Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Nadja Turenko

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.09.2016
07.01.1968 Brasil / Pará / Belém
19.09.2016 Brasil / São Paulo / São Paulo
Nadja Santana Turenko (Belém, Pará, 1968 - São Paulo, São Paulo, 2016). Atriz, diretora, preparadora corporal e roteirista. Aos 13 anos, começa a fazer teatro na escola. Participa de cursos e oficinas de artes cênicas, até ingressar no circuito profissional. É cofundadora e atriz da Companhia de Interesses Teatrais (CIT), grupo que, embora de tr...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Nadja Santana Turenko (Belém, Pará, 1968 - São Paulo, São Paulo, 2016). Atriz, diretora, preparadora corporal e roteirista. Aos 13 anos, começa a fazer teatro na escola. Participa de cursos e oficinas de artes cênicas, até ingressar no circuito profissional. É cofundadora e atriz da Companhia de Interesses Teatrais (CIT), grupo que, embora de trajetória curta, monta dois espetáculos com diretores de destaque no cenário baiano: Microcaosmo (1989), dirigido por Paulo Dourado, e Josefina, a Cantora dos Ratos (1990), por Márcio Meirelles.

Viaja à França para estudar Mímica Corporal Dramática, onde forma-se pela Ecole de Mime Corporel Dramatique de Paris (1990-1995) e, ainda como estudante da instituição, integra a companhia Theatre de l’Ange Fou, com a qual faz apresentações pela Europa e Estados Unidos, de 1992 a 1995, tornando-se mais tarde membro permanente do grupo.

Volta a Salvador e estreia o monólogo O Banquete de Alice, em 1996, inspirado na obra de Lewis Caroll e com direção de Elisa Mendes. No ano seguinte, dirige seu primeiro espetáculo profissional, Clarices, a convite das jovens atrizes Débora Moreira e Maria Marighella. O projeto leva à criação do Núcleo Criativo e Solidário de Produções Artísticas, que inclui a diretora, as atrizes e George Mascarenhas, assistente de direção em Clarices.

Em 1999, atua no monólogo Todas as Horas do Fim e dirige a atriz Rita Assemany em Três Mulheres e Aparecida. As duas atrizes encontram-se no elenco de As Coisas Boas da Vida, dirigido por Ana Kfouri. No cinema, Nadja atua no episódio O Diário de um Convento, dirigido por Edyala Yglesias, que integra o filme 3 Histórias da Bahia (2001). Participa também de Jardim das Folhas Sagradas (2006), de Pola Ribeiro, e Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha (2009), de Ícaro Martins e Helena Inês, lançado no mesmo ano em que se muda para São Paulo. Nos anos seguintes, compõe os elencos de Tragicomédia de um Homem Misógino (2010) e O Estranho Familiar (2011), ambos com direção de André Guerreiro Lopes. Em 2012, volta a dirigir a atriz Maria Marighella em Ensaio de Casamento.

Análise
A carreira profissional de Nadja Turenko tem como base a Mímica Corporal Dramática, técnica de teatro físico que consiste em aprofundar o movimento do corpo na sua relação com o drama e os elementos da fala, como pausa, hesitação, fluência. Desde 1990, Nadja estuda e tem aplicado tal técnica como ferramenta na construção de seus personagens e como encenadora e preparadora de elenco.

Aliás, outra característica de seu trabalho é a trajetória como atriz e diretora de elenco – atividades que sempre desenvolveu paralelamente.  A alternância de papéis se dá também em outro âmbito: no da experiência com outros artistas. Foi assim, por exemplo, com Rita Assemany, atriz que a dirigiu em Todas as Horas do Fim, espetáculo no qual Nadja realiza um entrecruzamento dramático de falas e escritos tem da cantora norte-americana Janis Joplin e do dramaturgo francês Antonin Artaud. No mesmo ano, Nadja dirige Rita em Três Mulheres e Aparecida, com texto de Aninha Franco.

Todas as Horas do Fim integra o repertório do grupo Teatro por um Fio - Núcleo Criativo e Solidário de Produções Artísticas, cofundado por Nadja, cuja proposta é exatamente a realização de espetáculos com a alternância das funções de direção, atuação e dramaturgia. O projeto nasce depois da bem-sucedida experiência de Clarices, estreia de Nadja como diretora. Ela, o elenco e o assistente de direção George Mascarenhas formam o grupo que dura até 2008 e realiza seis montagens.  

O trabalho do núcleo sublinha o interesse de Nadja em formas narrativas para uma dramaturgia contemporânea, como se vê em alguns de seus projetos: a adaptação de Lewis Carroll para seu primeiro monólogo, O Banquete de Alice, e as contribuições dramatúrgicas para Clarices e Todas as Horas do Fim.

O empenho e os resultados alcançados com a Mímica Corporal Dramática também são outro fator aglutinador do Teatro por um Fio: a técnica passou a ser estudada e aplicada pelos demais membros do grupo. Diplomada pela Ecole de Mime Corporel Dramatique de Paris, os trabalhos e estudos de Nadja Turenko sobre o tema fizeram dela membro permanente da companhia da instituição e colaboram para formatação de um curso regular, quando a escola se transfere para Inglaterra.

Espetáculos 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: