Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

John Ulhoa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
11.02.1966 Brasil / Minas Gerais / Paracatu
João Daniel Ulhoa (Paracatu, MG, 1966). Multi-instrumentista, compositor, produtor musical. Nascido no interior de Minas Gerais, muda-se com a família para Belo Horizonte. Em 1982, ainda como João Daniel, integra o conjunto de rock Sexplícito. Após anos trilhando o circuito amador, a banda é selecionada para a coletânea Rock Forte (1987), de ban...

Texto

Abrir módulo

Biografia

João Daniel Ulhoa (Paracatu, MG, 1966). Multi-instrumentista, compositor, produtor musical. Nascido no interior de Minas Gerais, muda-se com a família para Belo Horizonte. Em 1982, ainda como João Daniel, integra o conjunto de rock Sexplícito. Após anos trilhando o circuito amador, a banda é selecionada para a coletânea Rock Forte (1987), de bandas de Belo Horizonte, pelo seleo Plug, onde interpreta as faixas Vaporzinho da Calçada (John Ulhoa e Rubinho Troll) e No Thanks (Rubinho Troll). O primeiro álbum, Combustível para fogo (1989), impulsiona John Ulhoa a receber o prêmio de "Melhor Guitarrista do Ano -1989", concedido pela revista Bizz. Em 1990, John e banda tentam a vida em São Paulo, onde gravam O disco dos mistérios ou 3 diabos e ½ ou Sexplícito visita o Sítio do Pica-Pau Amarelo ou Tributo a H. Romeu Pinto (1991). O início de 1991 marca o retorno do artista a Belo Horizonte e seu desligamento do Sexplícito.

Em 1992, John funda o conjunto o Pato Fu, com Fernanda Takai (voz) - a quem conhece na loja Guitar Shop de instrumentos musicais que mantinha com o irmão Zé Mauro e com quem se casa em 1995 -, Ricardo Koctus (baixo e voz), Lulu Camargo (acordeom e teclados) e Xande Tamietti (bateria e percussão). Além de principal compositor da banda, John Ulhoa toca guitarra, violão e teclados, participa dos vocais em algumas faixas e é o responsável pelos arranjos eletrônicos que marcam a sonoridade do grupo. São oito os discos autorais pelo Pato Fu: Rotomusic de liquidificapum (1993), Gol de quem? (1995), Tem mais acabou (1996), Televisão de cachorro (1998), Isopor (1999), Ruído rosa (2001), Toda cura para todo mal (2005) e Daqui para o futuro (2007). Três outros discos fazem parte da discografia da banda: MTV ao vivo Pato Fu - No Museu de Arte da Pampulha (2002); e Música de brinquedo (2010) e Música de brinquedo ao vivo (2011), que, mirando o público infantil, trazem releituras de sucessos de outros artistas em instrumentos musicais de brinquedo. Em uma carreira bem-sucedida que perdura até os dias de hoje, o Pato Fu estampa ainda cinco DVDs, entre registros ao vivo, clipes e making-ofs.

Na atuação de John Ulhoa como produtor, destacam-se a parceria com Arnaldo Baptista em Let it bed (2004), que assinala a volta do ex-mutante aos estúdios após 17 anos; a participação em dois projetos individuais de Fernanda Takai, os álbuns Onde brilhem os olhos seus (2007) e Luz negra (2009); e os trabalhos com a cantora mineira Érika Machado, com o grupo Sinamantes e com a banda de música eletrônica Digitaria.   

 

Comentário Crítico

Guitarrista de reconhecida excelência, além de multi-instrumentista e inquieto manipulador de bases eletrônicas (baterias eletrônicas, sequenciadores e sintetizadores programáveis), John Ulhoa é um dos músicos mais criativos do atual panorama do rock brasileiro. Ao invés de limitar seu processo de criação a fórmulas que veiculem uma linguagem padrão reconhecida por um determinado público médio, ele procura desbravar novos rumos dentro do emaranhado de gêneros que constitui a música pop. Tal postura pode ser observada em todas as etapas de uma carreira que inicia na banda alternativa Sexplícito, desponta no Pato Fu e abarca o trabalho de produção de outros artistas.

Observando-se algumas declarações de John à imprensa, pode-se depreender que as facetas alternativa e pop, presentes de forma mais ou menos equilibrada em suas músicas desde a formação do Pato Fu, costumam ser forjadas em etapas distintas de seu processo de composição. Na primeira etapa, a de criação estrutural do corpo da canção, John se ampara no formato voz e violão; é nesta hora que surgem as melodias inspiradas e os refrãos que costumam garantir a venda de discos e o trânsito radiofônico da banda. No estágio seguinte, o de formulação dos arranjos, John recorre a seu estúdio 128 Japs (corruptela de "128 japoneses", como chama seus programas e instrumentos virtuais de computadores); é quando, através do método de tentativa e erro, ele costuma experimentar sonoridades diferentes que, mais do que atribuir uma embalagem "moderninha" às composições, as complexificam, assegurando a tão propalada originalidade do Pato Fu inclusive em seus maiores sucessos - como Sobre o tempo, Depois, Perdendo dentes, Antes que seja tarde, Vida imbecil e Made in Japan, faixa onde John rende homenagem à tecnologia japonesa que lhe é tão proveitosa.      

Descendente direto do movimento tropicalista criado por Caetano Veloso, Gilberto Gil e Os Mutantes, banda apontada como influencia direta do Pato Fu, John se notabiliza como poucos no atual cenário da música brasileira por juntar informações pertencentes a registros à primeira vista inconciliáveis para criar efeitos inesperados e, consequentemente, atingir resultados insólitos. Em Simplicidade, por exemplo, mais um sucesso com o Pato Fu, a mistura de toada caipira com música eletrônica resulta na curiosa voz robótica de sotaque capiau com que ele interpreta a canção.

Tal procedimento está intimamente ligado a outro que é uma das marcas do Pato Fu: a arquitetura, numa mesma faixa, numa fusão de ritmos, em que um tema sucede a outro compondo um mosaico sonoro que muitas vezes acaba por implodir o formato canção. Um exemplo paradigmático deste liquidificador de ideias colocado em movimento pelo artista é a música Rotomusic de liquidificapum. Esta faixa justapõe, em ritmo vertiginoso, vinhetas de tecno-pop eletrônico, rock, hardcore, funk e rap, combinando temas elaborados pela banda com citações - tais como do conjunto de rock americano Kiss e da música do desenho animado Os Flintstones - que aludem, jocosamente, ao enorme repertório do pop. Já na regravação de A volta do boêmio, samba-canção de Adelino Moreira eternizado na voz de Nelson Gonçalves, John enfileira batida de música eletrônica, música de realejo, sampler de um trecho da versão original, solos distorcidos de guitarra e o violão seresteiro caro ao gênero para fazer uma releitura carinhosa deste clássico do cancioneiro brasileiro.

Letrista mais prolífero do Pato Fu, John Ulhoa muda seu processo de composição a partir do momento em que sua mulher, Fernanda Takai, aos poucos assume a o posto de principal intérprete do conjunto, no palco e no segundo disco da banda, Gol de quem?. As letras inicialmente despojadas, de comicidade anárquica e onomatopaica, dão lugar, gradativamente, à preocupação com o encaixe entre o texto e a melodia e com a abordagem de questões subjetivas e sociais mais sérias, embora sem perder o senso de humor iconoclasta e um tanto improvável que caracteriza o Pato Fu.

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: