Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Elisa Lucinda

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.08.2022
02.02.1958 Brasil / Espírito Santo / Cariacica
Elisa Lucinda (Cariacica, Espírito Santo, 1958). Escritora, atriz, cantora, jornalista, professora. Artista versátil e atenta às questões sociais brasileira, estrutura sua carreira, desde a década de 1980, com fluidez e trânsito entre diferentes expressões e linguagens artísticas, todas mediadas por seu principal instrumento de trabalho: a poesia.

Texto

Abrir módulo

Elisa Lucinda (Cariacica, Espírito Santo, 1958). Escritora, atriz, cantora, jornalista, professora. Artista versátil e atenta às questões sociais brasileira, estrutura sua carreira, desde a década de 1980, com fluidez e trânsito entre diferentes expressões e linguagens artísticas, todas mediadas por seu principal instrumento de trabalho: a poesia.

Formada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), exerce a profissão de jornalista até 1986, quando decide se mudar para o Rio de Janeiro e concretizar o sonho, alimentado desde a infância, de se tornar atriz. Durante os últimos anos da década de 1980 e os primeiros da década de 1990, trabalha em peças de teatro e filmes nacionais, consolidando a sua trajetória como atriz e recebendo prêmios em importantes festivais de cinema, como o de atriz revelação no Festival de Cinema de Brasília, em 1989. Nesse mesmo ano, estreia no teatro com Rosa, um musical brasileiro, do diretor Domingos Oliveira (1936-2019). Recebe convites para participar de algumas produções na televisão e estreia na novela Kananga do Japão (1989), da diretora Tizuka Yamasaki (1949), exibida pela TV Manchete.

Simultaneamente à carreira de atriz, firma sua trajetória também na literatura. Ao se dedicar ao estudo de interpretação teatral, conecta a prática cênica ao trabalho com as palavras, alicerce fundamental de sua expressão artística. Em 1992 lança o primeiro livro de poemas A lua que menstrua, publicado de maneira independente. A essa primeira publicação, seguem-se mais 17 obras de gêneros variados, como poesia, prosa poética, texto teatrais e romances. Em 2010, publica Parem de falar mal da rotina, adaptação literária do texto da peça homônima de 2002, escrita, atuada e dirigida por ela, e que se torna um grande sucesso de público. A peça rememora, de maneira cômica, histórias vividas por Elisa, que narram as pequenas belezas ordinárias que compõem o cotidiano. Em 2016, lança seu primeiro romance Fernando Pessoa, cavaleiro do nada, pela Editora Record. Escrito como uma espécie de autobiografia ficcionalizada do célebre autor português, o livro recebe reconhecimento de importantes nomes da literatura, como o escritor moçambicano Mia Couto (1955), que assina o prefácio da obra.

Muito embora seja autora de diversos livros, uma das características mais importantes da criação literária da escritora é, sobretudo, a capacidade de apresentar a poesia falada, de maneira popular, com traços de oralidade que aproximam o poema do público ao mesmo tempo em que aproxima o público da poesia, democratizando a prática da escrita lírica. 

Uma poesia contada, falada, cantada, que retira os contornos cerimoniosos que, por vezes, parecem querer definir o fazer poético. O escritor Nei Lopes (1943) chama a atenção para essa qualidade da obra da artista ao afirmar que ela “acredita que o fazer poético precisa desmistificar a memorização sem reflexão de quem leva a poesia para uma audiência".1 Esse modo de atuar a poesia é bem recebido em sua chegada ao Rio de Janeiro, em meados da década de 1980: enquanto estuda teatro, atua em bares e pequenos shows, apresentando seus poemas e cativando um público que se interessa por seus textos publicados, o que lhe garante algum retorno financeiro da poesia e o incentivo necessário para a continuidade de sua escrita. Conhecida não apenas como atriz, mas também como poeta e cantora, essas atividades lhe abrem possibilidades para atuar em outras frentes de trabalho. Participa ainda de produções que a aproximam da música, tanto no teatro como na televisão, interpretando personagens como as cantoras Pérola, da novela Mulheres apaixonadas (2010), dirigida por Manoel Carlos (1933), e Ester Rios da peça L., o musical (2017), do diretor Sérgio Maggio (1967), que esteve em cartaz nas grandes capitais do país.

Como mulher negra, a artista também tem olhar atento à realidade brasileira, em especial à da população ainda marginalizada. Voz atuante nos debates sobre racismo e feminismo, participa de algumas estratégias de promoção de cidadania e formação de leitores. A Casa Poema, por exemplo, fundada por ela e pela atriz Geovana Pires no Rio de Janeiro em 2008, oferece cursos e aulas de poesia falada, com foco em grupos minorizados, como mulheres e pessoas negras, e prioriza a contratação de pessoas trans. Em 2009, recebe do Senado Federal o prêmio Mulher Cidadã Bertha Lutz, em reconhecimento ao seu trabalho como escritora e ativista dos direitos das mulheres.

Sua atuação no teatro, cinema e televisão continua ativa nas décadas seguintes, com participações em diversas telenovelas, séries e programas na televisão, além de mais de 15 filmes nacionais, como o premiado A última estação (2012), do diretor Marcio Curi (1947-2016), e Por que você não chora? (2019) da diretora Cibele Amaral, pelo qual ganha o prêmio especial do júri do 48º Festival de Cinema de Gramado, em 2020.

Artesã da palavra, a atuação de Elisa Lucinda está intimamente ligada ao fazer poético como possibilidade de inscrição no mundo, por meio da expressão cênica, musical ou literária. A pluralidade que imprime à sua trajetória sinaliza a importância da autoria da poesia falada que ela incorpora em sua carreira e demarca uma persona artística engajada e múltipla.

Notas

1. LOPES, Nei. Afro-Brasil reluzente: 100 personalidades notáveis do século XX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019, p. 174.

 

Obras 14

Abrir módulo

Espetáculos 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ANDRADE, Isabelle de. L., o musical reúne forte elenco de atrizes e estreia nesta quinta. Correio Braziliense, Brasília, 10 ago. 2017. Caderno Diversão e Arte. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e arte/2017/08/10/interna_diversao_arte,616545/l-o-musical-estreia-nesta-quinta.shtml. Acesso em: 21 ago. 2021.
  • DICIONÁRIO CRAVO ALBIN DE MÚSICA POPULAR BRASILEIRA. Verbete Elisa Lucinda. Disponível em: https://dicionariompb.com.br/elisa-lucinda/biografia. Acesso em: 20 ago. 2021.
  • ESTAÇÃO Sabiá entrevista Elisa Lucinda. [Entrevista cedida à] Regina Zappa. São Paulo, TV 247, 9 maio 2019. (57 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=PWJMVsraeRk. Acesso em: 20 ago. 2021.
  • LOPES, Nei. Afro-Brasil reluzente: 100 personalidades notáveis do século XX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019.
  • REFERÊNCIA. Direção: Ricardo Bravo. Rio de Janeiro, Bravofilmes, 1988. (12 min), son., color. Disponível em: https://portacurtas.org.br/filme/?name=referencia. Acesso em: 21 ago. 2021.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: