com a cantora Bidu Sayão (1902-1999) e os pianistas Alexander Brailowski (1896-1976) e Guiomar Novaes (1894-1979). No ano seguinte, cria a Filarmônica do Rio de Janeiro, que dura até 1933. Como convidado, rege orquestras internacionais, como as filarmônicas de Hamburgo, Berlim e Munique, na Alemanha, e, nos Estados Unidos, a Filarmônica de Nova York, Orquestra Sinfônica Nacional de Washington, Orquestra de Cleveland, Sinfônica de Detroit e Sinfônica da NBC. Dirige o Teatro Municipal do Rio de Janeiro entre 1946 e 1949, transferindo-se, em seguida, para os Estados Unidos. Lá, dedica-se à composição e ao ensino, lecionando, entre 1952 e 1977, na Settlement Music School, Filadelfia. Em 1987, é criada a Burle Marx Music Society, nos Estados Unidos, para promover sua música e a de outros compositores das Américas.

Comentário crítico
Amigo de Heitor Villa-Lobos (1887-1959) e divulgador da música brasileira, Burle Marx tem seu talento como regente reconhecido na década de 1930. Sob sua direção, a Filarmônica do Rio de Janeiro realiza 60 estreias brasileiras, incluindo a primeira performance sul-americana da Nona Sinfonia do compositor alemão Ludwig van Beethoven (1770-1827).

Uma contusão no ombro, em 1944, interrompe a carreira de regente, fazendo-o voltar-se para a composição. Produz mais de 80 obras, incluindo concertos, peças para violão solo [dedicadas ao amigo Andrés Segovia (1893-1987)] e música de câmara. Sua obra é frequentemente inspirada pelo folclore nacional, com especial atração pelas religiões afro-brasileiras. Já a  ligação com os Estados Unidos se traduz em um ciclo de canções americanas. Produz quatro sinfonias: Poema Sinfônico em Homenagem a Bach (n. 1, 1945), Sinfonia Brasiliana (n. 2, 1950, dedicada a Villa-Lobos), Impressões de Macumba (n. 3, 1953, dedicada a Roberto Burle Marx) e Sinfonia para Orquestra de Câmera (n. 4, 1972). 

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • AZEVEDO, Luiz Heitor Corrêa de. 150 Anos de Música no Brasil (1800-1950). Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.
  • AZEVEDO, Luiz Heitor Corrêa de. Música e músicos do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria-Editora da Casa do Estudante do Brasil, 1950.
  • CACCIATORE, Olga G. Dicionário biográfico de música erudita brasileira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998.
  • MARIZ, Vasco. História da música no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.
  • SADIE, Stanley (Ed.). The New Grove dictionary of music and musicians. London: Macmillan Publishers, 1995.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: