Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Cyria Coentro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
14.04.1966 Brasil / Bahia / Salvador
BiografiaCyria Cristina Rocha Coentro (Salvador, BA, 1966). Atriz. Formada em interpretação teatral pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), seu primeiro trabalho é como artista performática, integrante do elenco da obra Anestesia (1988), dirigida Paulo Dourado, numa produção da Fundação Gregório de Mattos, em Salvador. Com o mesmo diretor, at...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Cyria Cristina Rocha Coentro (Salvador, BA, 1966). Atriz. Formada em interpretação teatral pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), seu primeiro trabalho é como artista performática, integrante do elenco da obra Anestesia (1988), dirigida Paulo Dourado, numa produção da Fundação Gregório de Mattos, em Salvador. Com o mesmo diretor, atua na peça Recital da Novíssima Poesia Baiana (1989), do grupo Los Catedrásticos, projeto teatral mais importante e longevo de sua carreira. O sarcástico recital, montado despretensiosamente durante um período de greve na universidade e apresentado na Faculdade de Arquitetura, em 1989, tem grande repercussão e empatia do público.

Com a companhia, que passa a ter um lugar de destaque na história do teatro baiano, Coentro se apresenta em outras montagens, como Bróder: Uma Odisseia Fantástica (1992) e Suburra (1997). Na década de 1990, atua no cinema, em O Diário do Convento (2001), de Edyala Iglesias (um dos três episódios do longa-metragem 3 Histórias da Bahia), trabalha em peças fora de Salvador, participa de vários cursos e oficinas e estreia em novelas e seriados da TV Globo. Em São Paulo, integra o elenco de Mistérios Gozosos (1995), dirigida por José Celso Martinez Corrêa (1937). No Rio de Janeiro, participa do espetáculo Dizem de Mim o Diabo (1994), da diretora Ana Kfouri (1957). Tem seu primeiro papel fixo na televisão interpretando a personagem Matilde em Viver a Vida (2009), de Manoel Carlos (1933). Volta a atuar no cinema em Era uma Vez (2008), e Gonzaga - De Pai pra Filho (2012), ambos de Breno Silveira (1964). No retorno a Salvador, adere à ideia de atualizar o Recital da Novíssima Poesia Baiana com as "novas letras" do Carnaval baiano, e se junta aos antigos colegas de elenco na comédia Los Catedrásticos - Nova Mente, um dos sucessos do teatro local em 2012. 

Comentário crítico
Cyria Coentro é uma artista múltipla, com distintas linhas de atuação em seu repertório de trabalho, seja pelo espectro diverso de tipos que representa - passando da comédia mais sarcástica ao drama -, seja pelos meios em que atua: teatro, televisão e cinema. O timbre vocal grave e marcante, a emotividade e a capacidade de comover chamam atenção de diretores e produtores de elenco, sobretudo no cinema e na TV. Já no teatro, desde quando se revela nos palcos de Salvador, no final dos anos 1980, a comédia é a marca predominante de seus personagens, que transitam entre a ironia, a irreverência e o escracho.

Sua primeira apresentação de destaque, junto do grupo Los Catedrásticos, é em Recital da Novíssima Poesia Baiana. Na peça, versos de canções famosas do Carnaval de Salvador são declamados pelo elenco de forma irônica e até mesmo mordaz, dando efeito nonsense ao repertório musical selecionado. Ao vê-la atuar nessa fase inaugural do grupo, o público baiano passa a conhecer uma atriz cômica e carismática, e que - paralelamente - surpreende ao afirmar que não se sente confortável em montagens caracterizadas pela comicidade.

Para a atriz, enquanto no drama as suas motivações para a construção de um personagem são buscadas interiormente, o que é de certa forma mais confortável, na comédia os recursos da composição vêm de fora para dentro: a graça pode emergir tanto do feedback dado pelos artistas com quem contracena, quanto da contextualização das ideias, exigindo um vínculo intenso com o público. Essa capacidade de provocar o riso aliada ao êxito e à longevidade de Los Catedrásticos populariza a imagem Cyria Coentro na cena local e lhe possibilita participar de outros projetos.

É o caso do trabalho com José Celso Martinez Corrêa. Como resultado de uma oficina ministrada pelo diretor da qual Cyria participa, no início dos anos 1990 (período em que pesquisa para a produção da peça Bacantes), a atriz interpreta Semele, mãe de Dionísio. Mais tarde, já lançado oficialmente, o espetáculo de Zé Celso se consagra como um dos acontecimentos teatrais do país. O encenador leva-o então à capital baiana e convida o Los Catedrásticos para uma participação especial. Cyria, que havia participado apenas da oficina, volta a integrar o grupo do diretor, um dos mais prestigiados do teatro brasileiro. O contato com Martinez resulta em ainda mais um trabalho na peça Mistérios Gozosos, adaptada da obra homônima de Oswald de Andrade (1890-1954).

Na televisão, Cyria vive personagens secundários, a exemplo da artista plástica Juliana, que tem uma história de amor com a universitária Celeste na minissérie Dona Flor e seus Dois Maridos (1998), e da empregada Matilde, da novela Viver a Vida, uma mulher dedicada à família e ao casamento com um homem conservador e machista.

É no cinema, efetivamente, que Cyria Coentro torna mais evidente o seu potencial dramático, afastando-se das comédias que têm caracterizado a sua atuação nos palcos. No filme Era Uma Vez (2008), de Breno Silveira, a tragédia sela o destino da sua personagem Bernadete, que enfrenta a dor da morte de seus três filhos. Graças a esse papel, Coentro é chamada pelo mesmo cineasta para dar vida à sertaneja Santana, a mãe do cantor e compositor Luiz Gonzaga, e supera o desafio de colocar afeto nos olhos de uma mulher seca, dura, maltratada pelo sol e pela fome. A atriz participa, ainda, do longa-metragem O Tempo e o Vento (2013), do diretor Jayme Monjardim (1956).

Espetáculos 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: