Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Miltinho

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.12.2022
31.02.1928 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
07.09.2014 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Milton Santos de Almeida (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1928 – idem, 2014). Cantor, pandeirista. Em sua interpretação de timbre peculiar, Miltinho liga-se à linhagem tradicional do samba, particularmente àquela dos cantores mais sincopados, embora também tenha obtido grande sucesso com a gravação de sambas-canções e baladas românticas. É peça ...

Texto

Abrir módulo

Milton Santos de Almeida (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1928 – idem, 2014). Cantor, pandeirista. Em sua interpretação de timbre peculiar, Miltinho liga-se à linhagem tradicional do samba, particularmente àquela dos cantores mais sincopados, embora também tenha obtido grande sucesso com a gravação de sambas-canções e baladas românticas. É peça importante no processo da síncopa na música brasileira, efetuado por cantores ligados ao ritmo, como Luís Barbosa (1910-1938), Jackson do Pandeiro (1919-1982) ou ainda Germano Mathias (1934). O início do trabalho artístico, marcado pela participação em conjuntos vocais, expõe o artista, responsável pela base rítmica dos grupos que integra. 

Inicia sua carreira na década de 1940, integrando o conjunto amador Cancioneiros do Ar, com o qual participa do programa de calouros de Ary Barroso (1903-1964), na Rádio Tupi do Rio de Janeiro. Em 1946, passa a integrar a segunda formação do conjunto vocal Namorados da Lua, ao lado do cantor Lúcio Alves (1927-1993), atuando também como pandeirista. Com esse conjunto, acompanha a cantora Isaurinha Garcia (1923-1993) na gravação do samba “De conversa em conversa”, de Lúcio Alves e Haroldo Barbosa (1915-1979), realizada pela gravadora Victor.

Em 1948, compõe o conjunto Anjos do Inferno, com o qual viaja pelo Brasil e pelo exterior, passando pela Bolívia, Uruguai, Paraguai, Argentina, Chile e México, onde permanece por dois anos, gravando e atuando em um programa de rádio dedicado ao Brasil. Viaja ainda pelos Estados Unidos, acompanhando a cantora Carmem Miranda (1909-1955). Volta ao Brasil em 1951 e é aprovado em um concurso para o Ministério da Fazenda, razão pela qual fica impossibilitado de excursionar como artista durante muito tempo. Ingressa, então, no conjunto Quatro Ases e um Coringa, como cantor e pandeirista. Atua ainda como crooner na Orquestra Tabajara de Severino Araújo, em boates no Beco das Garrafas, na boate Vogue e no conjunto Milionários do Ritmo, do pianista Djalma Ferreira (1913-2004), com o qual se apresenta em boates como a Monte Carlo, no Hotel Plaza, e a boate Drink.

Entre as décadas de 1940 e 1950, os conjuntos vocais são frequentes no Rio de Janeiro, contratados para programas de diversas rádios e boates. Desses conjuntos surgiram importantes cantores, como Lúcio Alves e o próprio Miltinho, do Namorados da Lua, e João Gilberto (1931-2019), do Garotos da Lua. Esses dois conjuntos são contratados pela Rádio Tupi na segunda metade da década de 1940, aparecendo com muita frequência no programa Parada de Sucessos, do cantor e pesquisador Almirante (1908-1980). Nessa época, um estilo de cantar brasileiro está amadurecendo e os crooners dos conjuntos vocais e orquestras influenciam uns aos outros e tentam se diferenciar, em uma busca por originalidade que traz resultados significativos para a música brasileira, em particular para o samba.

É com os Milionários do Ritmo que Miltinho faz suas primeiras gravações como crooner, lançadas em 1958, pelo selo Drink, do líder do conjunto Djalma Ferreira. Interpreta canções de Djalma Ferreira e Luís Antônio (1921-1996), como “Lamento”, “Recado” e “Nosso samba”. Se, por um lado, esses cantores estão desenvolvendo em conjunto algo como um estilo nascido e criado em terras brasileiras, por outro é bastante visível a influência norte-americana nos arranjos e timbres dos conjuntos vocais, orquestras e crooners atuantes no Rio de Janeiro. Frank Sinatra (1915-1998) e Stan Kenton (1911-1979) são bastante populares nas rádios e lojas de discos da época. A marca das harmonizações orquestrais americanas ou o tipo de emissão vocal de seus cantores está impressa nos melhores cantores e conjuntos vocais brasileiros da década de 1950. Ao desenvolver as variadas e ricas formas de síncopa da tradição musical brasileira do samba é que cantores brasileiros – e Miltinho em particular – realizam suas maiores contribuições e encontram o modo mais eficiente de desprender-se da forte influência da música americana. 

Desses discos de 78 rpm surge o convite para lançar seu primeiro LP solo, Um novo astro (1960), pela gravadora Sideral. É acompanhado no trabalho pelo Sexteto Sideral, com participação de Baden Powell (1937-2000) no violão, na faixa “Eu e o Rio”. Em 1961, lança a canção “Poema do adeus”, que se torna parte da trilha sonora do filme O vendedor de lingüiças (1962), produzido por Mazzaropi (1912-1981) e dirigido por Glauco Mirko Laurelli (1930-2013). A gravadora Sideral entra em falência e Miltinho passa pela RCA, lançando Miltinho (1961) e, posteriormente, é contratado pela RGE, pela qual lança, em 1963, o LP Miltinho é samba.

Suas interpretações partem de uma base métrica bem definida e desenvolvem, na melodia vocal, novas nuances rítmicas, nas quais a relação entre os acentos da melodia e os do compasso criam um “balanço” novo, o sambalanço. No começo dos anos 1960, Miltinho torna-se um dos ícones do estilo sambalanço, com os sucessos “Mulher de trinta”, de Luís Antônio, “Eu quero um samba”, de Haroldo Barbosa e Janet de Almeida (1919-1945), e “Mulata assanhada”, de Ataulfo Alves (1909-1969). Somado aos êxitos em canções românticas, ele monopoliza as paradas de sucesso deste período, numa proporção só vista, a seguir, com Roberto Carlos (1941).

Em 1966, é contratado pela Odeon, pela qual grava, entre 1967 e 1969, três LPs ao lado de Elza Soares (1937-2022) e mais quatro, entre 1970 e 1973, ao lado de Dóris Monteiro (1934). Entre seus discos solos, destacam-se Samba + samba = Miltinho (1966), Miltinho, samba e cia (1967), Novo recado (1971) e Miltinho (1974). Após longo hiato de gravações, é lançado o CD Em tempo de bolero, pela Movieplay, em 1997, e Miltinho convida, pela Globo/Columbia, em 1998, com participações de artistas como João Bosco (1946), Luiz Melodia (1951-2017), João Nogueira (1941-2000) e Chico Buarque (1944).

Em carreira solo, Miltinho propõe uma interpretação marcada por um tipo de variação rítmica na qual coloca a frase musical em lugares diferentes do compasso. Ou, como o próprio artista explica: “Você já reparou que eu não canto na cabeça da nota. Eu canto dois tempos atrasados com a harmonia na frente”. Desta forma, gera deslocamentos entre os apoios da melodia que está cantando e o apoio do acompanhamento musical, que permanece fixo. Assim o cantor pode improvisar não apenas melodicamente mas também ritmicamente, “derramando” suas melodias sobre o compasso do samba.

Miltinho faz da maneira de improvisar e deslocar ritmicamente os acentos da melodia o principal traço de seu estilo. Não se trata, entretanto, de um tipo de canto nunca antes visto, mas sim de um desenvolvimento e uma nova forma de lidar com a tradição do samba sincopado, que já contava com artistas importantes como Luís Barbosa, Vassourinha (1923-1942), Geraldo Pereira (1918-1955), Cyro Monteiro (1913-1973) e Orlando Silva (1915-1978), este último uma referência de toda uma geração de cantores.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CAMPOS et alii. Um Certo Geraldo Pereira. Rio de Janeiro, FUNARTE, 1983.
  • CASTRO, Ruy. Chega de Saudade: a história e as histórias da Bossa Nova. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998.
  • NO TEMPO DE MILTINHO, documentário de André Weller, produzido por Napressão, 17 min, RJ, Brasil, 2008.
  • SOUZA, Tárik de. A bossa dançante do sambalanço. Revista USP, São Paulo, n.87, p. 28-39, set./ nov. 2010.
  • ULHÔA, M. T. “Métrica Derramada: tempo rubato ou gestualidade na canção brasileira popular.” In: VII Congreso Latinoamericano IASPM - AL, 2006, La Habana. Actas Del VII Congreso Latinoamericano IASPM - AL, 2006. v. Online. p. 1-9.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: