Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Wallace Downey

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.05.2022
14.05.1902 Estados Unidos / Nova York / Nova York
13.03.1967 Estados Unidos / Nova York / Nova York
Wallace Downey (Nova York, Estados Unidos, 1902 - idem, 1967). Produtor e diretor. Em 1928, muda-se para São Paulo como diretor artístico da Columbia Records no Brasil. Associa-se ao industrial norte-americano Alberto Byington Jr. e realiza Coisas Nossas (1931), o primeiro filme musical brasileiro e o primeiro brasileiro terminado no sistema de ...

Texto

Abrir módulo

Wallace Downey (Nova York, Estados Unidos, 1902 - idem, 1967). Produtor e diretor. Em 1928, muda-se para São Paulo como diretor artístico da Columbia Records no Brasil. Associa-se ao industrial norte-americano Alberto Byington Jr. e realiza Coisas Nossas (1931), o primeiro filme musical brasileiro e o primeiro brasileiro terminado no sistema de som Vitaphone, feito em discos. 

Downey se muda para o Rio de Janeiro, fundando a Waldow Filme. Através dela, associa-se à Cinédia, que possui um sistema de gravação de som mais avançado, feito diretamente na película, o Movietone, para realizar Alô! Alô! Brasil (1935), codirigido com os músicos e seus roteiristas habituais: João de Barro (1907-2006), o Braguinha, e Alberto Ribeiro (1902-1971). A Cinédia e a Waldow repetem a parceria em Estudantes (1935). Downey produz ainda Alô! Alô! Carnaval (1936), que dirigiria, mas viaja aos Estados Unidos e deixa a função para o sócio da Cinédia, Adhemar Gonzaga (1901-1978)
Downey associa-se novamente a Byington e funda a Sonofilms. Seu sócio, diretor da agência artística Toda América, leva seu star system para a nova companhia. Através dela, produz os longas João Ninguém (1936); O Bobo do Rei (1937); Bombonzinho (1937); Futebol em Família (1939); Pega Ladrão (1940); Banana da Terra (1939), que traz a cena musical O que É que a Baiana Tem?, com Carmen Miranda (1909-1955); Laranja da China (1939); e Abacaxi Azul (1944), este também dirigido por Downey. O fracasso do último filme enterra de vez a Sonofilms, cujos estúdios haviam sofrido um incêndio em 1940.

Análise
Wallace Downey é um dos pioneiros do cinema brasileiro, especialmente da comédia musical baseada no teatro de revista, batizada posteriormente de chanchada. O diretor e produtor, ligado ao mundo fonográfico, percebe o potencial da rádio brasileira e do cinema sonoro, que começa a se impor fora dos Estados Unidos no início dos anos 1930. Cria, assim, o primeiro filme musical brasileiro, o paulista Coisas Nossas, que traz, entre outros, Paraguaçu e o Bando de Tangarás. Sem uma linha narrativa definida, o filme alterna vinhetas cômicas e canções.

O sucesso de Coisas Nossas modifica o cinema comercial brasileiro, que passa a apostar nos musicais carnavalescos. Downey explora o segmento em seus três filmes seguintes como diretor, realizados no Rio de Janeiro: Alô! Alô! Brasil e Estudantes, filmes que se aproveitam dos principais sucessos do rádio; e Abacaxi Azul, feito 13 anos depois e cujo fracasso demonstra o enfraquecimento da fórmula. O cineasta Humberto Mauro (1897-1983) escreve a respeito do filme: “[Downey] apresenta por meio de fotografia animada, com som, os artistas de nosso rádio, fazendo graças, tocando e cantando... São produções que nada tem a ver, portanto, com cinema”.

A frase de Humberto Mauro sintetiza o que representa Wallace Downey para o cinema brasileiro, uma pessoa com muito mais tino de produção e negócios do que artístico. Diretor por conveniência, ao alcançar o sucesso com seu modelo de filme, dedica-se praticamente à produção, fazendo longas emblemáticos para o cinema brasileiro dos anos 1930, como Alô! Alô! Carnaval e Banana da Terra.

Notas

1. O pesquisador Máximo Barro (1930) conta uma versão ligeiramente diferente da divulgada à época do lançamento do filme. Diz ele: “No início de 1931, a Byington Company de São Paulo montara um equipamento sonoro batizado de fonocinex, fazendo crer tratar-se de uma acomodação do vitafone. Para divulgá-lo, o proprietário, Alberto Byington Jr., financia Coisas Nossas, com a supervisão de Downey". Cf. BARRO, Máximo. Coisas nossas. In: 60 Anos: Atlântida. São Paulo: 2001. Disponível em: www.sescsp.org.br/sesc/hotsites/atlantida. Acesso em: 10 nov. 2012.

2. MAURO, Humberto. Palestra cinematográfica. A Cena Muda. Rio de Janeiro, v. 23, n. 7, 15 fev. 1944, p. 16.

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • ALLÔ! Allô! Brasil!. A Cena Muda. Rio de Janeiro, v. 14, n. 725, 12 fev. 1935. p. 5.
  • AUGUSTO, Sérgio. Este Mundo é Um Pandeiro: a chanchada de Getúlio a JK. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.
  • BARRO, Máximo. 60 Anos: Atlântida. São Paulo: 2001. Disponível em: <http://www.sescsp.org.br/sesc/hotsites/atlantida>. Acesso em: 10 nov. 2012.
  • BENTES, E.M. Allô! Allô! Brasil! Cinearte. Rio de Janeiro, v. 10, n. 407, 15 jan. 1935. p. 11.
  • CINEMATECA BRASILEIRA. Site. São Paulo. Disponível em: <http://www.cinemateca.gov.br/>. Acesso em: 12 nov. 2012.
  • GONZAGA, Alice. 50 anos de Cinédia. Rio de Janeiro: Record, 1987.
  • MAURO, Humberto. Palestra cinematográfica. A Cena Muda. Rio de Janeiro, v. 23, n. 7, 15 fev. 1944. p. 16.
  • RAMOS, Fernão (org). História do cinema brasileiro. São Paulo: Art, 1987.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: longa metragem. São Bernardo do Campo: Edição do Autor, 2009.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: