Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Diane Lima

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.07.2021
1986 Brasil / Bahia / Mundo Novo
Registro fotográfico Marcus Leoni

Diane Lima, 2019

Diane Sousa da Silva Lima (Mundo Novo, Bahia, 1986). Curadora, diretora criativa, pesquisadora e designer. É uma das vozes do pensamento feminista negro no debate brasileiro contemporâneo. Questiona os paradigmas do sistema artístico e propõe modos de produção menos hierárquicos e que incluam saberes multiculturais.

Texto

Abrir módulo

Diane Sousa da Silva Lima (Mundo Novo, Bahia, 1986). Curadora, diretora criativa, pesquisadora e designer. É uma das vozes do pensamento feminista negro no debate brasileiro contemporâneo. Questiona os paradigmas do sistema artístico e propõe modos de produção menos hierárquicos e que incluam saberes multiculturais.

Em Salvador, durante a formação em comunicação social (2008) e em meio aos estudos de história da arte, dedica-se ao trabalho curatorial. Em 2014, cria e atua como diretora criativa da plataforma NoBrasil, que reúne pesquisas artísticas e experimentos curatoriais. Em 2015, a plataforma passa a fomentar produções independentes, como o AfroTranscendence (ou Afro-T), programa de imersão formado por processos criativos nascidos da cultura afro-brasileira. Esse projeto procura dialogar com saberes ancestrais, memórias e identidades por meio de vivências artísticas, palestras e oficinas. 

Em 2016, NoBrasil passa a colaborar com o Festival de Cinema Africano do Vale do Silício, na Califórnia (Estados Unidos). A curadoria de Diane Lima dá relevo à produção audiovisual de mulheres negras.

Entre 2016 e 2017, participa da idealização de Diálogos Ausentes, fórum promovido pelo Itaú Cultural para debater identidade e representatividade negra na arte contemporânea. O ciclo de debates reúne artistas de diferentes linguagens para discutir a invisibilidade institucional imposta à cultura afro-brasileira. Como resposta a esse silêncio, o fórum articula a exposição Diálogos Ausentes (2016). As curadoras Diane Lima e Rosana Paulino (1967) destacam a ressignificação e a expansão conceitual da identidade negra que perpassa a produção dos artistas que participam da exposição. 

No registro audiovisual da performance Unguento (2015), Dalton Paula (1982) resgata memórias da resistência negra durante a escravidão ao falar do uso entorpecente da planta guiné, conhecida como “amansa-senhor”, utilizada por escravizados para acalmar os desejos de seus senhores, especialmente sexuais. No registro fotográfico da performance White Face and Blonde Hair (2012), Renata Felinto (1978) questiona os estereótipos físicos e a gestualidade de mulheres que transitam pela rua Oscar Freire (São Paulo), símbolo de consumo e poder financeiro. Usando peruca loira, maquiagem que embranquece sua pele e joias, a artista denuncia como a aparência é o primeiro elemento da mediação das relações sociais. A problemática racial discutida nos debates também suscita o programa A.Gentes, coordenado por Diane e destinado a pensar a própria estrutura da instituição que o abriga, dirigindo-se aos funcionários do Itaú Cultural.

A partir dessas experiências, Diane estrutura conceitualmente o ponto de vista do sujeito criador sobre o mundo como eixo para o trabalho curatorial. A perspectiva de uma pensadora negra em um país marcado pelo processo de colonização norteia também sua pesquisa de mestrado sobre a produção contemporânea de artistas afro-brasileiros, Fazer sentido para fazer sentir: ressignificações de um corpo negro nas práticas artísticas contemporâneas afro-brasileiras (2017), defendida na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). 

Em 2018, participa do Valongo Festival Internacional da Imagem, projeto que dialoga com as ruínas esquecidas da região portuária de Santos, São Paulo. Para o evento, Diane produz a exposição coletiva Não me aguarde na retina, formada majoritariamente por mulheres. 

No mesmo ano, participa do programa de residência em investigação curatorial promovido pela plataforma independente FelipaManuela e pelo centro de criação Matadero Madrid, na Espanha1. Em 2019, atua na curadoria do programa de residência PlusAfrot em Munique, na Alemanha, projeto colaborativo entre a Plataforma Plus, do coreógrafo Mário Lopes (1980), e o AfroTranscendence. Nessa residência, questões como trauma colonial, deslocamento do sujeito, ressignificação identitária e os modos pelos quais esses temas são vivenciados por indivíduos negros são utilizados como propulsores criativos. Os curadores buscam uma atuação descentralizadora ao criarem coletivamente o cronograma e o programa de trabalho, composto por experimentações e vivências baseadas na produção dos artistas participantes.

Compreendendo o trabalho curatorial como espaço de poder e lugar estratégico de mediação entre as hierarquias da produção cultural, Diane reitera a importância de pensá-lo como propositor de dispositivos de aprendizado coletivo. A filosofia africana contemporânea, o feminismo negro brasileiro e estadunidense e os debates latinoamericanos sobre a resistência à estrutura colonial sustentam o que Diane denomina como “prática curatorial em perspectiva decolonial”2. Tal prática procura dar voz um discurso multicultural dentro das estruturas institucionais e, desse modo, subverter o pensamento colonial, historicamente construído e validado pela cultura eurocêntrica. O trabalho de curadoria deve combater a invisibilidade dos saberes oriundos de outras culturas e reconhecer outros lugares de produção de paradigmas. O fio condutor da curadoria passa, portanto, pelas relações socioculturais, no limiar entre curadoria e criação artística e no sentido de uma plástica social, moldada pela direção criativa. O processo sobrepõe-se, dessa forma, ao produto artístico. 

Diane Lima questiona a representatividade dos espaços artísticos, tanto expositivos como educativos, e afirma que o sistema de valoração baseado exclusivamente na estética eurocêntrica não dá conta da sensibilidade contemporânea, cuja diversidade deseja participar do sistema de criação de valores simbólicos e estéticos.

Notas

1. Essa residência se dirige a pesquisadores multiculturais, em sua maioria mulheres latino-americanas, que desenvolvem práticas voltadas a transformar vozes das minorias em protagonistas dos discursos estéticos.

2. LIMA, Diane. “Não me aguarde na retina”. Sur – Revista Internacional de Direitos Humanos, São Paulo, v.15, n.28, dez. 2018, p. 246.

Exposições 2

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Diane Lima – Série Cada Voz (2019)
A curadora e pesquisadora Diane Lima fala sobre sua trajetória, as mulheres da família e as ações e criações no meio artístico como atos políticos coletivos e de fortalecimento individual. Também fala sobre a resiliência – ensinamento da avó –, compreendida como a capacidade de não se afetar diante das violências comunicadas e transmitidas cotidianamente às mulheres negras.

A Enciclopédia Itaú Cultural produz a série Cada Voz, em que personalidades da arte e cultura brasileiras são entrevistadas pelo fotógrafo Marcus Leoni. A série incorpora aspectos de suas trajetórias profissionais e pessoais, trazendo ao público um olhar próximo e sensível dos artistas.

A Enciclopédia Itaú Cultural produz a série Cada Voz, em que personalidades da arte e cultura brasileiras são entrevistadas pelo fotógrafo Marcus Leoni. A série incorpora aspectos de suas trajetórias profissionais e pessoais, trazendo ao público um olhar próximo e sensível dos artistas.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Produção de conteúdo: Camila Nader
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Produção audiovisual: Letícia Santos
Edição de conteúdo acessível: Richner Allan
Direção, edição e fotografia: Marcus Leoni
Assistência e montagem: Renata Willig
Assistência de fotografia: Martha Salomão

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: