Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Lui Farias

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.11.2020
09.09.1958
Luis Mario Chicharo de Farias (Nova Friburgo, Rio de Janeiro, 1958). Diretor, roteirista, produtor e ator. Filho do diretor e produtor Roberto Farias (1932), participa do ambiente cinematográfico desde a infância. A estreia no cinema se dá como ator, aos 13 anos, em As Aventuras Com Tio Maneco (1971), dirigido por Flávio Migliaccio (1934-2020). ...

Texto

Abrir módulo

Luis Mario Chicharo de Farias (Nova Friburgo, Rio de Janeiro, 1958). Diretor, roteirista, produtor e ator. Filho do diretor e produtor Roberto Farias (1932), participa do ambiente cinematográfico desde a infância. A estreia no cinema se dá como ator, aos 13 anos, em As Aventuras Com Tio Maneco (1971), dirigido por Flávio Migliaccio (1934-2020). Trabalha como assistente de direção em Pra Frente, Brasil (1982), de Roberto Farias, e em Aguenta, Coração (1982), dirigido pelo tio Reginaldo Faria (1937). 

Em 1985, estreia como diretor em Com Licença, Eu Vou à Luta, filme baseado no livro autobiográfico da escritora Eliane Maciel (1965). Reconhecido no Festival de Gramado, de 1986, ganha prêmios em diversas categorias, entre eles, o de melhor roteiro para Lui Farias e o de melhor atriz para Marieta Severo (1946). Em 1989, lança o longa-metragem o policial Lili, a Estrela do Crime, com a atriz Betty Faria (1941) no papel principal. No mesmo ano, o filme ganha o prêmio de melhor cenografia no Festival de Cinema de Brasília. 

O diretor trabalha em programas de TV e na produção de videoclipes. Em 2007, dirige o longa-metragem infanto-juvenil Os Porralokinhas.

Lui Farias é conhecido pelo público pela direção de Com Licença, Eu Vou à Luta, filme visto por mais de um milhão de espectadores e baseado no livro best seller da escritora Eliane Maciel, e Lili, a Estrela do Crime, narrativa que se aproxima da linguagem de histórias em quadrinhos. 

O primeiro filme é ambientado no município de Nilópolis, na Baixada Fluminense, e conta a história de Eliane [Fernanda Torres (1966)], uma adolescente de classe média-baixa, que se apaixona por Otávio [Carlos Augusto Strazzer (1946-1993)], homem 18 anos mais velho. Disposta a enfrentar a proibição e os preconceitos sociais, a jovem inicia a luta pela liberdade e pelo futuro do relacionamento amoroso. Lui Faria imprime ao filme uma narrativa direta, com base no trabalho dos atores e do fotógrafo. Opta por uma luz naturalista, para manter a atenção do espectador na história.

Em Lili, a Estrela do Crime – inspirado no romance Lili Carabina (1988), do escritor Aguinaldo Silva (1944) –, o cineasta faz uso de flashbacks, para construir uma narrativa não linear, com influência da linguagem de quadrinhos policiais. A história tem como ponto de partida a morte do marido de Elisa do Nascimento, interpretada por Betty Faria, que a deixa em situação financeira complicada. Ela conhece um assaltante de bancos e entra para o crime, transformando-se em uma bandida temida pela polícia. 

Os dois filmes são baseados em histórias reais, mas diferem na forma com que Lui Farias decide contá-las. Apesar da curta filmografia, essa variedade narrativa faz o diretor destacar-se no cinema nacional dos anos de 1980, pela capacidade de realizar adaptações literárias e pela inovação estilística.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • BILHARINHO, Guido. O cinema brasileiro nos anos 80. Uberaba: Instituto Triangulino de Cultura, 2002.
  • FILME B, Portal de Cinema. Disponível em: http://www.filmeb.com.br/quemequem/html/QEQ_profissional.php?get_cd_profissional=PE271. Acesso em: 28 abr. 2012.
  • FILME Cultura. Diretores estreantes: 27 depoimentos sobre a experiência de realizar o primeiro longa-metragem. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 48, nov. 1988. p. 70-74.
  • PICCHIARINI, Ricardo; ORTIZ, Claudia. Com Licença, Eu Vou À Luta. São Paulo: Apontamentos 75, 1992.
  • RETROSPECTIVA do Cinema Brasileiro. Apresentação Danilo Santos de Miranda; texto Alessandra Meleiro, Steve Solot, Marco Farani, Marcelo Gil Ikeda, Carlos Augusto Calil, Fernando Mascarello, Stephanie Dennison, Katia Augusta Maciel. São Paulo: Sesc, 2008. SPsesc 2008/m

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: