Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Evelin Buchegger

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1972 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
BiografiaEvelin Dinorah Beltrão Buchegger (Rio de Janeiro RJ 1972). Atriz. Nasce no Rio de Janeiro, mas passa sua infância em Dias D'ávila, interior da Bahia. Em 1990, aos dezoito anos, muda-se para Salvador. Trabalha e procura dar início aos seus estudos de teatro. Ingressa, então, no Curso Livre de Teatro de Escola de Teatro da UFBA. Integra o...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Evelin Dinorah Beltrão Buchegger (Rio de Janeiro RJ 1972). Atriz. Nasce no Rio de Janeiro, mas passa sua infância em Dias D'ávila, interior da Bahia. Em 1990, aos dezoito anos, muda-se para Salvador. Trabalha e procura dar início aos seus estudos de teatro. Ingressa, então, no Curso Livre de Teatro de Escola de Teatro da UFBA. Integra o elenco de As Aves, de Aristófanes, com direção de Armindo Bião, e começa a receber convites para outros trabalhos. No espetáculo de encerramento do curso, trabalha com Joana Schnitman, em A Lira dos Vinte Anos (1992) é dirigida por Deolindo Checcucci, com o diretor Paulo Dourado participa da montagem de teatro de rua Os Menestréis do Pelô (1992 e 1993). Entre 1993 e 1995 faz duas montagens com Carmen Paternostro: Merlin ou A Terra Deserta, e Otelo. Atua na peça Divinas Palavras (1998), com a direção de Nehle Franke, e entra para a Companhia de Teatro da Bahia a convite das atrizes Andrea Elia e Ana Paula Bouzas. Ainda em 1998, apresenta Carne Fraca e Noite na Taverna, ambas com o diretor Fernando Guerreiro, com quem trabalha diversas vezes, entre elas em Idiotas que Falam Outra Língua, pela qual recebe o prêmio Copene de Teatro na categoria melhor atriz. Em outra parceria com Guerreiro, Brasis (2002), sua atuação é novamente consagrada com o Prêmio Braskem de Teatro.

Inicia, então, uma sequência de trabalhos para televisão e cinema, entre eles Bêbado em Cama Alheia (2004), exibido na TVE-Bahia, e os longas-metragens Anjos do Sol (2006), de Rudi Lagemann; Jardim das Folhas Sagradas (2011), de Pola Ribeiro, e O Homem Que Não Dormia (2011), de Edgard Navarro. Em 2008, estreia como vocalista da Banda Limusine, em espetáculo com direção artística de Márcia Andrade e direção musical de Jerry Marlon.

Comentário crítico
A atriz Evelin Buchegger é reconhecida pela versatilidade dos trabalhos que realiza. Transita com desenvoltura entre os gêneros, sendo convidada a atuar tanto em comédias e sátiras escrachadas quanto em dramas pesados e densos. Importante expoente de sua geração de atrizes, se destaca pela incrível capacidade de metamorfosear-se na construção das personagens, tornando-se irreconhecível nos mais diferentes papéis que interpreta ao longo de sua trajetória artística.

Sua mãe, uma cantora carioca, é uma importante influência que a impulsiona na busca por uma carreira artística. A relação com a música e as lições aprendidas em casa podem ser vistas de diversas maneiras em seus trabalhos, seja no uso da voz ou, de modo mais direto, em suas participações em espetáculos musicais.

Capaz de trabalhar o humor de modo inteligente, explora com competência as possibilidades cômicas oferecidas por textos e situações dramáticas. O improviso é também um elemento marcante em sua trajetória, e aparece cedo, quando participa de algumas peças ainda na adolescência.

O divisor de águas em seu trabalho é a montagem de Divinas Palavras, com direção de Nehle Franke, quando mergulha numa intensa investigação a partir do texto do dramaturgo espanhol Ramón Del Valle-Inclán e do universo sonoro de Xangai e Elomar. A peça recebe diversas críticas elogiosas e prêmios pelo país, como o prêmio Shell de Melhor Direção.

Espetáculos 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: