Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Lygia Fagundes Telles

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 05.04.2022
19.04.1923 Brasil / São Paulo / São Paulo
03.04.2022 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Lygia Fagundes Telles, s.d.

Lygia Fagundes Telles (São Paulo, São Paulo, 1923 - idem, 2022). Romancista e contista. Entre a perscrutação subjetiva, o trabalho com a memória e a perspectiva imaginativa, a prosa de Lygia Fagundes Telles dedica-se a explorar a complexidade da experiência humana. 

Texto

Abrir módulo

Lygia Fagundes Telles (São Paulo, São Paulo, 1923 - idem, 2022). Romancista e contista. Entre a perscrutação subjetiva, o trabalho com a memória e a perspectiva imaginativa, a prosa de Lygia Fagundes Telles dedica-se a explorar a complexidade da experiência humana. 

Passa a infância no interior do estado de São Paulo, em razão do trabalho do pai. Aos 8 anos, transfere-se com a mãe para a capital, e em seguida passa cinco anos no Rio de Janeiro. De volta a São Paulo, matricula-se na Escola Caetano de Campos, onde conclui os estudos em 1937. Financiada pelo pai, publica a coletânea de contos Porões e Sobrados (1938). 

Ingressa na Faculdade de Direito do Largo São Francisco e emprega-se na Secretaria de Agricultura. Seu segundo livro, Praia Viva, é lançado em 1944, um ano antes de seu bacharelado. Lygia exerce a profissão durante algum tempo, mas a abandona pelas letras, tornando-se colaboradora do jornal A Manhã, para o qual escreve crônica semanal. 

Ciranda de Pedra (1954), seu primeiro romance, é o livro com o qual a escritora atinge a maturidade literária, segundo o crítico literário Antonio Candido (1918-2017). A narrativa centra-se em dois momentos da trajetória da personagem Virgínia: a infância solitária, dividida entre pais separados, e a volta da jovem à casa do pai. Preconceito contra filhos de casais divorciados, saúde mental, suicídio, homossexualidade e falsa paternidade são algumas das dificuldades que a protagonista enfrenta em seu crescimento.

Escreve com o ensaísta Paulo Emílio Salles Gomes (1916-1977), o roteiro cinematográfico de Capitu (1967), inspirado no romance Dom Casmurro (1899), de Machado de Assis (1839-1908)

A introspecção psicológica e o aspecto imaginativo se destacam como temas de Lygia Fagundes Telles, o que se verifica nos contos de Antes do Baile Verde (1970). “Venha Ver o Pôr do Sol”, por exemplo, trata de um personagem sombrio, cuja humanidade ambígua provoca a reflexão sobre a natureza do sentimento amoroso. O amor, aliás, por vezes conduz à frustração ou ao retrato da hipocrisia. Para as protagonistas femininas e oprimidas pelas dificuldades da realização de desejos, há o encontro com a impossibilidade de idealização. No que concerne aos homens, o conto “Eu Era Mudo e Só” (1970) é exemplar: integrando o que considera uma realidade de "cartão-postal", o protagonista abre mão de suas aspirações por uma família de aparências perfeitas.

Na ficção de Lygia, os recursos tradicionais da narrativa são manipulados de acordo com a inclinação para investigar os efeitos das relações entre os sujeitos e dos sujeitos com o mundo sobre o que há de mais íntimo no ser humano. Em As Meninas (1973), romance ambientado na ditadura militar, a investigação se dá com base nos impactos subjetivos exercidos pela sociedade. O foco narrativo é alternado entre as três meninas que assumem a primeira pessoa. Com mudanças deliberadas e não assinaladas de perspectiva, articulam-se o discurso indireto livre, o monólogo interior e o discurso direto. Os recursos terminam por oferecer diferentes pontos de vista a respeito de uma mesma situação, em trechos que eventualmente recuperam um único episódio.

O intervalo de tempo das narrativas costuma ser breve, sobretudo por causa da retratação de conflitos internos. Nos contos, pode-se tratar de um rápido encontro entre personagens ou de instantes de reflexão.

No romance As Meninas, o recorte objetivo é também diminuto: o período de uma greve estudantil, em que as protagonistas dedicam-se às próprias questões e aos momentos que passam juntas no pensionato onde moram. É o tempo subjetivo, portanto, que sustenta a narrativa: lembranças recentes ou longínquas trazem à tona acontecimentos passados com forte peso para a configuração presente. No que diz respeito ao espaço, embora a cidade de São Paulo seja o ambiente prevalente, todos os dados objetivos são convocados como correlatos do estado de fragilidade emocional dos personagens. 

Lygia integra, em 1976, o grupo de intelectuais que vai a Brasília entregar o Manifesto dos Mil, contra a censura. O posicionamento político se insinua na ficção da autora em Seminário dos Ratos (1977), uma alegoria em que homens e ratos se invertem. Escrito sob o signo da ditadura, o conto reconfigura a realidade, elaborando uma referência cifrada à condição então vivida pelo Brasil. Da mesma coletânea, o conto “Noturno Amarelo” é um longo e improvável passeio pelo âmbito do sonho, concentrado nos devaneios da protagonista.

Publica A Disciplina do Amor (1980), obra que consiste em fragmentos de memórias enlaçados a incursões pelo fantástico, que dão novo significado ao real. É eleita para a Academia Brasileira de Letras em 1985. Na mesma década, publica o romance As Horas Nuas (1989). 

Nos anos 1990, duas coletâneas de contos são lançadas, A Estrutura da Bolha de Sabão (1991) e A Noite Escura e Mais Eu (1995). Narrativas ligadas à memória ou que abordam as descobertas ao longo do amadurecimento predominam nos anos 2000, em livros como Invenção e Memória (2000) e Durante Aquele Estranho Chá (2002). Em 2005, recebe o Prêmio Camões e, em 2011, publica Passaporte para a China, relato de viagem sobre a participação da escritora no evento comemorativo do 11º aniversário do socialismo chinês, em 1960.

Explorando a subjetividade e as fronteiras do real, a prosa de Lygia Fagundes Telles passa tanto por tramas de teor intimista ou familiar quanto por narrativas que distorcem a realidade a fim de compreendê-la.

Obras 24

Abrir módulo

Espetáculos 5

Abrir módulo

Mídias (3)

Abrir módulo
"A Literatura de Lygia Fagundes Telles - Uma Homenagem"
Mesa "A Literatura de Lygia Fagundes Telles - Uma Homenagem" com Lygia Fagundes Telles, Fabricio Carpinejar, Marcelino Freire e mediação de Flávio Carneiro.
Lygia Fagundes Telles - Jogo de Idéias - Parte 1

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • CADERNOS de Literatura Brasileira: Lygia Fagundes Telles. v.5. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1998.
  • CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: ______. A Educação pela Noite. 5.ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.
  • LUCAS, Fábio. Mistério e magia. In: TELLES, Lygia Fagundes. Antes do baile verde. 3ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.
  • LUCENA, Suênio Campos de. Esquecimento e lembrança em Lygia Fagundes Telles. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.
  • MENEZES, Raimundo. Dicionário Literário Brasileiro. 2ª Ed. Rio de Janeiro: LTC - Livros Técnicos e Científicos, 1978.
  • MOLINERO, Bruno. Morre Lygia Fagundes Telles, imortal da ABL e grande dama da literatura brasileira. Folha de S. Paulo, São Paulo, 03 abr. 2022. Obituário. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2022/04/morre-aos-98-anos-escritora-lygia-fagundes-telles-academica-da-abl.shtml. Acesso em: 03 abr. 2022.
  • MONTEIRO, Leonardo et al. Lygia Fagundes Telles. São Paulo: Abril Educação, 1980. Coleção Literatura Comentada.
  • PONTES, Joel. O mundo ficcional de Lygia Fagundes Telles. In: ______. O aprendiz de crítica. Recife: Editora do Recife, 1955.
  • SILVA, Vera Maria Tietzmann. A metamorfose nos contos de Lygia Fagundes Telles. Rio de Janeiro: Presença Edições, 1985.
  • SILVERMAN, Malcom. O mundo ficcional de Lygia Fagundes Telles. In: _______. Moderna ficção brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: