Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Halina Biernacka

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.02.2021
24.08.1914
2005 Brasil / São Paulo / São Paulo
Halina Julia Smolensky Biernacka (Zakopane, Polônia, 1914 – São Paulo, Brasil, 2005). Professora, bailarina e coreógrafa. Halina é uma das expoentes do balé clássico no Brasil. Nascida na cidade polonesa de Zakopane, inicia-se no balé aos 11 anos. Em 1931, ingressa como suplente de solista no Balé da Ópera de Varsóvia. Sob direção do coreógrafo ...

Texto

Abrir módulo

Halina Julia Smolensky Biernacka (Zakopane, Polônia, 1914 – São Paulo, Brasil, 2005). Professora, bailarina e coreógrafa. Halina é uma das expoentes do balé clássico no Brasil. Nascida na cidade polonesa de Zakopane, inicia-se no balé aos 11 anos. Em 1931, ingressa como suplente de solista no Balé da Ópera de Varsóvia. Sob direção do coreógrafo russo-americano Bronislava Nijinska (1891-1972), integra o Balé Estadual da Polônia no posto de solista. 

Em 1939, foge do país por causa da invasão nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1941, instala-se na cidade de São Paulo. Nesse mesmo ano, frequenta aulas da professora Maria Olenewa (1896-1965) e funda a escola Ballet de São Paulo1, que segue o método russo de ensino de balé. Forma grupos com seus alunos, como o Ballet Artedanse, em 1953, e o Ballet Paulistano, em 1956. 

Em 1960, é homenageada na Câmara Municipal de São Paulo pelos 20 anos dedicados ao ensino da dança na cidade. 

Em 1978, cria o Decamera Ballet, companhia de balé de repertório. Em 1980, é certificada como membro efetivo do Conselho Nacional de Dança. Em 1982, cria o Grupo de Dança Ballet Clássico de São Paulo, sucessor da companhia anterior. O grupo estreia em Coppélia (1982), balé remontado pela argentina Olga Ferri (1928-2012), no Teatro Municipal de São Paulo. Cabe a Halina as primeiras montagens dos balés de repertório no Brasil, como Lago dos Cisnes, A Bela Adormecida, Carmen, Dom Quixote, Giselle (seu preferido), Les Sylphides e O Quebra-nozes.

Halina é responsável pela formação de muitos bailarinos brasileiros. Em 1982, recebe o título de Gran Dama Comendadora da Sociedade Brasileira de Educação e Integração. Entre outros prêmios que recebe, estão o Troféu Inacen e a medalha de ouro da Unesco, em 1986.

Halina traz para a dança clássica brasileira a paixão e a disciplina do balé russo. Quando chega a São Paulo, percebe que não há espaço para atuar como bailarina e decide dar aulas. Em 1941, a cidade conta com poucas manifestações de ensino do balé clássico e não existem grupos profissionais. Halina conta com humor que sua chegada na capital foi difícil e “revoltante”: “Eu ia de casa em casa, dava aulas particulares. Eu pensava: aonde você caiu depois de dançar em Londres, Paris, Estados Unidos?”. Logo se adapta ao ensino da dança e abandona a carreira de bailarina. “Meu casamento era feliz”, justifica. Nesse momento, estabelece-se um marco na história do balé clássico no Brasil: dona Halina, como era conhecida pelos alunos, dedica sua vida à arte de ensinar a técnica clássica russa. Seu prazer está em encontrar entre seus alunos os talentos inatos para a dança clássica, desenvolvê-los e encaminhá-los para um grupo de dança profissional. Seu papel é fundamental como formadora de grandes professoras e bailarinas, como Cecília Kersche e Liliane Benevento. Halina Bienarka figura comonome de maior expressão no ensino de balé clássico em São Paulo.

Nota

1. A escola também é chamada, ao longo de sua existência, de Ballet Halina Biernacka e Centro Internacional de Dança Halina Biernacka. Além de cursos de balé classico, nela são ministradas aulas de jazz, baby class e ginástica corretiva.

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • CAMINADA, Eliana. Halina Biernacka. Jornal Dança, Arte e Ação, Rio de Janeiro, n. 71, mar./ abr. 2006. Disponível em: http://dancecom.com.br/daa/col_caminada.php. Acesso em: 24 out. 2012.
  • CUNHA LIMA, Regina S. Ballet clássico, uma alternativa moderna para manter a forma com técnica e arte. Informativo WMulher, São Paulo, 3 abr. 1996. Disponível em: http://www.wmulher.com.br/template.asp?canal=poesia&id_mater=136. Acesso em: 25 out. 2012.
  • GG Vídeo-Revista Vídeo & Dança. 50 anos de Halina Biernacka no Brasil. São Paulo, 1991. 1 vídeo-disco (37’49): NTSC: son., cor.
  • PONZIO, Ana Francisca. Balé exigente, belo. Folha de S.Paulo, São Paulo, 21 out. 1985.
  • PONZIO, Ana Francisca. Halina, a mestra dos vôos impossíveis. Folha de S.Paulo, São Paulo, 10 out. 1990.
  • PONZIO, Ana Francisca. Lições de Halina trouxeram o rigor clássico. Folha de S.Paulo, São Paulo, 13 out. 1991.
  • VIDA DE Dona Halina. Disponível em: http://www.orkut.com/Main#CommMsgs?tid=2460200448758289902&cmm=411341&hl=pt-BR. Acesso em: 24 out. 2012.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: