Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Antonio Gomide

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 16.06.2022
03.08.1895 Brasil / São Paulo / Itapetininga
31.08.1967 Brasil / São Paulo / Ubatuba
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Casal, 1925
Antonio Gomide
Aquarela
28,00 cm x 28,00 cm

Antônio Gonçalves Gomide (Itapetininga, São Paulo, 1895 – Ubatuba, São Paulo, 1967). Pintor, escultor, decorador e cenógrafo. Antônio Gomide se destaca pela diversidade técnica realiza pinturas a óleo, aquarelas, desenhos, afrescos, cartões para vitrais e projetos decorativos. Apesar de pouco lembrado, é considerado um artista fundamental para o...

Texto

Abrir módulo

Antônio Gonçalves Gomide (Itapetininga, São Paulo, 1895 – Ubatuba, São Paulo, 1967). Pintor, escultor, decorador e cenógrafo. Antônio Gomide se destaca pela diversidade técnica realiza pinturas a óleo, aquarelas, desenhos, afrescos, cartões para vitrais e projetos decorativos. Apesar de pouco lembrado, é considerado um artista fundamental para o modernismo brasileiro pelo caráter versátil e inovador de sua obra, além de ser um dos precursores da arte decorativa no Brasil.

Muda-se com a família para a Suíça em 1913 e frequenta a Academia de Belas Artes de Genebra até 1918, onde estuda com os artistas suíços Eugène Gilliard (1861-1921) e Ferdinand Hodler (1853-1918). Viaja para a França na década de 1920 e trabalha com o pintor francês Marcel Lenoir (1872-1931), com quem aprende a técnica do afresco. De 1924 a 1926, com um ateliê em Paris, conhece pintores ligados ao cubismo e a outros movimentos de vanguarda, como o art déco. 

Um exemplar desse estilo na obra de Gomide é o quadro Retrato de Vera Azevedo (1920), que, na opinião da crítica Maria Alice Milliet, representa a assimilação máxima do art déco no Brasil, pelo caráter altamente estilizado. Já os quadros Paisagem com barcos e Ponte de Saint-Michel (ambos de 1923) revelam a geometrização e a simplificação formal cubistas, aliados a uma paleta com suaves passagens de tons que remete ao pintor francês Paul Cézanne (1839-1906). 

Algumas obras de Gomide revelam ainda afinidades estilísticas com a produção de Vicente do Rego Monteiro (1899-1970) e Victor Brecheret (1894-1955), artistas com os quais o pintor convive em sua estada em Paris. Uma das mais conhecidas é Cristo (1925), em que permanece o trabalho com volumes, do cubismo, mas exclusivamente de formas circulares, ovais e cilindrícas. Num jogo de luz e sombra, a composição de diferentes planos geométricos articulados produz uma distorção da forma, resultando no que Aracy do Amaral (1930) chamou de “falsa escultura”1

O tema religioso aparece também em outras obras, inclusive em formatos diferentes. De volta ao Brasil em 1929, o artista passa a fazer cerâmicas, tapeçarias e vitrais para igrejas. Uma dessas obras é o afresco Santa Ceia (1933-1934), no qual retoma a técnica aprendida com Lenoir, na França, e reinterpreta elementos da arte renascentista. Elvira Vernashi, autora do livro Gomide (1989), que compila a vida e obra do pintor, afirma que o artista passa a produzir trabalhos de cunho religioso por sugestão de amigos, para atingir um público comprador sem, contudo, perder de vista a qualidade estética.  

A produção de Antônio Gomide nas artes decorativas vai além dos objetos de temática religiosa. Com trabalho inovador, atua como artista-decorador em diversos projetos em São Paulo. Realiza parcerias com o arquiteto modernista Gregori Warchavchik (1896-1972) e os artistas Regina Graz (1897-1973) e John Graz (1891-1980). Ao lado desses dois, é considerado um dos introdutores do estilo art déco no Brasil.

A partir do final da década de 1940, o artista se concentra em pintar figuras femininas, especialmente as mulheres de origem afro. São nus e cenas de dança representadas por meio de diferentes técnicas, mas com um elemento comum: a sensualidade – expressa por meio das cores, que se contrastam entre suaves e fortes, e da voluptuosidade das figuras. Nas pinturas de danças, predomina o ritmo, mais do que a fidelidade às linhas e formas. De acordo com Elvira Vernashi, Gomide busca “captar o caráter da religiosidade afro do nosso povo"2. São exemplos dessa fase as obras Roda de samba (1954) e Cena de samba (1956). 

Apesar da intensa produção artística, seu papel no desenvolvimento da arte moderna brasileira é pouco lembrado. Ainda que não tenha participado da Semana de 22, sua obra tem consonância com os princípios estéticos dos principais movimentos de vanguarda do início do século XX. O curador Walter Zanini (1925-2013), responsável pela primeira exposição retrospectiva do artista, realizada em 1968 no Museu de Arte Contemporânea (MAC) da Universidade São Paulo (USP), refere-se ao pintor como “o impossível omitido da história do nosso modernismo”3. À época, como diretor do museu, Zanini realiza uma grande aquisição de obras do artista, a fim de constituir um acervo para pesquisa. A relevância de Antônio Gomide é reconhecida também por Mário de Andrade (1893-1945), que, em exposição de 1927.

É essencial conhecer Antônio Gomide e reconhecer seu papel na constituição da cultura brasileira, afinal, o artista e sua obra trazem muitos traços de brasilidade, como a inventividade, a pluralidade e a versatilidade. Caracteriza-se, assim, como um nome de relevo das artes plásticas no Brasil.  

Obras 44

Abrir módulo
Registro fotográfico Romulo Fialdini

A Samaritana

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Amazonas

Afresco
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Árvores

Aquarela
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Auto-Retrato

Óleo sobre tela

Exposições 168

Abrir módulo

Exposições virtuais 1

Abrir módulo

Feiras de arte 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 19

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Paulo Mendes de. De Anita ao museu. São Paulo: Perspectiva : Diâmetros Empreendimentos, 1976. (Debates, 133). 709.8104 A447d
  • BARDI, Pietro Maria. O modernismo no Brasil. São Paulo: Banco Sudameris, 1978. (Arte e Cultura, 1). 709.8104 B246m 1978
  • BATISTA, Marta Rossetti; LIMA, Yone Soares de. Coleção Mário de Andrade: artes plásticas. São Paulo: USP. IEB, 1984.
  • BRASIL Europa: encontros no século XX. Curadoria Marc Pottier, Jean Boghici. Brasília: Caixa Cultural, 2000. CAT-G DFeccef 2000/b
  • GOMIDE, Antonio. Antonio G. Gomide. São Paulo: A Ponte Galeria de Arte, 1973. il. color.
  • GOMIDE, Antonio. Antonio Gomide. Texto de Walter Zanini. São Paulo: Museu de Arte Contemporânea da USP, 1968.
  • GOMIDE, Antonio; COHN, Glaucia S. (Org.). Antonio Gomide : quatro décadas de modernidade. São Paulo: Dan Galeria, 2001. 64 p., il. p&b color. G633 2001
  • KLINTOWITZ, Jacob. A Cor na arte brasileira : 27 artistas representativos. São Paulo: Volkswagen do Brasil, 1982. 219 p., il. color. 759.98106 K65c
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM. CDR 759.981 L533q
  • MUSEU DE ARTE CONTEMPOR NEA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (MAC USP). Antônio Gomide. Disponível em: http://www.macvirtual.usp.br/mac/templates/projetos/percursos/percursos_gomide_5.asp. Acesso em: 10 out. 2021.
  • MUSEU DE ARTE CONTEMPOR NEA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (MAC USP). Folder da exposição por ocasião do cinquentenário de morte de Antônio Gomide. São Paulo, 2017. Disponível em: https://repositorio.usp.br/directbitstream/29e511f1-9bf7-4620-83e2-b244b36ab2dd/ANA07_gomide.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.
  • O MODERNO e o contemporâneo na arte brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand do Museu de arte Moderna do Rio de Janeiro. Curadoria Agnaldo Farias; versão em inglês Ann Puntch. São Paulo: MASP, 1998. 708.981 M263rjm
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998.
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998. IC 708 P438
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • SILVA, Ivanei da. Panorama do acervo da Casa Guilherme de Almeida no circuito das exposições de artes plásticas. Disponível em: https://www.casaguilhermedealmeida.org.br/museu/panorama-acervo-cga.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.
  • VERNASCHI, Elvira. Comentário crítico e catalogação de Antônio Gomide (1895-1967). São Paulo: ECA/USP, 1980. 184 p.
  • VERNASCHI, Elvira. Gomide. Apresentação Lisbeth Ruth Rebollo Gonçalves. São Paulo: MWM-IFK, 1989. 246 p. , il. color.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1. 709.81 H673 v.1

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: