Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Nise Obino

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.12.2016
1918 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1995 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Nise Poggi Obino (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1918 - Idem, 1995). Pianista e professora. Em 1934, diploma-se pelo Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, e, no ano seguinte, obtém o prêmio máximo do concurso Araújo Viana, com medalha de ouro e viagem à Europa. Em 1944, viaja pelo Brasil dando concertos em recitais, em missão do Ministério ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Nise Poggi Obino (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1918 - Idem, 1995). Pianista e professora. Em 1934, diploma-se pelo Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, e, no ano seguinte, obtém o prêmio máximo do concurso Araújo Viana, com medalha de ouro e viagem à Europa. Em 1944, viaja pelo Brasil dando concertos em recitais, em missão do Ministério da Educação e Saúde Pública. Em 1945, no Uruguai, faz curso de aperfeiçoamento com Fritz Busch (1890-1951) e apresenta-se com a Orquestra do Sodre. Atua como solista nas principais orquestras do Brasil, como a Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e faz, em 1951, a primeira audição brasileira do Concerto n. 1 para piano e orquestra, do russo Dmitri Chostakóvitch (1906-1975). Na década de 1960, estuda e faz pesquisas em organizações de ensino musical em países europeus e Israel. Em 1964, é uma das fundadoras, da Academia de Música Lorenzo Fernandez, no Rio de Janeiro e Brasília, e assume o cargo de diretora artística da Rádio Educadora, do Ministério da Educação e Cultura. Professora da Universidade de Brasília, cria, em 1967, o Centro de Arte Nise Poggi Obino (Canpo), implantando novas técnicas de pedagogia musical. Leciona, em 1972, no Conservatório de Lausanne, Suíça. Suas publicações incluem Mestres do Cravo e do Clavicórdio (1966) e O Método (1968), base de sua didática de ensino pianístico. Em parceria com Régis Duprat (1930), de quem foi aluna, escreve O Estanco da Música no Brasil Colonial (1968).

Análise
O principal legado artístico de Nise Obino é o de professora. Dentre os diversos alunos destacam-se, na música popular, Dori Caymmi (1943) e, na erudita, Nelson Freire (1944). Este último cai sob sua tutela quando ela é assistente de Lúcia Branco. O crítico francês Alain Lompech (1954) descreve-a como “uma mulher magnífica, divorciada – no Brasil daquela época, isso lhe confere um gênero escandaloso - que fuma cigarros e toca piano com uma mistura de som de órgão e de veludo”1. Para Lompech, Obino “canalizou o talento de Nelson Freire, mostrou-lhe que caminhos adotar, impediu-o de seguir a via mais fácil que faz com que tantos meninos-prodígio toquem de um jeito deformado pelos vícios”.

Discípulo de Obino, André Carrara2 detalha sua metodologia de ensino. Segundo ele, Obino privilegia a articulação digital (flexão e extensão), encontrada e defendida no final do século XVIII e início do XIX, a assim chamada “antiga escola de dedos” de Clementi e Hummel. Ela reconhece também os ataques de punho e braço, mas enfatiza a necessidade de desligamento digital como caminho para alcançar o virtuosismo.

Carrara conta que, para Obino, o ensino diário do mecanismo é fundamental. Assim, impõe pelo menos uma hora para o estudo de toques e, só depois dessa etapa passar à interpretação do repertório pianístico. A expressividade musical está implícita na partitura, e a fidelidade do intérprete deve chegar a ponto de permitir ao ouvinte, após a escuta, reescrever a obra executada tal qual o compositor ao criá-la. Conhece-se apenas uma gravação sua, em acetato, do Prelúdio e fuga em lá menor para órgão, do germânico Johann Sebastian Bach (1685-1750), transcrito pelo húngaro Franz Liszt (1811-1886)3.

Nota
1 LOMPECH, Alain. Les grands pianistes du XXe siècle. Paris: Libella, 2012.

2 CARRARA, André. Deliberação expressiva e toque pianístico. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010

3 Nise Obino Recital. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=XcRf2aijPhs >. Acesso em: 18 dez. 2015.

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • CARRARA, André. Deliberação expressiva e toque pianístico. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998.
  • LOMPECH, Alain. Les Grands Pianistes du XXe Siècle. Paris: Libella, 2012.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: