Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Fernando Balleroni

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 22.10.2019
25.11.1922 Brasil / São Paulo / São Paulo
22.11.1980 Brasil / São Paulo / São Paulo
Fernando Baleroni (São Paulo, São Paulo, 1922 – Idem, 1980). Ator, roteirista, diretor e produtor. Começa a carreira como ator na Rádio Difusora, em São Paulo, em 1944. Integra o elenco de radionovelas e também escreve programas radiofônicos. Em 1949, casa-se com a atriz Laura Cardoso (1927).

Texto

Abrir módulo

Fernando Baleroni (São Paulo, São Paulo, 1922 – Idem, 1980). Ator, roteirista, diretor e produtor. Começa a carreira como ator na Rádio Difusora, em São Paulo, em 1944. Integra o elenco de radionovelas e também escreve programas radiofônicos. Em 1949, casa-se com a atriz Laura Cardoso (1927).

No início da década de 1950, abandona a Rádio Cultura e passa a trabalhar com televisão. Torna-se um dos pioneiros da TV Tupi. Nesse período, junta-se a nomes como Cassiano Gabus Mendes (1927-1993) para produzir programas de entretenimento. Baleroni assina roteiros de atrações humorísticas e quadros para o programa Caravana da Alegria

Em 1953, o ator entra para a equipe de teleteatros da emissora. O principal deles é o programa dominical TV de Vanguarda, que encena clássicos da dramaturgia, ao vivo. 

O pioneirismo também está ligado às experiências em séries de aventura, a exemplo de O Falcão Negro (1954). O ator considera o trabalho ousado e arriscado: nas cenas de luta com facas e espadas de verdade, atores chegam a sofrer pequeno acidentes. 

Em 1956, o ator inicia a trajetória como autor de telenovelas na TV Tupi. Escreve Caminhos Incertos (1956), que conta no elenco com os atores Laura Cardoso, Percy Aires (1932-1992) e Luís Gustavo (1934). 

A novela Vendaval (1973), exibida na TV Record, é o último trabalho de Baleroni como ator.

 

Análise

Fernando Baleroni é entusiasta da produção de radionovelas no Brasil e das telenovelas e teleteatros feitos nos primeiros anos da televisão no país. Acompanha a transição entre esses meios, primando pelo rigor na qualidade do que é produzido e pela dedicação exigida dos artistas envolvidos no processo. 

Defende a importância dos programas TV de Vanguarda, TV de Comédia e Grande Teatro Tupi (exibidos pela TV Tupi entre as décadas de 1950 e 1960), pela possibilidade de levar ao público montagens teatrais feitas ao vivo. Orgulha-se da força-tarefa lançada pelos artistas para conseguir imprimir beleza artística em programações experimentais. 

Para Baleroni, a capacidade do bom ator está relacionada ao estudo e à preparação de personagem. Tecnicamente, está atento aos mecanismos de narrativa que evoluem com a transição do rádio para a TV, como a sonoplastia e a cenografia.

Em 1953, presencia um marco na teledramaturgia nacional: a chegada do videotape. Nesse ano, integra o elenco do primeiro teleteatro gravado do Brasil. Para filmar Hamlet, sob direção de Dionísio Azevedo (1922-1994), os atores do TV de Vanguarda trabalham por 48 horas ininterruptas dentro dos estúdios da Tupi. 

Fernando Baleroni é, entretanto, crítico do modelo de indústria televisiva que ganha espaço no Brasil a partir da década de 1970. O diretor acredita que programas pré-gravados, que substituem as emissões ao vivo, distanciam os atores da emoção, tornando-os reféns da técnica.

Espetáculos 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • BALERONI, Fernando. Entrevista sobre os 30 anos de TV no Brasil. São Paulo, 5 fev. 1980.
  • BRANDÃO, Tania. Uma empresa e seus segredos: Companhia Maria Della Costa. São Paulo: Perspectiva; Rio de Janeiro: Petrobras, 2009. 368p.
  • CARDOSO, Laura. Persona em Foco – Laura Cardoso. São Paulo, 28 jul. 2015. Entrevista concedida a Mauro Gianfrancesco e Zécarlos de Andrade. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=p4D7sRR-BBQ. Acesso em: 10 fev. 2017.
  • IMPÉRIO, Flávio. Flávio Império em cena: o guia. Curadoria Gláucia Amaral. São Paulo: SESC SP, 1997. [64] p., il.
  • LEKS, Julia. Laura Cardoso: contadora de histórias. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010. (Série Aplauso Perfil).
  • MATTOS, David José Lessa. Pioneiros do rádio e da TV no Brasil. São Paulo: Códez, 2004.
  • PORTO E SILVA, Flávio. O teleteatro paulista nas décadas de 50 e 60. São Paulo: Centro de Documentação e Informação sobre Arte Brasileira Contemporânea, 1981.
  • Programa do Espetáculo - A Próxima Vítima - 1967.
  • Programa do Espetáculo - Homens de Papel - 1967.
  • REVISTA do Rádio, ed. 250, 26 jun. 1954.
  • REVISTA do Rádio, ed. 377, 1 dez. 1956.
  • SOUZA, José Inácio de Melo. Relação de teleteatros apresentados pela TV Tupi – 1950-1954. São Paulo: [s.n.], 2011.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: