Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Léo Peracchi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.01.2017
1911 Brasil / São Paulo / São Paulo
1992 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Leo Peracchi (São Paulo, 1911 - Rio de Janeiro, 1993). Regente, arranjador, pianista, compositor. Filho de contrabaixista italiano, Memore Peracchi, ingressa no Instituto Musical Benedetto Marcello, dirigido por seu pai, onde se forma em piano e composição em 1927.

Texto

Abrir módulo

Biografia
Leo Peracchi (São Paulo, 1911 - Rio de Janeiro, 1993). Regente, arranjador, pianista, compositor. Filho de contrabaixista italiano, Memore Peracchi, ingressa no Instituto Musical Benedetto Marcello, dirigido por seu pai, onde se forma em piano e composição em 1927.

Profissionaliza-se regendo orquestras de cinema e tocando em diversos conjuntos, como na Orquestra Pianística, ou no Quinteto do Hotel Terminus, na Rádio Educadora Paulista. É maestro assistente da Associação Lírica Paulista, responsável pela montagem de óperas no Teatro Municipal.

Em 1936, torna-se pianista e maestro da Rádio Cosmos e, no ano seguinte, da Bandeirantes. Com a morte do pai, em 1938, assume a direção do Instituto, onde permanece até 1941, quando se muda para o Rio de Janeiro e é contratado pela Rádio Nacional.

Leciona piano, harmonia e orquestração, tendo entre seus alunos Artur Moreira Lima (1940) e Tom Jobim (1927-1994). Faz os arranjos de alguns filmes, como Maior que o Ódio (1951), de José Carlos Burle (1907-1983), e a direção musical de Amei um Bicheiro (1952), de Jorge Ileli (1925-2003) e Paulo Wanderley (1903-1973). No teatro, rege a orquestra na montagem de Orfeu da Conceição (1956), peça de Vinícius de Moraes (1913-1980), musicada por Tom Jobim.

Em 1953, faz os arranjos do LP Ary Barroso - Trio Surdina/ Leo Peracchi e sua Orquestra e também grava o LP Música de Champagne. Entre os discos instrumentais, constam Valsas Brasileiras – Zequinha de Abreu (1955), Exaltação ao Baião! (1957), Walt Disney na América do Sul (1958) e Festa de Boleros (1959). Como orquestrador acompanhante, destacam-se Caymmi e o Mar (1957), de Dorival Caymmi (1914 - 2008); Garoto Revive em Alta Fidelidade (1957); Carícia (1957), de Sylvia Teles (1934-1966); e Por Toda Minha Vida (1959), com canções de Vinícius de Moraes e Tom Jobim, interpretadas pela cantora Lenita Bruno (1926-1987).

Em 1959, viaja para Hollywood, em viagem patrocinada pelo Departamento de Divulgação da Música Brasileira do Itamaraty. Também à Europa, integrando a Segunda Caravana da União Brasileira de Compositores (UBC). No mesmo ano, muda-se para os Estados Unidos, onde leciona, dirige coros e divulga o repertório erudito brasileiro. Em 1965, é nomeado diretor musical da Orquestra Sinfônica de Altoona, na Pensilvânia.

Em 1968, muda-se  para a Iugoslávia, onde trabalha com a Filarmônica de Belgrado e escreve o ballet Stâmena. Regressa a São Paulo em 1970 e leciona no antigo Instituto Benedetto Marcello, renomeado Conservatório Carlos Gomes. Nele, orienta músicos em início de carreira, como Eduardo Gudin (1950). Sob o pseudônimo de Esther Abbog, escreve manuais e arranjos simplificados para piano. Rege a orquestra do disco Elis & Tom (1974) e compõe os arranjos de Edu da Gaita (1979).

Vítima de um derrame, retorna ao Rio de Janeiro em 1989. Em 1992, um ano antes de sua morte, é tema do programa Arranjadores, da TV Cultura. Em 2001, é homenageado pela Orquestra Jazz Sinfônica, com as cantoras Ná Ozzetti (1958), Mônica Salmaso (1971), Tetê Espíndola (1954), Jane Duboc (1950), Céline Imbert (1951), Vânia Bastos (1956) e Miriam Peracchi, sua filha, nos arranjos originais do disco Por toda a Minha Vida. O show dá origem ao disco O Mestre Leo Peracchi e a Jazz Sinfônica – Canções de Tom e Vinícius.

Análise
Embora desconhecido do grande público, Léo Peracchi é considerado um dos principais orquestradores brasileiros do século XX, opinião compartilhada por importantes figuras da nossa música popular e erudita, como Tom Jobim e Heitor Villa-Lobos (1887-1959). Sua habilidade em manejar os timbres sinfônicos deve-se, em parte, à influência do meio musical em que cresceu, formado por maestros e instrumentistas italianos e descendentes que se organizam em São Paulo nas primeiras décadas do século XX. Cultores da ópera e da tradição de concerto europeias, mas carentes de um mercado musical erudito, esses profissionais integram e dirigem orquestras que executam vasto repertório, do italiano Giuseppe Verdi (1813-1901) a trechos de opereta, habituando os ouvidos do grande público às sonoridades sinfônicas.

Escritas para cinema, teatro, disco e rádio, as orquestrações de Peracchi caracterizam-se pela leveza e economia sonora, equilibrando os timbres sinfônicos com delicadeza e precisão. Seus arranjos para o LP Por Toda a Minha Vida, com canções de Tom Jobim e Vinícius de Moraes interpretadas por Lenita Bruno, evidenciam tais características. Em “Modinha”, as cordas formam um colchão sonoro sobre o qual se assenta a voz em evidência. As sutilezas ficam por conta do contracanto do baixo e pelo uso específico do violão, dedilhado apenas em passagens estratégicas. Já em “As Praias Desertas”, Peracchi vale-se de harmonias dissonantes para compor uma paisagem impressionista, sem sobrepor a orquestra à voz da solista. Os diferentes naipes dialogam com o canto, um de cada vez, sem criar uma massa sonora, como usual nos arranjos orquestrais da época. Nesse sentido, o orquestrador afasta-se do estilo de Radamés Gnattali (1906-1988), seu colega da Rádio Nacional, cujos arranjos se caracterizam pela grandiosidade, pelo cruzamento de estilos contrastantes e por efeitos inusitados que surpreendem o ouvinte.

A orquestra de Peracchi é mínima e sóbria e rica em coloridos sonoros, características que também se notam no discípulo Tom Jobim. Alguns críticos atribuem a Peracchi, mais especificamente a seu trabalho em Por Toda a Minha Vida, uma influência decisiva no estilo jobiniano de orquestração. Dori Caymmi, outro admirador do maestro da Rádio Nacional, afirma que os arranjos de Peracchi para o disco Caymmi e o Mar funcionam como uma “cortina cinematográfica” que atua por trás da música[1], como um pano de fundo a ressaltar a melodia em primeiro plano. Ainda que a percussão se sobressaia, como acontece em muitas faixas do álbum, ela cede espaço às cordas ou aos metais, que se alternam ao longo da música. Mesmo nos arranjos puramente orquestrais, o maestro concede primazia à melodia, como se nota no LP Cocktails (1958), lançado nos Estados Unidos pela gravadora Capitol com o título Brazilian Cocktails. Nesse disco, a Orquestra Peracchi interpreta composições de diversos compositores brasileiros, como Tom Jobim, Luiz Bonfá (1922-2001) e João da Baiana (1887-1974), cada qual designada com o nome de uma bebida. No arranjo de “Moonlight Daikiri”, por exemplo, cada frase da melodia é executada por uma dupla de instrumentos contrastantes, convidando o ouvinte a um passeio pelos diversos timbres da orquestra. A composição de Tom Jobim, mais tarde, recebe letra de Chico Buarque (1944), “Imagina”.

Na Rádio Nacional, Peracchi exerce um papel fundamental no processo conhecido como a “sinfonização” da música popular brasileira ao lado de Radamés Gnattali, Lyrio Panicalli (1906-1984), Alberto Lazzoli (1906-1987) e César Guerra-Peixe (1914-1993), entre outros arranjadores. O termo “sinfonização” refere-se ao projeto do Governo Vargas de educar, pelo rádio, “a audição das massas, por meio da divulgação de um repertório a um só tempo ‘brasileiro’ e ‘elevado’”[2]. Essa proposta revela-se no caráter quase didático da maioria dos programas sinfônicos transmitidos pela Rádio Nacional, nos quais os arranjos, antes de serem ouvidos, são descritos pelo locutor, que “destacava efeitos, gêneros, ritmos e mudanças de andamento”[3], orientando a escuta do ouvinte de modo a inseri-lo no universo da música de concerto.

Como compositor, Peracchi dedica-se principalmente ao repertório erudito, destacando-se, em sua pequena obra, o poema sinfônico As aventuras de Tibicuera, o ballet Stâmena e as “Variações sobre Vem cá Bidú”, de Alexandre Levi (1864-1982), gravada em 2012 pela Orquestra Experimental de Repertório no disco Arranjadores. Amigo pessoal de Villa-Lobos, empenha-se na tarefa de divulgar a música erudita brasileira, apresentando novos compositores e solistas em seu programa Festivais GE, da Rádio Nacional, e levando aos Estados Unidos obras de nossos compositores consagrados, de Carlos Gomes (1836-1896) a Guerra-Peixe. Ainda assim, escreve algumas composições populares, todas associadas ao universo afro-brasileiro. No disco Em Tempo de Macumba (1972), volume 12 da coleção No Tempo dos Bons Tempos, estão registradas “Conga”, “Oxum-maré”, “Ogum Yara” e “Aruanda”, todas parcerias suas com Jorge Fernandes (1907-1989), lançados em disco 78 rotações na voz do cantor em meados da década de 1950. Também compõe a música instrumental “Percussão Espetacular”, gravada por Henry Nirenberg e Sua Orquestra no disco Magia Negra (1961).

Notas
[1] SANCHES, Pedro Alexandre. Dory Caymmi homenageia os ‘gênios’. Folha de S.Paulo, São Paulo, 11 set. 2001. Caderno Ilustrada, p. E-5.
[2] BESSA, Virgínia de Almeida. A escuta singular de Pixinguinha. História e música popular no Brasil dos anos 1920 e 1930. São Paulo: Alameda, 2010, p. 260.
[3]  Idem, ibidem, p. 267.

 

Obras 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • BESSA, Virginia de Almeida. A escuta singular de Pixinguinha. História e música popular no Brasil dos anos 1920 e 1930. São Paulo: Alameda, 2010.
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998.
  • NASSIF, Luis. O maestro Leo Peracchi. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 dez. 2002. Caderno Dinheiro, p. B-3.
  • PINTO, Theophilo Augusto. Gente que brilha quando os maestros se encontram: música e músicos da 'Era do Ouro' do rádio brasileiro (1945-1957). Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.
  • SANCHES, Pedro Alexandre. “Dory Caymmi homenageia os ‘gênios’.” Folha de S.Paulo, São Paulo, 11 set. 2001. Caderno Ilustrada, p. E-5.
  • SESC São Paulo. O mestre Léo Peracchi: Memória. Programa eletrônico do show “O mestre Leo Peracchi e a Jazz Sinfônica”. Disponível em: < www.sescsp.org.br/sesc/hotsites/maestro/fra_memoria.htm > Acesso em: 29 jul. 2014.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: