Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Leo Canhoto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.07.2020
1936 Brasil / São Paulo / Anhumas
25.07.2020 Brasil / São Paulo / São Paulo
Leonildo Sachi (Anhumas SP 1936). Cantor, compositor e produtor. Leo Canhoto recebe este apelido pelo fato de ser canhoto e inverter as cordas do violão para tocá-lo. Passa por muitas dificuldades na infância no interior do Paraná, o que o leva a tentar a sorte como músico em apresentações de circo. Com Maurinho, forma a dupla Maurinho e Zé Canh...

Texto

Abrir módulo

Leonildo Sachi (Anhumas SP 1936). Cantor, compositor e produtor. Leo Canhoto recebe este apelido pelo fato de ser canhoto e inverter as cordas do violão para tocá-lo. Passa por muitas dificuldades na infância no interior do Paraná, o que o leva a tentar a sorte como músico em apresentações de circo. Com Maurinho, forma a dupla Maurinho e Zé Canhoto e participa de programas de rádio na Difusora de Londrina. Eles gravam apenas o disco Os Canarinhos do Sertão. Posteriormente, faz parte do trio Campanha, Leo Canhoto e Perigoso, que também não dura muito. Na mesma época, porém, Leo Canhoto começa a se destacar como compositor, com músicas gravadas por duplas como Zilo e Zalo, Pedro Bento e Zé da Estrada, Zico e Zeca; pelo trio Luizinho, Limeira e Zezinho, que canta Só para Mim, de 1963.

Leo Canhoto atua também como empresário e produtor de várias duplas, como Vieira e Vieirinha e Sulino e Marrueiro. Em 1969, conhece Robertinho1 numa temporada em Goiás e forma a dupla mais longeva: Leo Canhoto e Robertinho. Nesse ano, gravam o primeiro disco pela RCA Victor e, em 1972, se tornam a primeira dupla sertaneja a ganhar um disco de ouro devido ao sucesso do corrido Apartamento 37, de 1969, de Leo Canhoto.

Ele recebe, em 1976, do então presidente do Brasil, Ernesto Geisel, a medalha do brasão da República pela música O Presidente e o Lavrador, de 1975. Em 1978, escreve o argumento do longa-metragem Chumbo Quente, dirigido por Clery Cunha, em que atua - ao lado de Robertinho - como protagonista, e lança também um LP com as músicas do filme. No ano seguinte, a canção Motorista de Caminhão, de 1979, de sua autoria, é escolhida como trilha sonora do seriado Carga Pesada, da TV Globo.

A dupla Leo Canhoto e Robertinho se desfaz em 1983, e Canhoto segue carreira solo até 1989, quando voltam a cantar juntos, atuando até os dias de hoje. Frequentemente participam de trabalhos de outras duplas sertanejas que continuam a gravar as músicas de Leo Canhoto, como Chitãozinho e Xororó, que cantam o cateretê Vou Tomá um Pingão (1997), e Milionário e José Rico, que dão voz ao cateretê Último Julgamento (1997). Em toda sua carreira grava mais de 30 discos e dois DVDs, um deles fruto de sua participação no programa MPB Especial, de Fernando Faro.

Leo Canhoto aproveita o sucesso alcançado pela Jovem Guarda e busca uma nova musicalidade que mescle a tradicional música sertaneja com gêneros urbanos estrangeiros dos anos 1960, como o rock, o country e o iê-iê-iê. O próprio figurino da dupla que forma com Robertinho nesse período é inspirado no movimento hippie, com estilo exagerado, se apresentando com camisas de estampados psicodélicos abertas, e uma grande quantidade de medalhões e pulseiras. Como boa parte dos jovens contestadores da época, a dupla usa cabelos compridos, e aparecendo não em cavalos, mas em motocicletas, misturando trajes de couro de boiadeiro com trajes de roqueiro.

Para conquistar o público jovem das grandes cidades, introduz guitarra, baixo e bateria (formação de banda de rock) na música sertaneja. A dupla é produzida por Tony Campello - irmão de Cely Campello, uma precursora do rock no Brasil -, que também produz discos de música sertaneja de cantores ex-Jovem Guarda como Sérgio Reis. A guitarra passa a fazer a marcação de suas canções, como em Motorista de Caminhão (1979) e Segura a Peteca (1979). Algumas composições parodiam a Jovem Guarda, como em Meu Carango (1976), inspirada em O Calhambeque (1964), de Roberto Carlos (1941). No período do regime da ditadura militar (1964-1985), Leo Canhoto e Robertinho conquistam espaço no mercado fonográfico, com canções ufanistas e de apoio ao regime como, por exemplo, Minha Pátria Amada (1971).

Leo Canhoto, ao lado de Robertinho, compõe canções sertanejas com diálogos e efeitos sonoros variados, inspirados nos filmes de bangue-bangue italianos, chamados espaguete western, principalmente os estrelados por Clint Eastwood, muito em moda nos anos 1970, a exemplo de Moreira da Silva e Miguel Gustavo, que introduzem esses efeitos sonoros no samba na década anterior. A dupla brinca com o enredo desses filmes, aludindo a cavalos, tiros e brigas em salões, utilizando recursos de sonoplastia de radionovela, construindo diálogos nas músicas de briga entre heróis e bandidos, propondo finais moralistas, como em Jack, o Matador (1969), Homem Mau (1969), Rock Bravo Chegou para Matar (1970) e Buck Sarampo (1971).  Em suas apresentações, enfim, a dupla atua com recursos cênicos de teatro, encenando essas músicas ao público.

Nota

1. José Simão Alves (Água Limpa, Goias, 1944) escolhe o nome artístico "Robertinho" por sua admiração por Roberto Carlos.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: