Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Miguel Sanches Neto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.09.2018
25.07.1965 Brasil / Paraná / Bela Vista do Paraíso
Miguel Sanches Neto (Bela Vista do Paraíso, Paraná, 1965). Poeta, romancista, contista, cronista, ensaísta, crítico literário e professor universitário. Em 1969, após a morte do pai, transfere-se com a família para a cidade de Peabiru, zona rural do Paraná. Sua mãe se casa com um pequeno comerciante local. Conclui o estudo fundamental no Colégio...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Miguel Sanches Neto (Bela Vista do Paraíso, Paraná, 1965). Poeta, romancista, contista, cronista, ensaísta, crítico literário e professor universitário. Em 1969, após a morte do pai, transfere-se com a família para a cidade de Peabiru, zona rural do Paraná. Sua mãe se casa com um pequeno comerciante local. Conclui o estudo fundamental no Colégio Olavo Bilac e na Escola 14 de Dezembro. Faz curso de datilografia e, em 1980, por pressão da família, ingressa no Colégio Agrícola Estadual de Campo Mourão. Passa por Rondonópolis e Curitiba.

É aprovado no vestibular para cursar direito na Universidade Estadual de Londrina (UEL), mas desiste da carreira. Volta a Peabiru e, em 1984, ingressa no curso de letras da  Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari (Fafiman). Estuda e trabalha como agricultor numa propriedade de seu padastro. Formado em 1986, segue para Curitiba, onde leciona em escolas de periferia. Torna-se amigo da poetisa Helena Kolody (1912-2004).

Cursa o mestrado na Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), tendo como tema de pesquisa a obra do escritor Dalton Trevisan (1925). Ganha o Prêmio Nacional Luis Delfino, em 1989, com o livro de poemas Inscrições a Giz. Torna-se professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Como crítico literário, escreve para diversos periódicos. Faz doutorado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Publica o romance Chove Sobre a Minha Infância (1999) e conquista o Prêmio Cruz e Souza com o livro de contos Hóspede Secreto (2000). Também escreve diversas obras para o público infantojuvenil e lança o romance A Máquina de Madeira, em 2012.

Análise

De inspiração memorialista e teor confessional, a obra de Miguel Sanches Neto se constrói a partir de um núcleo dramático característico, comum tanto a sua produção poética, quanto a sua ficção em prosa - sendo que seus textos transitam livremente pelos dois gêneros.

Egressas de um mundo semirrural, suas personagens experimentam o mal-estar nascido do sentimento de exílio vivenciado na cidade grande. Desenraizadas, desterritorializadas, são figuras marcadas por esta experiência contraditória, a que o autor chama de "condição pós-moderna". Cindidas, não conseguem forjar sua identidade em meio à modernidade oferecida pela metrópole e tampouco encontram espaço de conforto no imaginário herdado do mundo rural.

Tal perspectiva surge com força em Chove Sobre a Minha Infância, romance no qual o escritor transpõe os limites da autobiografia, revisitando, sem saudosismo, antigas memórias familiares, transfiguradas pela fabulação romanesca. Em diálogo com a tradição do chamado romance de formação, e com a obra memorialística de autores como Pedro Nava (1903-1984) e José Lins do Rego (1901-1957), o livro narra a história de vida de um escritor nascido numa pequena cidade do Sul do Brasil, reconstruindo seu trajeto desde a infância marcada pelo analfabetismo familiar e pela perda do pai, até seu ingresso no mundo das letras.

No plano da forma, a escrita de Sanches Neto recusa os artificialismos de linguagem, optando por uma fala narrativa coloquial, ao mesmo tempo poética, filtrada pelas lentes do que o autor define como "lirismo desencantado".

Debates 1

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Miguel Sanches Neto - Enciclopédia Itaú Cultural
Com mestrado e doutorado em literatura, o paranaense Miguel Sanches Neto considera o diploma mais importante de sua vida o do curso de datilografia Bandeirante, conquistado quando ganha uma máquina de escrever portátil e inicia sua carreira de escritor. Sua produção é debruçada em poesia, conto, romance, crônica, ensaio e crítica, trazendo uma visão contínua do tempo e de personagens desenraizados, que não se sentem vinculados a nenhum espaço. Seu objetivo é pensar a contemporaneidade, sem desconsiderar visões de mundo de gerações anteriores da literatura. “Nossos mestres não perdem a atualidade”, diz. “A linguagem pode ser diferente e ter sua aparência modificada, mas a temática é a mesma em sua essência.” Criado em uma pequena cidade do interior do Paraná, o escritor retrata em seu trabalho a experiência vivida nesse ambiente semirural durante a infância. “É conflito entre o espaço interiorano perdido e o espaço cosmopolita que a gente vive hoje.”

Realização: Gasolina Filmes
Entrevista: Gabriel Carneiro
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Erika Mota (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: