Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

João Callegaro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.06.2016
1945 Brasil / Santa Catarina / Joaçaba
João Callegaro (Joaçaba SC 1945). Cineasta, roteirista e publicitário. Amigo de infância do cineasta Rogério Sganzerla (1946 - 2004), é influenciado pelos filmes norte-americanos e pelas histórias em quadrinhos. Muda-se para São Paulo em 1960. Frequentador de cineclubes, ingressa na primeira turma da Escola Superior de Cinema (ESC), das Faculdad...

Texto

Abrir módulo

Biografia

João Callegaro (Joaçaba SC 1945). Cineasta, roteirista e publicitário. Amigo de infância do cineasta Rogério Sganzerla (1946 - 2004), é influenciado pelos filmes norte-americanos e pelas histórias em quadrinhos. Muda-se para São Paulo em 1960. Frequentador de cineclubes, ingressa na primeira turma da Escola Superior de Cinema (ESC), das Faculdades São Luís, em 1965. Realiza o curta-metragem Alegria (1967), nunca finalizado. Na mesma época, estagia no filme O Homem Nu (1968), de seu então professor, o cineasta Roberto Santos (1928-1987). Callegaro abandona a faculdade após dois anos. Associa-se ao cineasta Carlos Reichenbach (1945-2012) e ao crítico de cinema Antônio Lima (19--) e funda a Xanadu Produções Cinematográficas, na Boca do Lixo, em São Paulo. Realiza pela produtora o longa-metragem em três episódios As Libertinas (1968). Cada um dos sócios é responsável por um episódio. Callegaro dirige o terceiro, Ana. Fora da sociedade dirige o longa O Pornógrafo (1970). Por conta de ambos os filmes, é vinculado ao chamado Cinema Marginal. Atua em Ritual dos Sádicos (1969), de José Mojica Marins. Passa a se dedicar à produção de comercias publicitários, paralelamente à direção de curtas-metragens documentais O Suspense Segundo Hitchcock (1969), Papagaio (1970), Quem é Quem no Cinema Brasileiro (1970), Fazendo Fita (1977), Moto Cross (1979) e Auwe (2000).

Comentário crítico

Em seu Manifesto do Cinema Cafajeste1, o cineasta João Callegaro define o que é seu cinema: filmes de ficção que buscam uma comunicação direta com o público e tomam como base o cinema norte-americano, o teatro de revista e as revistinhas pornográficas. É também influenciado pelas comédias italianas, pelas revistas em quadrinho e pelo cinema cochon francês, aquele que explora o corpo nu de mulheres. Ao buscar uma alternativa ao modo de produção cinematográfico brasileiro, é vinculado pela historiografia ao Cinema Marginal, rompendo, por exemplo, com a estética cinemanovista, pela irreverência, pela antropofagia, pela exploração do erotismo e pelo metacinema. Callegaro adota o ideário de gêneros cinematográficos populares e os recria a partir do registro da avacalhação e da esculhambação.

Em Ana, Callegaro combina comédia de costumes, erotismo, voyeurismo e deboche, e opta por terminá-lo numa sequência de três minutos, sem cortes, num plano estático, de um strip-tease, diretamente influenciado pelo longa-metragem Superbeldades (1962), do cineasta ucraniano Konstantin Tkaczenko (1925-1973). Em O Pornógrafo, sobre a Boca do Lixo paulistana, critica os padrões morais da época de produção do filme, em relação às liberdades sexuais dos indivíduos. No longa, Metralha, um jornalista que se espelha no imaginário estético dos filmes norte-americanos de gângsters, promove a crítica, de maneira debochada, ao revolucionar o negócio das revistinhas pornográficas, à época, proibidas pela censura.

Torna-se, assim, um dos precursores do cinema da Boca do Lixo, por conta de sua proposta cinematográfica, instituindo uma fórmula posteriormente muito usada: produção de baixo custo + erotismo + título apelativo2 - sem deixar a inventividade de lado.

 

1 CALLEGARO, João. Manifesto do Cinema Cafajeste. São Paulo, 1968. Disponível em . Acesso em 02 de abril de 2012.

2 ABREU, Nuno Cesar. Boca do Lixo: cinema e classes populares. Campinas/SP: Editora da Unicamp, 2006, p. 38.

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 19

Abrir módulo
  • ABREU, Nuno Cesar. Boca do Lixo: cinema e classes populares. Campinas/SP: Editora da Unicamp, 2006, p. 26-42.
  • CALLEGARO, João. Manifesto do Cinema Cafajeste. São Paulo, 1968. Disponível em <http://www.olhoslivres.com/jornal0.htm>. Acesso em 02 de abril de 2012.
  • CARNEIRO, Gabriel. Entrevista com João Callegaro, in Revista Zingu!, edição 35. São Paulo: setembro de 2009. Disponível em: < http://www.revistazingu.blogspot.com.br/2009/09/djc-entrevista.html>. Acesso em 02 de abril de 2012.
  • CINEMATECA Brasileira. São Paulo. Disponível em < http://www.cinemateca.gov.br/>. Acesso em 02 de abril de 2012.
  • DOSSIÊ João Callegaro, in Revista Zingu!, edição 35. São Paulo: setembro de 2009. Disponível em: <http://revistazingu.blogspot.com.br/2009/09/edicao35_16.html>. Acesso em 02 de abril de 2012.
  • FASSONI, Orlando Lopes. Manequins deixam passarela para filmar As Libertinas, in Folha de S.Paulo. São Paulo, 20 de fevereiro de 1968, 2º caderno, p. 3.
  • FERREIRA, Jairo. Candeias. Cinema de invenção. São Paulo: Limiar, 2000.
  • LYRA, Marcelo. Carlos Reichenbach - O Cinema como Razão de Viver. São Paulo: Imprensa oficial do Estado de São Paulo, 2004, p. 76-98.
  • MIRANDA, Luiz Felipe. Dicionário de cineastas brasileiros. Apresentação Fernão Ramos. Sao Paulo: Art Editora, 1990. 408 p., p. 72-73.
  • PUPPO, Eugênio (Org.). Cinema marginal brasileiro e suas fronteiras. 2. ed. Brasília: Centro Cultural Banco do Brasil, 2004.
  • RAMOS, Fernão (org). História do Cinema Brasileiro. São Paulo: Art, 1987, p. 380-3.
  • RAMOS, Fernão. Cinema Marginal (1968/1973) - A representação em seu limite. São Paulo, Brasiliense / Embrafilme, 1987.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: curta e média metragem. São Bernardo do Campo: Edição do Autor, 2011.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: longa metragem. São Bernardo do Campo: Edição do Autor, 2009.
  • STERNHEIM, Alfredo. Boca do Lixo: Dicionário de Diretores. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005.
  • UMA flor do lixo, in Veja. São Paulo: Editora Abril, 2 de junho de 1971, n. 143, p. 63-64.
  • _______. No écran, o Pornógrafo, in São Paulo Shinbum, São Paulo, 25 de maio de 1971.
  • _______. Um ciclo dedicado ao Udigrudi, in Folha de S.Paulo. São Paulo, 11 de julho de 1978, Ilustrada, p. 35.
  • _______. Um herói de nosso tempo, in Folha de S.Paulo. São Paulo, 26 de maio de 1971, p. 21.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: