Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Bernardo Élis

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.02.2021
15.11.1915 Brasil / Goiás / Corumbá de Goiás
30.11.1997 Brasil / Goiás / Corumbá de Goiás
Bernardo Élis Fleury de Campos Curado (Corumbá de GoiásGoiás, 1915 – Idem, 1997). Contista, romancista, poeta, ensaísta, advogado e professor. Inicia sua educação em casa, ensinado pelo pai, Érico José Curado (1880-1961). Em seguida, cursa o ginásio no Liceu de Goiás, concluindo os estudos em 1940. Transfere-se para Goiânia, onde se forma em Dir...

Texto

Abrir módulo

Bernardo Élis Fleury de Campos Curado (Corumbá de GoiásGoiás, 1915 – Idem, 1997). Contista, romancista, poeta, ensaísta, advogado e professor. Inicia sua educação em casa, ensinado pelo pai, Érico José Curado (1880-1961). Em seguida, cursa o ginásio no Liceu de Goiás, concluindo os estudos em 1940. Transfere-se para Goiânia, onde se forma em Direito em 1945. Durante o curso, é nomeado secretário da Prefeitura Municipal, e exerce a função de Prefeito da Capital em duas ocasiões. Paralelamente, advoga em foros locais entre Anápolis, Goiânia e Inhuma. 

Como professor, ingressa no magistério da Escola Técnica Federal de Goiânia e também em colégios da rede pública. Leciona a disciplina de literatura na Universidade Católica e em cursos preparatórios para o vestibular. Desde 1934, tem grande participação na literatura do centro-oeste: funda a União Brasileira dos Escritores de Goiás, presidindo-a diversas vezes, integra a Academia Goiana de Letras, a Academia Brasiliense de Letras e o Instituto Histórico e Geográfico de Goiás. 

Funda a revista Oeste (1942-1944), em que publica o conto “Nhola dos Anjos e a Cheia de Corumbá”. Em 1945, participa do 1º Congresso de Escritores, em São Paulo e, em 1953, organiza o 1º Congresso de Literatura, em Goiás. Dois anos depois, publica seu único livro de poemas, Primeira Chuva.

Em 1964, exerce o cargo de vice-diretor e professor do Centro de Estudos Brasileiros, na Universidade Federal de Goiás, órgão fechado pela intervenção militar naquele ano. Em 1966, publica o romance Veranico de Janeiro, prêmio José Lins do Rego e prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, em 1967. 

Na década de 1970, torna-se assessor cultural do Escritório de Representação do Estado de Goiás no Rio de Janeiro, e volta a lecionar na Universidade Federal de Goiás. Em 1975, é eleito o quarto ocupante da cadeira número 1 da Academia Brasileira de Letras (ABL), o primeiro goiano a ingressar nessa instituição.

Desempenha a função de diretor adjunto do Instituto Nacional do Livro (INL), em Brasília, de 1978 a 1985. Em 1986, é nomeado para o Conselho Federal de Cultura, do qual faz parte até sua extinção, em 1989.
 
A obra de Bernardo Élis é polígrafa: conto, romance e ensaio. No entanto, a crítica o reconhece por seus contos e consagra-o como pioneiro no centro-oeste do país.

Destaca-se a trilogia de contos Ermos e Gerais (1944), Caminhos e Descaminhos (1965) e Veranico de Janeiro (1966) pelo interesse de uma escrita propensa ao neorrealismo regionalista, e uso de técnicas como o fluxo de consciência, o monólogo interior e o discurso indireto-livre. Essas características fazem com que Gilberto Mendonça Teles (1931) refira-se à obra do autor como aquela que se desenvolve “pela linguagem e pela técnica modernizante, criando no Centro do Brasil uma obra estranha e original”1.

Exemplo das características citadas está no conto “A Mulher que Comeu o Amante”, publicado no volume Caminhos dos Gerais (1975). O enredo desenvolve-se em um cenário agropecuário goiano, ilustrando o aspecto físico e social da região de maneira direta e concisa. O que a princípio parece ser uma narrativa circunscrita pelas generalidades do regionalismo, assume um caráter de humor negro e de fatalismo, ao contar o assassinato do baiano Januário, migrante que deixa a família na Bahia e foge com a amante, Camélia. Ela, uma moça sensual, cheia de lascívia. O entrecho baseia-se na chegada de um antigo namorado da moça, Izé, e no desejo de ambos de matarem Januário. A partir desse conflito, Élis cria uma história incomum, em que a maldade humana aparece como tema principal, em meio à desolação e pobreza do sertanejo goiano. Com contornos reflexivos e realistas, mostra a violência como um caminho de propagação de mais violência. 

No que se refere a obra romanesca de Élis, destaca-se O Tronco (1956). Por meio de personagens comuns ao espaço geográfico e ao período político da Primeira República (1889-1930), constroem-se características do coletor, do coronel, do camarada, do juiz, da mulher e do cangaceiro. Evidenciam-se os mecanismos pelos quais aquela sociedade se organiza, privilegiando a crítica e a denúncia dos favorecimentos, dos desmandos e das manipulações comuns ao cenário coronelista. Além disso, demarca a ineficácia legislativa para conter tal situação.

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • ABDALA JUNIOR., Benjamin (Org.). Bernardo Élis: seleção de textos, notas, estudos biográfico, histórico e crítico e exercícios. São Paulo: Abril, 1983. (Literatura Comentada).
  • ALMEIDA, Nelly Alves de. Estudos sobre quatro regionalistas: Bernardo Elis, Carmo Bernardes, Hugo Carvalho Ramos, Mário Palmério. Goiânia: Imprensa da UFG, 1968.
  • ALMEIDA, Nelly Alves de. Presença literária de Bernardo Elis. Goiânia: Oficinas Gráficas da Imprensa da Universidade Federal de Goiás, 1970.
  • GOTLIB, Nádia Battella. Cavando (Uma análise de A enxada, de Bernardo Élis). O eixo e a roda. Belo Horizonte, n° 2, p. 33-51, jun. 1984.
  • HOHLFELDT, Antonio. Conto brasileiro contemporâneo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1975.
  • OLIVAL, Moema de Castro e Silva. O processo sintagmático na obra literária: corpus de pesquisa - contos de Bernardo Elis. Goiânia: Oriente, 1976.
  • SILVEIRA, Valdomiro. Mundo caboclo: estudos de Bernardo Élis e Ruth Guimarães. Rio de Janeiro: José Olympio, 1974.
  • SOUZA, Jacqueline. R. O homem e a sua linguagem no conto A enxada. Revista da UFG. vol. 7, nº 1, jun. 2004.
  • TELES Gilberto Mendonça; BECHARA, Evanildo. Seleta de Bernardo Elis. Brasília: MEC, 1974.
  • TELES, Gilberto Mendonça (Org.). Melhores contos de Bernardo Élis. 2. ed. São Paulo: Global, 2001.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: