Artigo da seção pessoas Martinho Lutero Galati de Oliveira

Martinho Lutero Galati de Oliveira

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deMartinho Lutero Galati de Oliveira: 29-09-1953 Local de nascimento: (Brasil / Minas Gerais / Alpercata) | Data de morte 25-03-2020 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Registro fotográfico Rogério Vieira

Martinho Lutero Galati de Oliveira (Alpercata, Minas Gerais, 1953 - São Paulo, São Paulo, 2020). Maestro, compositor e professor. Reconhecido como um dos principais regentes de coros do Brasil, destaca-se por ter contribuído para a valorização de culturas não hegemônicas na música coral. É regente-fundador do Coro Luther King e do Cantosospeso, conhecidos pela qualidade técnica na execução do canto conjunto.

Lutero chega a São Paulo em 1960, onde completa a educação básica e a formação em música, iniciada na infância. Tem aulas com maestros reconhecidos, como Jonas Christensen (1943-1992), Hans Joachim Koellheutter (1915-2005) e Eleazar de Carvalho (1912-1996). Durante a adolescência, numa carreira adiantada, rege o Coro da Juventude Musical de São Paulo, dirige musicalmente a peça teatral Hair (1969) e participa de concertos no Teatro Municipal.

Aos 16 anos (1970), cria em São Paulo o Coro Luther King. Para formá-lo, reúne pessoas de diferentes classes sociais e religiões, com o objetivo de expressar o canto de modo amplo e diverso. Desde o princípio, as apresentações do grupo evidenciam a cultura brasileira e a de povos que contribuíram para a formação do país.

Com as propostas do regente, o grupo se torna o primeiro coral a realizar concertos de spiritual, gênero musical de origem afro-americana. Influenciadas pela cultura protestante, as apresentações remetem à música de escravizados negros e fazem referência ao sentimento do oprimido em sua expectativa de obter a salvação.  O repertório e a sonoridade das apresentações regidas pelo músico, com elementos da cultura popular brasileira e da cultura afro-americana, influenciam diversos corais no Brasil e levam o Coro Luther King a se apresentar em vários países, como Itália, França, Alemanha, Cuba, Angola e Tunísia.

Depois de passar uma temporada em Buenos Aires, onde complementa seus estudos de regência orquestral no Conservatório Torquato di Tella, Lutero volta para São Paulo, onde dirige e coordena orquestras, concertos e setores de música coral de diversas instituições.

O interesse em valorizar culturas esquecidas, aliado à experiência como regente, levam-no a viver na África de 1978 a 1984. Lá, a serviço da UNESCO, realiza pesquisas sobre música tradicional. No último ano de sua estada no continente, funda com um grupo de intelectuais, alunos universitários e jornalistas a Associação Cultural Tchova Xita Dima, em Maputo, Moçambique. O objetivo da entidade é promover a arte na área da música e do teatro, com uma abordagem cênica e radiofônica. Também em Moçambique, funda a Escola Nacional de Música, na qual ensina regência e composição, produz a primeira série de programas de música tradicional africana na Rádio de Moçambique e publica o Cancioneiro Infantil Moçambicano.

A partir de 1985, aprofunda seus estudos de música na Europa, onde convive com importantes maestros e compositores, como o italiano Luigi Nono (1924-1990).  Em 1987, funda em Milão a Associação Cantosospeso, cujo objetivo é difundir a prática coral como exercício de convivência e como oportunidade de aproximar as pessoas da música. Ao dirigi-lo, faz questão de usar vozes não profissionais para executar com rigor a chamada “música coral alta” – prestigiada por sua qualidade técnica –, a música contemporânea e, sobretudo, a música de povos e culturas historicamente ofuscados pelo colonialismo cultural.

Os estudos e as criações de Lutero, no Brasil e no exterior, consolidam os traços essenciais de sua produção artística, em que se destaca a valorização de culturas fragilizadas pela música imposta pelo mercado. Essa característica se evidencia nos concertos regidos pelo maestro ao redor do mundo, que recuperam músicas indígenas da Amazônia e de aldeias africanas.

Marcante em sua carreira, o primeiro coro fundado por Lutero conta com seu frequente apoio artístico. Em 2012, ele recebe com o grupo o prêmio de melhor conjunto coral, concedido pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Em 2015, atua como diretor artístico do Coro Luther King no concerto I Have a Dream, realizado em homenagem ao pastor batista americano Martin Luther King (1929-1968), no Museu Afro Brasil.

De 2013 a 2016, Lutero atua como diretor artístico do Coral Paulistano Mário de Andrade e, nessa década, torna-se presidente da Associação Brasileira de Regentes de Coros. Ao longo da carreira, recebe diversas homenagens, como o título de Cidadão Paulistano, proposto pela Câmara Municipal de São Paulo, o de Cidadão Honorário de Moçambique e de Milão e a Comenda Papal da Ordem de São Luiz Nono do Estado do Vaticano.

Ao valorizar a presença de culturas populares e não hegemônicas nos coros, Martinho Lutero promove a difusão e o desenvolvimento do canto conjunto em uma atitude crítica e política. Suas ações aproximam centenas de pessoas da música, contribuindo para o desenvolvimento e a preservação da arte.

Outras informações de Martinho Lutero Galati de Oliveira:

  • Habilidades
    • Regente/maestro
    • Professor

Eventos relacionados (4)

Fontes de pesquisa (9)

  • AZEVEDO, Vera. Moçambique em Cena: Nação, Género e Modernidade no Teatro (Maputo 1992-2010). 2010. Dissertação (III Mestrado em Antropologia Social e Cultural) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/6204/1/Mo%c3%a7ambique%20em%20Cena.pdf. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • CANTOSOSPESO. Site Oficial do Grupo. Milão, 2020. Disponível em: https://www.cantosospeso.it. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • CORO Luther King realiza concerto no Museu Afro Brasil. Museu Afro Brasil, São Paulo, 11 jul. 2015. Disponível em: http://www.museuafrobrasil.org.br/noticias/detalhe-noticia/2015/06/11/coro-luther-king-realiza-concerto-no-museu-afro-brasil. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • CORO Luther King. SP Cultura. São Paulo, 22 mar. 2016. Disponível em: http://spcultura.prefeitura.sp.gov.br/evento/24998. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • JORNAL da Cultura 1 - 26/03/2020. Jornalismo TV Cultura. São Paulo: TV Cultura, 2020. (40 min). Disponível em: https://youtu.be/EtUtABpQ-MU. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • MAESTRO Martinho Lutero Galati de Oliveira morre em São Paulo. G1. São Paulo, 26 mar. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2020/03/26/maestro-martinho-lutero-galati-de-oliveira-morre-em-sao-paulo.ghtml. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • MORRE o maestro brasileiro Martinho Lutero Galati de Oliveira. ISTOÉ, São Paulo, 26 mar. 2020. Disponível em: https://istoe.com.br/morre-o-maestro-brasileiro-martinho-lutero-galati-de-oliveira. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • MORREM dois regentes brasileiros em decorrência do coronavírus. Uol, São Paulo, 26 mar. 2020. Disponível em: https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2020/03/26/morrem-dois-regentes-brasileiros-em-decorrencia-do-coronavirus.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • SÃO PAULO. Câmara Municipal. Projeto de decreto legislativo PDL 02-0091/2009. Dispõe sobre a outorga do título de Cidadão Paulistano ao Maestro Martinho Lutero Galati de Oliveira. Disponível em: http://splegisconsulta.camara.sp.gov.br/ArquivoProcesso/GerarArquivoProcesso?COD_MTRA_LEGL=2&NUM_MTRA_LEGL=91&ANO_MTRA_LEGL=2009&volume=1. Acesso em: 26 mar. 2020.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MARTINHO Lutero Galati de Oliveira. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa620619/martinho-lutero-galati-de-oliveira>. Acesso em: 14 de Mai. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7